Champions League

Mount saiu do banco para provar mais uma vez sua importância ao Chelsea – ainda mais neste momento incerto

Mount é um dos jogadores mais regulares do Chelsea e daria sua contribuição para a classificação diante do Lille

O Chelsea não precisou de muito esforço para ratificar sua classificação na Champions League. Os Blues tomaram pressão do Lille, mas não demoraram a buscar o empate no primeiro tempo. Durante a segunda etapa, administrando o ritmo, os londrinos construíram o triunfo por 2 a 1. E o resultado teria a participação decisiva de um nome muito importante no ciclo atual do clube, mas nem sempre tão mencionado quanto merece. Mason Mount saiu do banco, auxiliou na melhora da equipe e deu a assistência que fechou o placar.

Mount tem motivos para ser um jogador querido no Chelsea, como uma cria da casa. Mais do que isso, corresponde na bola. É um meia incisivo e que, mesmo com sua dose de talento, não costuma dar jogada por vencida. Essa mentalidade ajudou para se firmar no time principal num momento em que os pratas da casa eram necessários, após seu proveitoso empréstimo ao Derby County. Já na temporada passada, mesmo com a chegada de reforços e com a saída de Frank Lampard, Mount foi o jogador mais regular do time campeão europeu. Não seria protagonista nas decisões, o que não impede o reconhecimento de sua importância. Não à toa, recebeu o prêmio de melhor do clube em 2020/21.

A regularidade de Mount se repete nesta temporada. É um dos jogadores mais produtivos do Chelsea na Premier League, mesmo ausente em algumas partidas. Já na Champions League, sem tantos minutos assim no torneio, o jovem se provou num momento importante. Thomas Tuchel optou por rechear o meio-campo na França, mas isso não deu resultado durante o primeiro tempo contra o Lille e Mount entrou na volta do intervalo, no lugar de Mateo Kovacic. A equipe ganharia mais capacidade na ligação e mais mobilidade.

Num jogo em que o Chelsea tinha o relógio a seu favor, Mount contribuiu para que o time controlasse o tempo. De qualquer maneira, um gol a mais daria conforto aos Blues e esfriaria os Dogues. Foi o que aconteceu aos 26 do segundo tempo, quando os visitantes decretaram a virada no Estádio Pierre Mauroy. Com espaço na esquerda, Mount descolou um cruzamento perfeito para César Azpilicueta marcar. Sua entrada no time se pagava. Sem a bola, também foi participativo e ajudou no combate, embora o segundo tento tenha derrubado o Lille de vez.

Durante os últimos dias, Mount ainda ganhou as manchetes pela maneira como se posicionou sobre a crise do Chelsea e também pelos rumores de que aceitaria um congelamento em seus salários diante das incertezas. Em campo, o jovem se mostra focado, algo visto na partida contra o Norwich, cercada pelo debate ao redor do futuro do clube. Mais do que nunca, os Blues precisam de jogadores identificados. Mount traz isso consigo, além de muita qualidade com a bola. Tem o caminho aberto para se tornar um nome grande em Stamford Bridge, pelos feitos e também pela postura.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo