Champions League

Foden recompensa a confiança cada vez maior e protagoniza o retorno do City às semifinais

Jovem marcou o gol decisivo nas duas vitórias sobre o Dortmund e se valoriza como destaque, aos 20 anos

Phil Foden levou um tempo até engrenar no Manchester City. O talento do garoto era evidente, suas primeiras aparições já agradavam, mas ainda assim Pep Guardiola demonstrava uma cautela excessiva para firmá-lo na equipe. Dizia que a sequência viria com o tempo, mas concedia menos minutos do que o prodígio realmente merecia. Na temporada passada, o inglês passou a ganhar o espaço devido no City. E, frequente entre os titulares, agora apresenta sua importância em 2020/21: aos 20 anos, foi um personagem fundamental para colocar os Citizens nas semifinais da Champions League, algo que Guardiola ainda não tinha conseguido desde sua chegada no clube. Ao lado de Kevin de Bruyne, esteve entre os melhores do time nos 180 minutos contra o Borussia Dortmund.

A sequência de Foden para deslanchar aconteceu na reta final da temporada passada. A promessa emendou boas atuações, com direito a noite de gala na goleada sobre o campeão Liverpool. Ausente no jogo contra o Lyon pela Champions League, talvez pudesse fazer mais na melancólica eliminação dos Citizens. A semente, de qualquer maneira, estava plantada. E ficava claro como o meia, mesmo tão jovem, estava preparado a subir na hierarquia celeste. O mais importante era Guardiola demonstrar sua confiança em seu futebol, o que acontece atualmente.

Foden é uma das principais figuras na ótima campanha do City na Premier League. Já dava sua contribuição quando o time não estava bem e se tornou uma referência técnica na guinada atual. Algumas das vitórias de maior peso na arrancada dos Citizens tiveram o jovem como destaque, incluindo os 3 a 1 sobre o Chelsea em Londres e os 4 a 1 para cima do Liverpool em Anfield. Nas últimas rodadas, porém, Foden começou a frequentar o banco no Campeonato Inglês. Isso não significava um desprestígio com Guardiola, muito pelo contrário. O treinador passou a preservar o talento para utilizá-lo mais vezes na Champions.

Foden esteve em campo em todos os dez jogos do Manchester City na competição continental. Só não foi titular na estreia, contra o Porto. Depois disso, foi um nome constante na equipe. Marcou gol da vitória contra o Olympiacos e, diante do Borussia Mönchengladbach nas oitavas, ajudou com uma assistência. Seu peso maior, ainda assim, aconteceu nas quartas de final contra o Borussia Dortmund. O camisa 47 anotou o gol da vitória por 2 a 1 tanto na ida quanto na volta, além de ter feito uma atuação particularmente notável no reencontro dentro do Signal Iduna Park.

O moral de Foden é o que explica principalmente a ausência de Raheem Sterling do time. Guardiola acaba prescindindo de um atacante mais característico para escalar um quarteto móvel no ataque. Foden participa do carrossel ao lado de De Bruyne, Bernardo Silva e Riyad Mahrez. O jovem se concentra mais do lado esquerdo, ainda que exista um revezamento como falso 9. E sua capacidade ofensiva fica expressa, diante da maneira como o camisa 47 se apresenta para o jogo e participa da definição das jogadas. Foi assim que anotou os dois gols mais importantes de sua breve carreira.

No Estádio Etihad, depois de parar duas vezes no goleiro Marwin Hitz, Foden estava no lugar certo para receber o passe de Ilkay Gündogan e decretar a vitória no final. Já no Signal Iduna Park, desferiu um chute potente da entrada da área que atingiu o canto de Hitz e confirmou a classificação. Acertou quase tudo que tentou e se apresentou sempre. Mais do que um jogador tecnicamente qualificado e muito incisivo, o garoto demonstra uma ótima leitura do jogo, que permite sua escalação em diferentes funções. É o que o coloca entre os favoritos de Guardiola neste momento e que contribui em sua ascensão, numa reta final de temporada na qual os Citizens vislumbram tamanho sucesso.

Não faltam mais minutos para Foden apresentar seu talento, como antes. Não parece mais que Guardiola desconfia do real potencial do ponta. E se a Champions dá peso ao seu sucesso no clube, a coleção de taças logo aumentará. Deverá ganhar sua primeira Premier League como um dos atores principais, enquanto ainda possui a Copa da Liga e a Copa da Inglaterra entre as possibilidades. Já na seleção, também ganha espaço pouco antes da Eurocopa. Em sua idade, Foden não é o prodígio mais badalado do futebol europeu. Mas faz o suficiente para virar destaque num dos melhores times do mundo e brilhar na maior competição do continente.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo