Champions League

Os fiscais de campo do Malmö contra o Real Madrid são um time de futebol americano

Quando algum torcedor invade o gramado, é aquele Deus nos acuda. Os seguranças correm atrás do infrator, tentando derrubá-lo e imobilizá-lo, como defensores atrás do recebedor em uma partida da NFL. E quem poderia fazer isso melhor do que os próprios jogadores desse esporte?  O Malmö contratou oito atletas do Limhamn Griffins, time de futebol americano da cidade, para serem os fiscais de campo do jogo contra o Real Madrid, pela Champions League, nesta quarta-feira.

LEIA MAIS: Ibrahimovic reserva a principal praça de Malmö para ninguém perder sua volta para casa

“Levar a pessoa para fora do campo é como perseguir uma galinha”, compara, de maneira maravilhosa, o presidente do Griffins, Joan Travelodge, ao jornal Expressen. “Nossos jogadores são perfeitos para essa missão, uma vez que são todos fortes, rápidos e acostumados a fazer isso”.

Os jogadores não vão trabalhar com os seus uniformes, capacetes e proteções (infelizmente, porque seri uma visão engraçadíssima), nem atacarão os invasores com a mesma volúpia que fazem com os adversários. “Os jogadores vão enfrentar e derrubar as pessoas não autorizadas, mas de uma maneira harmoniosa, para que ninguém seja ferido”, completou o muito otimista Travelodge, que imagina ser possível que jogadores de futebol americano derrubem alguém harmoniosamente.

“A Champions League virou Malmö de cabeça para baixo. Este é um grande momento e nossos jogadores vão poder ver o jogo na primeira fila”, completou o presidente, explicando que não foi difícil convencer seus atletas a trabalharem na partida. Difícil será alguém invadir o gramado.

Por Bruno Bonsanti

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo