Champions League

Em noite de estrelas apagadas, empate sem graça em Paris deixa PSG e Benfica muito perto da classificação

Jogo no Parque dos Príncipes terminou em 1 a 1, o que deixa tanto PSG quanto Benfica muito perto da classificação para as oitavas de final

PSG e Benfica já tinham feito um jogo morno em Lisboa, que acabou empatado por 1 a 1, e repetiram a dose em Paris. No Parque dos Príncipes, os dois times empataram novamente por 1 a 1, em um jogo sem muitas emoções e bastante sem graça. Apesar disso, o resultado foi bom para as duas equipes, que estão muito perto de garantir a classificação, empatados com oito pontos e com cinco de vantagem para Maccabi Haifa e Juventus.

Os parisienses vieram a campo com um desfalque importante: Lionel Messi, machucado, não foi relacionado para a partida. Pablo Sarabia foi escalado para o seu lugar. Outro desfalque foi o lateral Nuno Mendes, substituído por Juan Bernat. O Benfica tinha os desfalques de longo prazo, os zagueiros Lucas Veríssimo e Felipe Morato.

O Benfica começou bem o jogo, atacando especialmente pelo lado direito. No lance mais perigoso, João Mário chegou pela direita e cruzou, a defesa rebateu e a bola voltou para ele, que cruzou de novo. Achraf Hakimi tocou com o braço na bola e o árbitro apontou pênalti, mas imediatamente seguiu o bandeirinha, que marcou o impedimento de João Mário no rebote que recebeu.

O PSG chegava especialmente pela esquerda, com Kylian Mbappé usando a sua velocidade. Foi pela esquerda, mas com outro jogador, que veio uma chance clara: Juan Bernat foi acionado e, dentro da área, foi derrubado e o pênalti foi marcado. Mbappé foi quem pegou a bola e não teve nem discussão. Foi ele que partiu para a bola, cobrou, convicto, e marcou 1 a 0, aos 409 minutos.

No segundo tempo, o Benfica chegava pouco e o PSG parecia se aproximar mais de chegar ao segundo gol do que de tomar o primeiro. Em um lance, Mbappé, pela esquerda, mais uma vez foi acionado em velocidade, fez a finta para o meio e chutou colocado. A bola passou muito perto e saiu.

Só que em um lance bobo, surgiu a oportunidade do empate. Rafa Silva foi acionado na área e Marco Verratti dividiu a bola. Inicialmente, nada foi marcado porque não pareceu mesmo nada de mais. O replay, porém, deixou claro: Verratti pisou no tornozelo do meio-campista português. Após revisar no VAR, o árbitro não teve dúvida de apontar pênalti. Na cobrança, João Mário cobrou com firmeza e segurança: alto, no canto direito de Gianluigi Donnarumma, e marcou no Parque dos Príncipes: 1 a 1.

Pouco depois do gol, aos 24 minutos, Neymar carregava a bola pelo meio e Enzo Fernández fez uma entrada forte em cima do brasileiro. Tomou cartão amarelo. Neymar ficou sentindo a pancada.

O jogo esfriou e o Benfica cresceu no jogo. Se até o gol de empate o time pouco chegava, passou a estar mais presente no campo de ataque e chegou perto de marcar com Julian Draxler – o que seria uma ironia curiosa, já que o alemão está emprestado pelo próprio PSG.

O técnico Christophe Galtier colocou o atacante Hugo Ekitiké no lugar de Pablo Sarabia, colocando, assim, um centroavante no time. Não funcionou. Já nos últimos minutos, o técnico ainda sacou Mbappé, que sentia uma entrada forte.

Falando em Mbappé, nem ele, nem Neymar conseguiram fazer um bom jogo. Em meio a especulações que Mbappé estaria insatisfeito no PSG e pensaria em sair do clube já em janeiro – um rumor que foi negado pelo diretor de futebol Luis Pinto antes do jogo -, os dois times fizeram pouco.

No fim, o empate por 1 a 1 foi condizente com o jogo: morno, sem muita graça e sem ninguém jogando melhor que o outro. Assim, o empate ficou de bom tamanho. Inclusive em termos de classificação, já que foi bom para os dois times, que se igualam em oito pontos e veem os dois rivais do grupo, Maccabi Haifa e Juventus, terem apenas três. Dificilmente os dois times deixam de se classificar às oitavas de final.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo