Champions League

Placar apertado não faz jus ao tamanho da imposição do Manchester City sobre o PSG

Diferença de futebol entre os dois times foi gritante, mas foi o PSG que saiu em vantagem e exigiu um esforço enorme para o City virar com gol de Gabriel Jesus

As expectativas de jogaço entre Manchester City e Paris Saint-Germain foram plenamente cumpridas. No Etihad Stadium, em Manchester, os azuis celestes arrancaram uma vitória por 2 a 1 que foi muito mais difícil do que a diferença de futebol apresentado pelos dois clubes poderia sugerir. Foi um banho de bola dos comandados de Pep Guardiola, que dominaram amplamente a partida, criaram inúmeras chances, especialmente no primeiro tempo, mas tiveram que puxar galões para vencer de virada no segundo tempo.

Em termos de futebol, foi um massacre. A bola que o Manchester City jogou era para vencer com tranquilidade, com alguns gols de diferença. O PSG pouco conseguiu fazer durante todo o jogo. Foi dominado e atacou em poucas brechas que teve. A equipe de Guardiola amassou, criou chances, mas não foi eficiente em aproveitar essas oportunidades. Deixou espaço para o PSG fazer o que já tinha acontecido no primeiro jogo: usar suas individualidades para vencer.

Quando Mbappé marcou 1 a 0 no primeiro ataque do segundo tempo, a impressão era justamente essa: o City mais uma vez seria punido por ter jogado melhor e não ter feito o gol. O talento individual do PSG é gigantesco e os parisienses pareciam capazes de causar muitos problemas nos contra-ataques. O técnico Pep Guardiola ficou muito nervoso com o gol. Reagiu irritado.

Só que o time não perdeu a compostura. O Manchester City continuou buscando o gol, pressionando e pouco a pouco conseguiu a virada. A entrada de Gabriel Jesus foi muito importante, já que o brasileiro ajudou a melhorar a equipe e participa dos dois gols. O gol de empate passou por ele e o segundo ele mesmo não deixou passar. Uma virada que fez jus a quem foi melhor o jogo todo.

Desta vez, o Manchester City não foi só melhor em campo, venceu também no placar. No primeiro jogo entre os dois, o PSG capitalizou as chances que teve para vencer e sair com três pontos fundamentais na disputa pelo primeiro lugar do grupo. Com 12 pontos, os Citizens garantiram a primeira posição porque deixaram o PSG com oito. O RB Leipzig e o Club Brugge estão eliminados. Então, tudo ficou definido neste grupo.

Primeiro tempo

Foi uma primeira etapa dominada só pelo Manchester City. Jogando em casa, os Sky Blues conseguiram sufocar o time parisiense desde o começo do jogo. O que se viu foi um jogo desequilibrado, com o time de Guardiola amassando o adversário.

Logo a cinco minutos, em um toque de cabeça de Rodri, Kimpembé salvou quase em cima da linha, no alto, em uma cabeçada. Depois, Mahrez foi quem disparou em uma boa jogada e foi o lateral Hakimi que desviou de cabeça e salvou o time francês.

Aos 32 minutos, mais uma chance clara: jogada de Cancelo pela esquerda, Nuno Mendes cortou e a bola sobrou dentro da área, limpa para Ilkay Gündogan. O alemão finalizou colocado, mas a bola bateu na trave. Nada de gol no Estádio Etihad.

Mbappé perde chance

No fim do primeiro tempo, em um contra-ataque, o PSG desperdiçou a sua melhor chance. Em uma bola perdida no círculo central, Neymar colocou em velocidade para Mbappé, com espaço, avançar. Ele ajeitou o corpo para bater de perna direita, perdeu tempo e chutou mal, para fora, perdendo o equilíbrio.

PSG arranca o gol

Depois de tomar uma imensa pressão no primeiro tempo, o PSG conseguiu abrir o placar. É uma loucura, mas foi o que aconteceu. Messi recebeu, tocou em Neymar, que acionou Nuno Mendes na esquerda. O lateral tocou no meio para Neymar, que fez o corta-luz para Messi receber, avançar para dentro da área, cruzar rasteiro, a bola desviou e sobrou para Mbappé dominar e chutar por baixo das pernas de Ederson: 1 a 0. Nada indicava que isso aconteceria. Mas em um lance de classe dos seus craques, o PSG saiu em vantagem.

Sterling empata para o City

O Manchester City reagiu. Continuou atacando, buscando o gol e insistindo nas jogadas trabalhadas. Rodri fez um excelente lançamento para Kyle Walker na direita, encontrando com precisão o lateral. Ele cruzou rasteiro para a área, a bola passou por Gabriel Jesus, marcado, e Raheem Sterling conseguiu tocar para o fundo da rede: 1 a 1. Eram 18 minutos do segundo tempo, 13 minutos depois de sofrer o gol.

Gabriel Jesus vira

A postura do Manchester City seguiu a mesma. Amassando o rival no campo de defesa, dominando a bola e atacando constantemente, rondando a área e buscando espaços. Até que uma bela jogada resultou na virada.

Gündogan recebeu passe longo na direita, fez a finta na marcação, tocou atrás para Mahrez, que cruzou para o outro lado, onde estava Bernardo Silva. O meia ameaçou chutar de primeira, mas ajeitou para o meio. Gabriel Jesus nem pegou em cheio na bola, mas desviou o suficiente para tirar de Keylor Navas e marcar: 2 a 1, aos 31 minutos. O placar, enfim, parecia fazer jus ao volume de jogo muito maior do City, que pressionava o tempo todo.

Não houve reação do PSG. O City continuou com a bola, mantendo a tranquilidade, mas diminuindo o ritmo. O time segurou os três pontos até o final e saiu de campo como a melhor equipe no confronto desta quarta. Agora, os dois times já estão garantidos e irão se preparar para as oitavas de final. A última rodada será meramente protocolar.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo