Champions League

Manchester City cria para golear, mas só sai com dois de vantagem sobre o Copenhagen

Em atuação de gala de De Bruyne, o Manchester City poderia ter feito um caminhão de gols, mas faltou efetividade

No confronto mais desequilibrado das oitavas de final da Champions League, a expectativa se cumpriu: o Manchester City dominou completamente o Copenhagen no Estádio Parken nesta terça-feira (13). No entanto, apesar de criar muito, o clube inglês só venceu por 3 a 1, gols marcados por Kevin De Bruyne (que teve uma atuação de gala), Bernardo Silva e Phil Foden, ambos com assistência do belga. O time da casa até assustou quando igualou o placar a partir de uma falha de Ederson, mas logo tudo voltou a normalidade.

A partida de volta, no Etihad Stadium, acontece em quatro semanas, marcada para 6 de março. O adversário de quem avançar às quartas de final será definido em sorteio, realizado no dia 15 do próximo mês.

Manchester City sofre inesperado empate, mas Bernardo Silva garante vantagem

Em comparação ao jogo do último final de semana, Pep Guardiola promoveu mudanças em todos os setores. Como sempre, Ederson estava no gol, atrás do trio Kyle Walker, Rúben Dias e Nathan Aké. John Stones, que fechava como o zagueiro pela direita, dava um passo à frente no momento com bola para se alinhar a Rodri no meio-campo. O “quinteto” de ataque tinha Jack Grealish (esquerda) e Phil Foden (direita) na amplitude, ao mesmo tempo que Erling Haaland se posicionava no meio dos zagueiros adversários com apoio de Bernardo Silva e Kevin De Bruyne – o último, estreando nesta edição da Champions.

Também tinha estreia na principal competição europeia do lado do Copenhagen. O zagueiro Scott McKenna e o meio-campista Magnus Mattsson foram contratados no último mês e já figuram no time titular. A equipe da casa se posicionava em um 4-1-4-1 quando não tinha a posse de bola – ou seja, praticamente o tempo todo.

Sem muito espaço para jogar por dentro, o City achou nos lados do campo um bom caminho para quase marcar com apenas três minutos. Aké apoiou Grealish na esquerda e cruzou na medida para De Bruyne cabecear para fora. Depois, em rápida cobrança de bola parada, Bernardo levantou na área e Dias exigiu grande defesa de Kamil Grabara, que deu rebote, mas Aké isolou com o goleiro já caído.

O City não encontrou muita resistência do Copenhagen. Rodava a bola, buscava os lados do campo e achou espaço para abrir o placar com menos de 10 minutos. Foden recebeu lançamento bem aberto pela direita e já serviu De Bruyne, que invadiu a área em profundidade e bateu cruzado para superar Grabara.

Copenhagen x Manchester City
City abriu o placar com Kevin de Bruyne (Foto: Icon Sport)

Guardiola deveria estar muito satisfeito com o time, mas foi obrigado a mudar com 20 minutos. Grealish sentiu uma lesão muscular e Jérémy Doku substituiu o inglês. Com alguns segundos em campo, o ponta belga mostrou sua qualidade e deixou Bernardo em ótimas condições de cruzar pela esquerda. O levantamento teve um desvio do zagueiro Denis Vavro e a bola explodiu no travessão.

Completamente dominado em meia hora, sem finalizar ao gol adversário, o Copenhagen começou a sair mais para o jogo. Teve bola parada, conseguiu rodar a bola e, incrivelmente, empatou. O goleiro Ederson teve uma enorme parcela nisso porque foi pressionado, errou uma saída e Dias até conseguiu impedir a primeira finalização do time dinamarquês, mas, na segunda tentativa, Mattsson deu uma chapada perfeita para estufar as redes.

O que dava certo no City era a dobradinha entre belga e inglês pela direita. Em uma dessas, aberto como um ponta, De Bruyne, que sempre desfila técnica, mostrou também toda sua garra para vencer duas divididas seguidas e deixou Bernardo Silva na cara do gol para dar a vantagem ao visitante já nos acréscimos.

Goleiro brilha, mas City consegue ampliar no fim

Sem substituições no intervalo, o roteiro do jogo não mudou no início da etapa final. De Bruyne seguia como o destaque individual do time e quase marcou de fora da área em uma bomba no canto do goleiro. Só não esperava que Grabara fizesse uma grande defesa. O Copenhagen fez a primeira troca da partida com a entrada do centroavante Andreas Cornelius na vaga de Viktor Claesson. Não apenas pela mudança, mas até que o time da casa foi saidinho e levou perigo em alguns contra-ataques, faltando apenas um toque final para dar dor de cabeça para Ederson.

O Manchester City não conseguia avançar muito no último terço do campo. As chances vinham a partir de finalizações de fora e, de novo, Grabara brilhou em bomba de longe, dessa vez enviada dos pés de Doku. O cruzamento era uma forma de conseguir invadir a área para finalizar. Dessa forma que Haaland carimbou o travessão de cabeça.

O domínio era gigante, mas Grabara seguia atrapalhando. Ele defendia tudo que vinha, principalmente de Haaland, que tentou duas vezes, uma cara a cara, e parou no goleiro. No entanto, não conseguiria parar Foden, que concluiu no último minuto um cruzamento de De Bruyne.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo