Champions League

Liverpool aproveitou os erros imperdoáveis do RB Leipzig para, apesar do equilíbrio, sair na frente

O Liverpool fez um bom jogo nesta terça-feira, em Budapeste. O RB Leipzig também, no geral, mas com duas exceções muito claras e custosas: os dois erros crassos no campo de defesa que presentearam aos ingleses os gols da vitória por 2 a 0, fora de casa, no jogo de ida das oitavas de final da Champions League.

Foram duas falhas que Salah e Mané não perdoaram no pior momento possível. O Leipzig havia voltado melhor do intervalo, exigira uma grande defesa de Alisson, quando de repente se viu perdendo por dois gols de diferença. Agora, terá um trabalhão para reverter a eliminatória em Anfield, mesmo que facilitado pela ausência de torcedores.

O tom da partida foi de equilíbrio e muita intensidade entre duas equipes que são conhecidas pela pressão que exercem aos oponentes. O primeiro tempo começou lá e cá, com o RB Leipzig se impondo um pouco mais, enquanto o Liverpool esticava, principalmente para Salah, buscando as costas da defesa. A primeira grande chance foi dos alemães, em um cruzamento de Angeliño que Olmo se abaixou para cabecear na trave. Em uma das escapadas de Salah, Gulácsi teve que sair bem do gol para abafar, e Firmino mandou a sobra para fora.

Com cerca de 20 minutos, o Liverpool conseguiu se organizar no campo de ataque e superar a pressão do Leipzig. Com mais posse de bola, terminando o período com 58%, faltou criar mais situações de gol. Dava-se bem quando seu trio de ataque funcionava, como aos 24 minutos, em uma tabelinha entre Firmino e Salah. O cruzamento do brasileiro terminou em uma cabeçada por cima do travessão.

Mas, como tem sido nesta temporada, faltou um pouco mais de chegada dos laterais e produção ofensiva do meio-campo para ter mais volume no campo de ataque. Robertson, aliás, quase marcou do círculo central, depois de Gulácsi dividir um contra-ataque com Mané na entrada da área.

Firmino chegou a balançar as redes, aos 35 minutos. Após furar o rebote com a perna esquerda, Mané se esforçou para evitar a saída, protegida por Mukiele, e tocou para o brasileiro completar de cabeça. No entanto, o auxiliar assinalou que a bola havia cruzado completamente a linha de fundo, e o gol não foi validado. Não apareceu nenhuma imagem definitiva sobre o lance.

O Leipzig voltou com uma postura diferente e criou a sua grande chance de abrir o placar com um ataque muito vertical. De Angeliño para Olmo de Olmo para Nkunku sair na cara de Alisson. O francês tentou um toquinho por cima, mas o goleiro brasileiro conseguiu sair bem do gol e espalmar para fora.

Não deu nem tempo de pegar ritmo porque, aos sete minutos, Firmino dividiu com Upamecano na intermediária, e a sobra ficou com Sabitzer. Ele recuou para Klostermann, mas pegou o companheiro no contrapé. Salah apareceu por trás, entrou na área e bateu rasteiro para abrir o placar.

Cinco minutos depois, Jones fez o lançamento do campo de defesa, e Mukiele errou o tempo de bola. Não conseguiu o corte e caiu de bumbum no chão. Mané estava bem posicionado para ficar com a bola, entrar na área e também bater cruzado para fazer 2 a 0.

Os 30 minutos finais tiveram o Leipzig tentando de tudo para fazer um gol, mas também estava em um dia muito ruim nas finalizações, quase sempre muito tortas. Teve uma chegada de Angeliño pela esquerda, para fora. Outra de Sabitzer da entrada da área, também para fora.

A melhor situação acabou saindo em um dos últimos lances do jogo. Um bonito passe de Tyler Adams deixou Hee-Chan Hwang na cara do gol. Ele tentou tirar Alisson, mas acabou mandando para fora.

A decepção é tão grande quanto o esforço que será necessário ao Leipzig para tentar arrancar a vaga em Anfield. Pegou o Liverpool em um período de baixa na temporada, e fez um jogo razoável, mas falhou onde não poderia falhar. Aos ingleses, fica o alívio por encaminhar a permanência na única competição em que ainda tem chances reais de título nesta temporada.

.

.

.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo