Champions League

O Napoli abusou dos vacilos e sofre uma derrota que ainda pode custar muito caro

Três derrotas consecutivas, uma situação que o Napoli não experimentava desde novembro de 2013. As duas últimas no Estádio San Paolo, o que havia acontecido pela última vez em dezembro de 2012. Não dá para chamar de crise, mas os napolitanos estão sob estado de atenção. O time de Maurizio Sarri perdeu um pouco de fôlego na Serie A e, agora, sofre o primeiro tropeço na Champions. E muito por própria culpa. Acumulando erros, os celestes acabaram batidos diante de sua torcida para o Besiktas, por 3 a 2. Ao menos não deixaram a liderança do Grupo B, parelho também pelo triunfo do Benfica sobre o Dynamo de Kiev, na Ucrânia, por 2 a 0.

O pesadelo do Napoli demorou pouco a se concretizar. O time partiu para cima nos primeiros minutos e martelou a meta de Fabri. O problema é que, do outro lado, o Besiktas saiu em vantagem logo no primeiro ataque. Tolgay Arslan deu um passe soberbo para Ricardo Quaresma. O português cruzou, a linha de zaga assistiu e Adriano apareceu para escorar. Partindo para cima, os celestes arrancaram o empate aos 30, com Dries Mertens arrematando passe de José Callejón. Só que antes do intervalo os turcos voltariam à dianteira. Cortesia de Jorginho, que deu um péssimo recuo e deixou Vincent Aboubakar na cara do gol.

Na volta para o segundo tempo, a resposta do Napoli foi instantânea. O goleiro Fabri parecia pronto para entregar o ouro e cometeu um pênalti bobo. Para sua sorte, Lorenzo Insigne cobrou mal e o espanhol se redimiu, espalmando o chute. Substituído pouco depois, o atacante foi vaiado e deixou o campo chorando. O karma dos celestes persistia. Mertens atuava centralizado no ataque e chamava a responsabilidade, mas faltava precisão. Até que os napolitanos foram presenteados com uma penalidade bastante discutível. Desta vez, Manolo Gabbiadini não desperdiçou.

Por mais que jogasse melhor e parecesse mais disposto à virada, o Napoli pecava em excesso atrás. E uma bola acabou sendo suficiente para a vitória do Besiktas, aos 41 do segundo tempo. Em cobrança de falta na intermediária, Quaresma levantou para a área. Ninguém marcou Aboubakar e nem Pepe Reina saiu para afastar. Testada firme do camaronês, que definiu o excelente resultado para os alvinegros.

Vice-líder do Campeonato Turco e dono de um elenco interessante, o Besiktas se coloca na briga pelos mata-matas. Permanece invicto na Champions, com cinco pontos (um a mais que o Benfica), e pega os dois rivais diretos em Istambul. Mas, independente da competência dos visitantes, não dá para negar a bobeira que o Napoli deu. Os italianos somam seis pontos, mas viajam ao Estádio da Luz e à Vodafone Arena. O preço dos erros desta quarta podem ser muito mais caros mais para frente, ainda mais para um time que não vê o seu meio-campo funcionando tão bem quanto na temporada passada e tenta se reformular após a perda de Arkadiusz Milik. A reação precisa vir o quanto antes.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo