Champions League

Morata salva Juventus com gol nos acréscimos em vitória sofrida contra o Ferencváros

A Juventus fez um jogo muito ruim contra o Ferencváros, mas mesmo assim conseguiu uma sofrida vitória por 2 a 1, pela Champions League. A equipe teve muitas dificuldades diante do adversário húngaro, com quem tinha empatado fora de casa por 2 a 2 na rodada anterior. Apesar da atuação abaixo do esperado, o que se destaca é que Cristiano Ronaldo arrancou um gol quando o time não conseguia criar e que Álvaro Morata marcou quando o empate parecia inevitável. Uma vitória muito bem-vinda aos italianos, que serve mais como alívio.

LEIA TAMBÉM: Sem Messi, Barcelona teve Braithwaite muito bem para vencer Dynamo Kiev e garantir vaga nas oitavas

Pirlo foi a campo em uma formação bastante ortodoxa: um 4-4-2, com Wojciech Szczesny no gol, Juan Cuadrado na direita, Danilo e Matthijs De Ligt como zagueiros centrais e Alex Sandro na esquerda. O meio-campo foi formado por Weston McKennie na direita, Rodrigo Betancur no meio, junto com Arthur, e Federico Bernardeschi na esquerda. Paulo Dybala e Cristiano Ronaldo formaram o ataque.

O jogo foi muito mais difícil do que se imaginava. Houve até um certo equilíbrio no primeiro tempo. E aos 18 minutos, o gol dos húngaros saiu. Tokmac Nguen brigou pela bola, avançou, foi até a direita, cruzou para a área, a bola desviou em Alex Sandro e Myrto Uzuni completou para o gol: 1 a 0.

A parceria entre Dybala e Ronaldo não rendeu os frutos esperados. A melhor jogada entre eles foi um passe do argentino ao português, que marcou, mas foi marcado impedimento, corretamente. Nenhum dos dois jogadores faz uma referência na área e sofria com a defesa bem montada pelo Ferencváros.

A Juventus era até melhor, é verdade, mas não era exatamente uma situação que amassava o adversário. Faltavam boas chegadas ao ataque da Velha Senhora. Os atacantes da Juve pareciam incomodados com a situação e passaram a buscar mais o jogo por si mesmos. Até que veio o lance que igualou o marcador. Cristiano Ronaldo recebeu na direita, cortou para o meio e, de pé esquerdo, chutou de fora da área para acertar o canto e marcar: 1 a 1 no placar.

Embora a Juve tenha ficado com 68% da posse de bola, pouco conseguiu fazer. Em finalizações, teve só uma a mais, sete a seis, e também uma a mais em finalizações certas, três a duas. Se esperava mais no segundo tempo. A expectativa foi frustrada.

Para tentar melhorar o time, o técnico Pirlo fez três mudanças de uma vez, aos 17 minutos: colocou em campo Álvaro Morata no lugar de Paulo Dybala, Federico Chiesa no lugar de Bernardeschi, e Dejan Kulusevski no lugar de McKennie.

Morata conseguiu um lance perigoso: colocou uma bola em profundidade para Ronaldo, que passou pelo goleiro, mas Dénes Dibusz conseguiu se recuperar. Depois, foi a vez de Morata receber em profundidade de Chiesa e finalizar, mas errou e mandou para fora. O empate se aproximava mais e mais com o relógio andando rápido para os italianos.

Isso até os 46 minutos. Juan Cuadrado avançou pelo lado direito, conseguiu cruzar e Morata cabeceou para baixo. A bola foi em cima do goleiro, mas muito rápida e Dibusz desta vez falhou: a bola entrou e a Juve teve motivos para comemorar. Uma vitória sofrida, um 2 a 1 suado, mas muito importante.

A Juventus chega a seis pontos, deixa o Ferencváros com um, assim como o Dynamo Kiev. Com isso, fica a um passo da classificação. Com uma vitória nos últimos dois jogos, garante a vaga independente dos outros resultados.

Como esperado, o grupo deve mesmo terminar com Barcelona e Juventus nas primeiras posições. A não ser que a Juventus consiga o feito de jogar mal mais uma vez assim e não conseguir mais vencer. Mesmo assim, pode acabar se classificando, porque depende de Ferencváros ou Dynamo Kiev conseguirem vitórias improváveis.

Classificação fornecida por SofaScore LiveScore

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo