Champions League

PSG para na trave, Hummels marca e Dortmund avança para a final da Champions

Borussia Dortmund toma quatro bolas na trave, mas com gol de Hummels elimina PSG na França e faz história

Muitas vezes, o futebol nos dá histórias digna de roteiro de filme. Dá para dizer que uma delas é do zagueiro Mats Hummels nesta quarta-feira (7). O defensor do Borussia Dortmund, titular no vice da Champions League de 2013 para o Bayern de Munique, virou herói hoje ao marcar o gol responsável por confirmar a classificação para mais uma final da competição europeia aos aurinegros. Por outro lado, o Paris Saint-Germain protagonizou mais um momento negativo em pleno Parque dos Príncipes, perdendo por 1 a 0.

O gol solitário desta quarta veio aos quatro do segundo tempo por um erro do brasileiro Marquinhos, ídolo do PSG, que tentou recuar Gianluigi Donnarumma e mandou direto para escanteio. Na cobrança, Julian Brandt levantou na segunda trave, onde Hummels venceu a marcação para escorar para as redes.

Em dia de herói, quase que o zagueiro artilheiro deu o incentivo que faltava para o dono da casa acordar antes dos 20 da etapa final, quando deu um carrinho em Ousmane Dembélé na entrada da área e o árbitro marcou pênalti. No entanto, mudou rapidamente a decisão e o VAR confirmou. Na falta, Marco Asensio cobrou no próprio colega.

O PSG pressionou, acertou a trave quatro vezes e passou perto de empatar. Não aconteceu, e Kylian Mbappé, em outro dia abaixo, provavelmente fez sua última exibição na Champions pelo clube parisiense, já que deve jogar no Real Madrid na próxima temporada.

Agora, o Dortmund vai novamente para Wembley, mesmo palco da decisão de 11 anos atrás, em 1º de junho, podendo enfrentar novamente o Bayern, caso eles vençam o Real amanhã, no Estádio Santiago Bernabéu.

Luis Enrique move Mbappé para a ponta, e Dortmund sem mudanças

É o famoso em time que ganha não se mexe. Edin Terzić adotou esse discurso e mandou os mesmos 11 jogadores para o Parque dos Príncipes.

Do outro lado, Luis Enrique teve que começar com Lucas Beraldo na defesa, já que Lucas Hernández sofreu uma grave lesão ligamentar na ida. Também efetuou uma mudança importante no ataque. O craque Mbappé entrou de ponta (flutuando para dentro e dando o corredor para Nuno Mendes) para Gonçalo Ramos ser o centroavante da equipe. Com isso, em comparação ao primeiro jogo, Bradley Barcola perdeu espaço.

PSG não cria nada no 1º tempo e é salvo por Donnarumma

As estatísticas do primeiro tempo, todas favoráveis ao PSG, não contam a história da primeira parte da volta da semifinal. O clube de Paris realmente teve mais a bola, mas longe de ter o controle definitivo e muito menos levar perigo contra a defesa rival. Não houve uma grande intervenção de Gregor Kobel, que só encaixou bolas facéis. A chance mais clara foi uma batida de fora de Fabian Ruiz, após bom passe de Mbappé, desviada por Nico Schlotterbeck e que quase tomou o rumo do gol.

O Dortmund fez um jogo maduro. Soube segurar a bola e acelerar em alguns momentos, especialmente pela direita com Jadon Sancho. Talhada também para contra-atacar, emplacou a maior oportunidade dos 45 iniciais. Em jogada vertical, Karim Adeyemi carregou até a área e, mesmo contestado pela marcação, bateu cruzado para Gianluigi Donnarumma dar um tapa mágico na bola. Mesmo com a vantagem, os alemães não só se defenderam, pelo menos nesse início.

Franceses param na trave e acabam eliminados

Não dá para dizer que o PSG não tentou na etapa final, só não foi de forma muito organizada. A equipe francesa buscou o gol por quase todo segundo tempo, e, antes mesmo do gol do Dortmund, carimbou a trave com Warren Zaïre-Emery. Esse roteiro dos postes defendidos por Kobel seria repetido mais três vezes. De longe, Nuno Mendes tentou e mandou no pé do poste. Depois, mesmo que tenha explodido no travessão, o goleiro do Borussia foi essencial para parar Mbappé quase na pequena área. Ainda teve tempo para Vitinha acertar o mesmo lugar, em outra arriscada de longe.

A pressão foi absoluta, desorganizada, e o gigante alemão se segurou até a classificação. Poderia ficar até amanhã, o time de Terzic veio para Paris para chegar na decisão da Champions.

Foto de Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius Amorim

Carlos Vinicius é nascido e criado em São Paulo e jornalista formado pela Universidade Paulista (UNIP). Escreveu sobre futebol nacional e internacional no Yahoo e na Premier League Brasil, além de eSports no The Clutch. Além disso, atuou como assessor de imprensa no setor público e privado.
Botão Voltar ao topo