Champions League

Num jogo eletrizante, o Zenit arrancou o empate por 3×3 no fim e o Chelsea acabou na segunda posição do Grupo H

Ozdoev marcou um gol espetacular aos 49 do segundo tempo e o Chelsea será o terror do Pote 2 no sorteio

O Chelsea parecia ter um compromisso protocolar na última rodada do Grupo H da Champions League. Depois de vencerem a Juventus e assumirem a liderança, os Blues só necessitavam de uma vitória simples sobre o Zenit na Gazprom Arena para selar a primeira colocação. Porém, o mistão de Thomas Tuchel viu um desafio bem mais difícil que o imaginado, por mais que os russos não tivessem mais nada a disputar na tabela. Os ingleses saíram na frente, tomaram a virada e retomaram a dianteira no placar, antes que o emocionante empate por 3 a 3 fosse concluído por um golaço de Ozdoev nos acréscimos do segundo tempo. Werner foi uma grata surpresa pelo Chelsea, com dois gols e uma assistência, mas a defesa pecou demais. Enquanto isso, os brasileiros do Zenit contribuíram enormemente com a reação, em especial Claudinho, em noite inspirada.

O Zenit entrou em campo com o time completo, mesmo garantido por antecipação na Liga Europa. Douglas Santos, Wendel, Malcom e Claudinho formavam a legião brasileira. Outro destaque era Sardar Azmoun no comando do ataque. Já o Chelsea aproveitava sua rotação e até fazia alguns testes. Reece James atuava centralizado como volante, enquanto Saúl Ñíguez vinha aberto na ala esquerda. Mason Mount era o responsável pela ligação, com Timo Werner e Romelu Lukaku no ataque.

O Chelsea partiu para cima desde o primeiro minuto e logo conseguiu o gol. Num bom passe de Mount, Saúl testou o goleiro Mikhail Kerzhakov. Na sequência, após cobrança de escanteio fechada de Ross Barkley, a bola atravessou a área e sobrou para Timo Werner completar quase em cima da linha. Parecia um jogo tranquilo aos Blues, que ainda rondaram o segundo tento pouco depois, num cruzamento de Lukaku para Werner que a zaga cortou. O Zenit se via completamente sufocado por um adversário que conseguiu se impor no campo de ataque por cerca de 15 minutos e se indicava disposto a uma goleada.

Quando despertou, no entanto, o Zenit encontrava os espaços na defesa adversária. Os celestes atacavam com muita velocidade e contavam bastante com Claudinho pelo lado esquerdo. O meia não pegaria bem quando teve sua primeira oportunidade, mas pouco depois serviu Malcom. O atacante saiu sozinho com Kepa Arrizabalaga, que realizou uma ótima defesa no mano a mano. A confiança dos russos era clara, mesmo que os ingleses tivessem mais posse de bola. Azmoun também deu uma cabeçada perigosa, num momento em que os Blues demoravam a responder. Uma nova chance dos visitantes só surgiu aos 34, em cruzamento de Lukaku para Mount, mas Kerzhakov fez ótima defesa.

O jogo parecia suficientemente aberto, até que o Zenit encontrou o empate aos 38. Num lance em que a zaga do Chelsea afastou parcialmente, Douglas Santos deu um cruzamento cirúrgico e Claudinho se infiltrou na área para aparecer sozinho, desviando de cabeça. A virada também não tardaria, num contra-ataque bem encaixado. Claudinho acionou Malcom, que deu uma enfiada na medida para Azmoun escapar nas costas da zaga. Diante de Kepa, o iraniano não titubeou e deixou o seu, ao driblar o arqueiro. Ainda poderia ter pintado o terceiro antes do intervalo, mas Kepa faria uma linda intervenção de novo contra Azmoun.

O intervalo fez bem ao Chelsea, que pôde esfriar a cabeça nos vestiários. O jogo seguia aberto no início do segundo tempo, com trabalho aos dois goleiros, e o Zenit precisou lidar com a lesão de Wendel, substituído por Andrey Mostovoy. Porém, os Blues encaixariam uma boa jogada para conseguir o empate aos 17. Werner tabelou brilhantemente com Barkley e invadiu a área. Diante de Kerzhakov, o alemão só rolou para Lukaku, com o trabalho fácil de escorar às redes. Mas, ainda que o momento fosse favorável aos londrinos, logo os russos retomariam sua carga ofensiva.

Kepa era fundamental para evitar um estrago maior em São Petersburgo e faria uma defesa sensacional aos 26. Claudinho cruzou no capricho e Azmoun deu a cabeçada firme, mas o goleiro voou no canto para realizar uma defesa dificílima. Os celestes permaneceriam no campo de ataque, explorando principalmente os cruzamentos. Em meio às substituições e à lesão de Azmoun, que deu lugar a Artem Dzyuba, o ímpeto se reduziu. O que permitiu aos Blues renascerem na reta final.

Werner tentava marcar mais um. Chegou a ser travado pela zaga e a ser parado pelo goleiro, até desvirar o placar aos 40. Christian Pulisic deu a enfiada para o alemão, que deu um corte rápido no marcador e chutou rasteiro, tirando do alcance de Kerzhakov. Ainda existiam dúvidas sobre o posicionamento do atacante, mas o VAR confirmou. Sem responsabilidade, o Zenit permaneceu em cima durante os minutos finais. Nem arriscava tanto, mas quando acertou, Magomed Ozdoev marcou um gol espetacular para decretar o empate aos 49. Numa sobra de bola na entrada da área, o camisa 27 acertou um lindíssimo chute de primeira rumo ao ângulo. Fechou o placar em grande estilo num jogo animado.

O Chelsea termina o Grupo H na segunda colocação, com 13 pontos, já que a Juventus venceu o Malmö e chegou aos 15. Uma atuação ruim dos Blues na defesa pode complicar o chaveamento nas oitavas. Já o Zenit ia para a Liga Europa de qualquer forma, com cinco pontos, já que levava a melhor contra o Malmö no confronto direto. O empate pode não valer muito para a situação na tabela, mas a atuação foi um teste positivo dos celestes, com mostras de qualidade e reação.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo