Champions League

Com dois gols, Vini Jr. frustra virada relâmpago do Bayern de Munique sobre o Real

Real Madrid e Bayern de Munique protagonizam grande jogo e deixam semifinal da Champions League totalmente em aberto

Tudo igual e em aberto na semifinal da Champions League entre Bayern de Munique e Real Madrid. Nesta terça-feira (30), os gigantes europeus mediram forças na Allianz Arena e empataram por 2 a 2. Melhor jogador em campo no lado merengue da força, Vinicius Júnior marcou os dois gols do time espanhol. Sané e Harry Kane foram às redes pela equipe bávara.

Os dois times voltam a se enfrentar no dia 8 de maio (quarta-feira), pelo duelo de volta. A bola rola a partir das 16h (horário de Brasília), no Santiago Bernabéu. Antes disso, porém, ambas as equipes têm compromissos no fim de semana. Líder de LaLiga, o Real Madrid recebe o Cádiz, sábado (4), às 11h15 (horário de Brasília). No mesmo dia, às 10h30 (horário de Brasília), o Bayern de Munique, segundo colocado da Bundesliga e já sem chances de título, visita o Stuttgart.

Escalações

Bayern de Munique e Real Madrid foram a campo com o que tinham de melhor. Thomas Tuchel escalou o Gigante da Baviera no 4-2-3-1, com Sané, Musiala e Thomas Müller municiando Harry Kane, enquanto Ancelotti optou por um 4-4-2 no time merengue. Tchouaméni, Valverde, Toni Kroos e Bellingham formaram o meio, e Vinicius Júnior e Rodrygo atuaram lado a lado no ataque.

Bayern de Munique: Neuer; Kimmich, Eric Dier, Kim Min-Jae e Mazraoui; Laimer, Goretzka, Sané e Thomas Müller; Musiala e Harry Kane.

Real Madrid: Lunin; Lucas Vázquez, Rüdiger, Nacho Fernández e Mendy; Tchouaméni, Valverde, Toni Kroos e Bellingham; Vinicius Júnior e Rodrygo.

Passe magistral de Kroos e frieza de Vini Jr

Com 40 segundos de bola rolando, o Bayern de Munique colocou Lunin para trabalhar e por pouco não abriu o placar. Na primeira trama ofensiva do time alemão, Kane tabelou com Sané e deixou o camisa 10 frente a frente com o goleiro ucraniano, que efetuou defesa providencial e salvou o Real Madrid. Acuado, o time espanhol via os bávaros trocarem passes desde o campo de defesa e não conseguia frear o ímpeto ofensivo do adversário. A estratégia de Tuchel era muito clara: imprimir ritmo intenso e surpreender os merengues nos primeiros minutos.

Três finalizações em menos de 10 minutos. O Bayern pressionou e não deixou o Real Madrid respirar no começo da partida. A equipe de Ancelotti sabia que teria menos posse de bola, mas esperava contra-atacar e agredir os alemães. Sem sucesso. Preocupado com a inoperância ofensiva de seu time e as incessantes investidas dos donos da casa, o treinador madridista se mostrou inquieto na área técnica, e a todo momento orientava o posicionamento dos jogadores merengues.

Aos poucos, o Real Madrid foi arrefecendo a pressão do Bayern e entrando no jogo. E normalmente quando o adversário deixa isso acontecer, é punido. Dito e feito. Os bávaros não transformaram o volume ofensivo inicial em gol e acabaram pagando o preço aos 23′. Toni Kroos descolou passe mágico e encontrou Vinicius Júnior livre no meio da defesa alemã. O atacante brasileiro bateu colocado e rasteiro, na saída de Neuer, e inaugurou o marcador na semifinal.

Apesar do duro golpe, o Bayern não abaixou a cabeça. Pelo contrário. Retomou o controle da posse de bola e atuou majoritariamente no campo de ataque, girando o jogo e buscando brechas na defesa madridista. Em nada adiantou. A postura impecável dos merengues, em todos os setores de campo, impediu qualquer reação do time mandante, que foi para o intervalo no prejuízo. Com exceção de uma falta cobrada por Harry Kane, rente à trave de Lunin, o Gigante da Baviera pouco criou.

Sané e Kane comandam virada relâmpago

Precisando da reação, Tuchel voltou com uma mudança para a etapa complementar. Raphaël Guerreiro entrou no lugar de Goretzka e fortaleceu o lado esquerdo do Bayern de Munique. Em um primeiro momento, a mexida não surtiu efeito. O Real Madrid voltou melhor do intervalo e ficou perto de ampliar aos cinco minutos. Vinicius Júnior levou a melhor sobre Kim fora da área e clareou a jogada ao acionar Bellingham. Livre de marcação, o inglês enxergou bem a passagem de Kroos pela esquerda e serviu o camisa 8, que finalizou colocado e obrigou Neuer a fazer um milagre.

A resposta bávara foi letal. Sané fez um verdadeiro salseiro no corredor direito, tirou Mendy do lance já cortando para o meio e arrematou forte, entre dois marcadores. Lunin até pulou, mas nada achou. Reação do Gigante da Baviera, que não parou por aí. Empurrado pela sua quente e apaixonada torcida, o Bayern buscou a virada três minutos depois. Musiala foi derrubado por Lucas Vázquez dentro da área e o árbitro não titubeou. Pênalti. Sempre preciso na marca da cal, Kane deslocou o arqueiro ucraniano e colocou os donos da casa na frente. Festa nas arquibancadas da Allianz Arena, que pulsava sem parar.

Kane deslocou Lunin e colocou o Bayern na frente (Foto: Icon Sport)

De pênalti, Vinicius Júnior arranca empate importante para o Real

O cenário do jogo mudou em questão de minutos. Se antes, o Real Madrid reinava soberano e tranquilo em campo, após a virada do Bayern, os merengues tiveram de lidar com uma avalanche bávara. Mesmo com o resultado favorável, o time alemão não diminuiu o ritmo. Afinal, encarar o maior campeão europeu no Santiago Bernabéu não é uma tarefa fácil e, por isso, ampliar a vantagem seria algo importante para as pretensões de Tuchel e companhia.

Assim como no 1º tempo, o Real Madrid gradualmente foi se acertando dentro das quatro linhas. Vinicius Júnior foi novamente acionado em profundidade, dessa vez por Modric, e saiu cara a cara com Neuer. O paredão alemão ergueu o muro e defendeu o chute do camisa 7. Porém, não conseguiu impedir o empate na sequência. Kim calçou Rodrygo na área e o pênalti foi assinalado pelo árbitro. Frio, Vini cobrou, deixou tudo igual e deu números finais à partida.

Estatísticas de Bayern de Munique 2 x 2 Real Madrid – Champions League 2023/24

  • Posse de bola: 52% x 48%
  • Faltas: 11 x 10
  • Finalizações: 14 x 10
  • Finalizações no gol: 5 x 4
Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Apaixonado por futebol, uniu o amor pelo esporte mais popular do mundo ao jornalismo. Carioca da gema e grande entusiasta da Premier League, cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na música, vai de Post Malone a Armandinho. Eclético assim como na área técnica. Afinal, Guardiola e Mourinho são suas referências.
Botão Voltar ao topo