Champions League

Pochettino: “A história do Real Madrid na Champions fala por si, não é questão de jogadores ou técnico, é da força do clube”

Pochettino preferiu não atribuir favoritismos ao confronto das oitavas de final, mas salientou como é necessário respeitar a história do Real Madrid na Champions

Mauricio Pochettino atravessa um momento crucial no Paris Saint-Germain. Já surgem rumores de que o argentino não permanecerá à frente do clube na próxima temporada, mas o objetivo ainda é a conquista da Champions League. O desafio nos mata-matas começa com um delicado embate diante do Real Madrid nesta terça-feira, no Parc des Princes – às 17h, com transmissão de SBT, TNT e HBO Max. Embora não aponte favoritos, Pochettino não nega como a história dos merengues no torneio pesa bem mais.

“Não creio que exista mais pressão de um lado do que de outro. Respeitamos o Real Madrid como um dos maiores clubes do mundo. A história do Real Madrid na Champions fala por si, não é questão de jogadores ou técnico, é da força do clube. Não há favoritos, é uma eliminatória que poderia ser uma final. O PSG leva mais de 50 anos esperando ganhar esse título, então nós somos os aspirantes. Quem possui o hábito de ganhar a Champions estará diante de nós”, salientou.

Lembrado na coletiva que chegou a bater o Real Madrid com o Tottenham, em meio ao tricampeonato recente dos merengues, Pochettino preferiu desconsiderar o retrospecto: “Ganhei do Real Madrid em 2017, mas agora estou no PSG. Começamos a construir essa equipe no último verão. É importante criar as conexões adequadas. Há jogadores que se conhecem, claro, mas são contextos diferentes. Se você vê o Real Madrid, às vezes eles não vêm bem em La Liga, na Copa do Rei… mas competem na Champions e acabam ganhando”.

Uma expectativa é sobre o que Lionel Messi poderá produzir com o PSG no momento decisivo da Champions. O comandante acredita que seu craque poderá fazer a diferença: “São noites importantes e Leo está bem. Pode transmitir muitas coisas de maneira individual e na sua posição com toda a equipe. Seu papel pode ser fundamental. A equipe também está bem, não há necessidade de falar num jogo como esse. Todo mundo está comprometido. Vejo Leo bem e com vontade”.

Sobre a escalação, Pochettino já garantiu que Idrissa Gana Gueye e Abdou Diallo, campeões da Copa Africana de Nações por Senegal, não estarão entre os titulares: “Não sei o que farão em outros clubes, mas nós sabemos como manejar nossos jogadores. Temos que tomar essas decisões pensando na equipe”. Além disso, o técnico bancou a rotação de seus goleiros, entre Keylor Navas e Gianluigi Donnarumma: “Depois de sete meses, nos regemos por critérios que têm funcionado e não importa quem jogará no gol, porque temos dois goleiros de primeiro nível. Está funcionando até agora”. Resta saber se o escolhido segurará os rojões diante dos merengues.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo