Europa

Brendan Rodgers e Celtic têm tudo para serem um casamento perfeito

A próxima temporada do Campeonato Escocês vale a sua atenção. O Rangers está de volta à primeira divisão, e o Celtic contratou um grande nome para o seu banco de reservas. Ex-técnico do Liverpool, Brendan Rodgers substitui o norueguês Ronny Deila, em uma parceria que tem tudo para ser um casamento perfeito.

LEIA MAIS: Cadeira no estádio do Aberdeen ficará para sempre vazia em tributo a torcedor que faleceu

Deila, apesar de ter conquistado duas edições da liga nacional e uma Copa da Liga Escocesa, foi eliminado duas vezes na fase preliminar da Champions League, privando os torcedores de encontros com os principais times do mundo, como aquele em 2012, quando venceu o Barcelona, no Celtic Park. E não foi para nenhum cachorro grande: caiu para o Maribor, da Eslovênia, e para o Malmö, da Suécia.

Somam-se a isso campanhas ruins mesmo na Liga Europa – queda nos 16 avos de final e lanterna do seu grupo na temporada seguinte – e um futebol abaixo das expectativas da torcida, que sabe que será campeão escocês com um pé nas costas na ausência do Rangers, mas cobra que a equipe atue de uma maneira atraente. Houve, também, a eliminação para o grande rival nas semifinais da Copa da Escócia desta temporada.

Rodgers tem um currículo alguns patamares acima do jovem Deila, de 40 anos. Foi eleito o melhor treinador da Premier League há duas temporadas, fez um bom trabalho com o Swansea, levou o Liverpool a um vice-campeonato e disputou Champions League. Tem experiência no mais alto nível do futebol mundial, um perfil estranho ao Celtic, que não costuma contratar treinadores tão bem cotados. Mostra um um apreço pelo futebol ofensivo no seu estilo de jogo, o que deve agradar os apaixonados torcedores do Celtic.

Sem a possibilidade de fazer grandes contratações – justamente seu principal problema no Liverpool -, Rodgers deve explorar as fortes categorias de base do time escocês, que tem pérolas como Jack Aitchison, jovem promessa de 16 anos que se tornou o mais jovem a marcar um gol pelo Celtic na goleada por 7 a 0 sobre o Motherwell. O norte-irlandês tem experiência em lapidar talentos. Foi com ele que Sterling despontou como um jogador importante na Inglaterra, e Luis Suárez afirmou que não seria o mesmo jogador sem a influência de Rodgers.

A passagem de Rodgers por Anfield, apesar de ter ficado muito próximo do título inglês em 2014, desgastou um pouco a imagem do treinador, que não conseguiu reconstruir o Liverpool depois da saída de Suárez, falhou em se classificar às oitavas de final da Champions League e foi demitido no começo da atual temporada para a chegada de Jürgen Klopp. Com erros no mercado de transferências, ele sempre mostrou, por outro lado, ter grande capacidade para arrumar o time, com imaginação para adaptar as peças e boas variações táticas.

Ele sabe que o Celtic representa um ótimo lugar para fazer um trabalho elogiável e voltar a ser considerado seriamente pelos outros grandes e médios times da Europa. Tanto que aceitou ganhar menos da metade do salário que recebia do Liverpool. A atmosfera do Celtic Park é uma das mais cativantes do continente, parecida com a de Anfield – até na cantoria de You’ll Never Walk Alone – e a estrutura do clube é de primeira linha. Além disso, se as coisas andarem bem, tem quase a garantia de tempo para desenvolver o trabalho. Ele é apenas o 20º homem a treinar o Celtic em 128 anos de história.

Por mais que o futebol escocês tenha sido deslocado para o terceiro escalão da Europa, o Celtic ainda é um time tradicional, o primeiro britânico a conquistar a Copa dos Campeões, e Rodgers tem o desafio de resgatar o que puder dessa tradição. A missão não é das mais fáceis. o Rangers estará de volta à primeira divisão, tentando impedir o sexto título escocês seguido do Celtic. Precisa fazer um bom papel na Champions League, desenvolver jovens promessas e jogar um futebol atraente.

A escolha do Celtic é muito boa por que Rodgers já mostrou que tem capacidade de fazer tudo isso muito bem.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo