Champions League

Nove histórias para acompanhar de perto nos playoffs da Champions, a última fase preliminar

Como diria o sábio, “a Liga dos Campeões é logo ali”. Nesta terça, começa a última etapa preliminar da principal competição de clubes da Europa. E já com ótimos jogos para se acompanhar na TV, especialmente pelo embate entre Hoffenheim e Liverpool. Apenas os vencedores avançarão à fase de grupos, enquanto os eliminados precisarão se contentar com a Liga Europa. Para esquentar os motores, trazemos algumas boas histórias prometidas para os próximos dias, confira:

– O Azerbaijão vai chegar à fase de grupos?

A representatividade de algumas antigas repúblicas soviéticas tem aumentado na Liga dos Campeões. Ao longo dos últimos anos, Bate Borisov e Astana se tornaram figurantes notáveis, colocando Belarus e Cazaquistão no mapa. Nesta linha, quem parece mais próximo de chegar à elite do futebol continental é o Azerbaijão. Qarabag, Qabala e Neftchi Baku disputaram a fase de grupos da Liga Europa nas últimas temporadas. Agora, o Qarabag aparece pela primeira vez na última etapa preliminar da Champions. Tem missão difícil, mas pode fazer história a um país que investe pesado no futebol.

– Hapoel Be’er Sheva e Rijeka, sedentos por história

Israel e Croácia possuem representantes na Rota dos Campeões que protagonizam grandes trajetórias. O Hapoel Be’er Sheva vem assumindo o protagonismo em seu país nos últimos anos e, depois de aprontar no cenário continental na última temporada, tenta a classificação inédita à Champions. Os alvirrubros eliminaram o Olympiacos e venderam caro a vaga para o Celtic na última edição da copa europeia, antes de derrubarem Internazionale e Southampton na fase de grupos da Liga Europa, caindo apenas para o Besiktas nos 16-avos de final. O Rijeka, por sua vez, alcançou um feito imenso ao desbancar a hegemonia do Dinamo Zagreb e faturar o inédito título croata. Também tenta sua primeira aparição na etapa principal da Liga dos Campeões, referendado por deixar o Red Bull Salzburg pelo caminho. Nos playoffs, os croatas pegam o Olympiacos, enquanto os israelenses devem ter vida mais fácil ante o Maribor. O ex-blaugrana Isaac Cuenca é um dos reforços do Be’er Sheva.

slavia

– Slavia Praga, um gigante ressurge

A classificação dos tchecos à fase de grupos pode não ser novidade, mas faz tempo que o Slavia não figura entre os principais times do continente. A última aparição aconteceu em 2007/08, ficando com a honrosa terceira colocação em sua chave. E os alvirrubros vem com moral após quebrarem outro jejum, rompendo um hiato de oito anos sem conquistar o Campeonato Tcheco. A eliminação do Bate Borisov na fase anterior pode ser um bom indicativo para encarar o Apoel Nicósia. O clube foi buscar várias figurinhas carimbadas no mercado de transferências, como o português Danny, o eslovaco Miroslav Stoch, o turco Halil Altintop e o ucraniano Ruslan Rotan. Entre os tchecos, Dusan Svento e Milan Skoda são os mais renomados.

– Até que ponto dá para manter a esperança?

A Liga dos Campeões representa um reforço financeiro notável aos clubes do segundo escalão da Europa. No entanto, está longe de ser garantia de sucesso. Desde que a Rota dos Campeões foi instituída, apenas quatro times que saíram dela conseguiram avançar aos mata-matas – sendo que o Celtic, o último deles, alcançou a “façanha” apenas no longínquo ano de 2012/13. Os escoceses tentarão manter sua honra contra o Astana para chegar à fase de grupos, mas sabem que descolar uma vaguinha na Liga Europa com o terceiro lugar já estaria de bom tamanho. Faltam perspectivas para competir em alto nível.

adeba

– O novato que vem da Turquia?

O Istanbul Basaksehir já fez história na temporada passada, quando ameaçou o bicampeonato turco do Besiktas e descolou a vaga inédita nas preliminares da Liga dos Campeões. Agora, espera mais. O elenco de Abdullah Avci vem recheado de veteranos. Emre Belözoglu, Emmanuel Adebayor e Márcio Mossoró já estavam no grupo. Ganham a companhia de medalhões como Mevlüt Erdinç, Eljero Elia, Gökhan Inler, Gaël Clichy e Aurélien Chedjou. Resta saber se a fórmula dará certo contra o Sevilla, que perdeu jogadores importantes, além de Monchi e Sampaoli, mas também investiu em nomes interessantes e promete uma nova era comandada pelo ótimo Eduardo Berizzo. Éver Banega, Nolito, Jesús Navas e Luis Muriel devem incomodar.

– Young Boys e o rompimento merecido

Quatro clubes já representaram a Suíça na fase de grupos da Liga dos Campeões: Basel, Grasshopper, Thun e Zürich. Nunca o Young Boys, a despeito de ser o clube mais importante de Berna. A sina dos aurinegros se explica pelo jejum no campeonato nacional que dura desde 1986 – no antigo formato da Champions, possuem até mesmo uma semifinal no currículo, caindo para o Stade de Reims em 1958/59. De qualquer forma, poderia ter sucesso maior nos anos recentes, com quatro quedas nas preliminares, inclusive na última temporada, quando o Borussia Mönchengladbach o mandou para a fase de grupos da Liga Europa. Se há uma motivação desta vez, a eliminação do Dynamo Kiev na etapa anterior já representa bastante. Esperam fazer o serviço também contra o CSKA Moscou, que costumeiramente figura na fase de grupos da Champions, mas há tempos não acrescenta algo de útil.

– Sporting contra o fim da maldição

Se a sorte não anda muito ao lado do Sporting nos últimos anos, a Champions é um dos motivos. Todas as vezes que o clube alcançou a fase de grupos neste século, foi porque conseguiu a classificação antecipadamente. Em suas quatro aparições nas preliminares, foram quatro eliminações – para Internazionale, Udinese, Fiorentina e CSKA Moscou. Os lisboetas ainda precisam se refazer da lanterna em sua chave na última edição, quando não descolaram nem uma vaguinha nos mata-matas da Liga Europa, superados pelo Legia Varsóvia. O favoritismo está com eles, contra o Steaua Bucareste. Os romenos, de qualquer forma, pegaram embalo após a classificação contundente sobre o Viktoria Plzen, com goleada.klopp

– Os cérebros alemães a todo vapor

O jogo mais esperado da rodada coloca frente a frente o Liverpool de Jürgen Klopp e o Hoffenheim de Julian Nagelsmann. Dois times que teriam qualidade para figurar na fase de grupos, mas acabaram maltratados pelo sorteio. Apenas um sobreviverá. Os treinadores inventivos duelarão com dois times de vocação ofensiva, o que aumenta bastante a expectativa de gols. Só que, na queda de braço, os Reds têm leve vantagem pela qualidade de seu elenco. Às vésperas do encontro, os treinadores germânicos trocaram elogios através da imprensa. É ver como será dentro de campo.

– Napoli enfrenta a incógnita

Ao longo das últimas temporadas, sob as ordens de Maurizio Sarri, o Napoli se estabeleceu como uma das equipes mais vistosas do futebol europeu. O desempenho na Serie A fala por si, mas dá para fazer mais na Champions. E a cobrança é por um impacto maior, depois das dificuldades enfrentadas contra o Real Madrid em 2016/17. Os celestes não vem com reforços tão bombásticos, mas apostam na manutenção de sua ótima base. Só não sabem muito o que esperar do Nice. Sim, os franceses eliminaram o Ajax na etapa anterior, mas perderam os seus dois primeiros jogos pela Ligue 1. Além disso, não terão Mario Balotelli ou Wesley Sneijder na visita ao San Paolo. Precisarão se reinventar em um momento de questionamento.

 

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo