Europa
Tendência

Besiktas, Fenerbahçe e Galatasaray juntam forças no auxílio às vítimas do terremoto – um símbolo imensurável de união

"Estamos fundindo os três clubes de Istambul para serem uma só força nesses dias difíceis", afirmou o presidente do Galatasaray, num ato simbólico dos ferrenhos rivais

A rivalidade entre os três grandes times de Istambul, especialmente entre Fenerbahçe e Galatasaray, é conhecida entre as mais ferrenhas do mundo. Existem vários episódios de provocação e tensão entre as torcidas, assim como anedotas famosas, como a história do McDonald’s que mudou de cores nos arredores do estádio do Besiktas. Entretanto, diante da crise humanitária enfrentada na Turquia, o trio de ferro transmite uma enorme mensagem de união ao restante do país. É um gesto simples, mas de imensurável simbolismo: caminhões com os escudos dos três clubes estampados na frente passaram a transportar mantimentos para a região afetada pelos terremotos.

Desde o início da semana, os principais clubes da Turquia se mobilizavam para angariar doações e viabilizar a logística. Galatasaray, Fenerbahçe e Besiktas puxavam a fila, mas outros como o Trabzonspor e o Istambul Basaksehir também organizaram campanhas. Jogadores e mesmo antigos ídolos das agremiações participaram dos esforços, não apenas com doações, mas também colocando a mão na massa para transportar caixas e dar um auxílio mais braçal. De qualquer maneira, existe uma imagem ainda mais forte quando se nota os escudos dos três gigantes unidos em prol das vítimas.

Os caminhões com os itens de primeira necessidade partiam das sedes do trio de ferro desde o início da semana. No entanto, os clubes optaram por usar a mesma bandeira a partir dessa sexta-feira, para sinalizar os esforços em conjunto. Também é uma maneira de atrair mais atenção ao redor da causa e tentar angariar mais ajuda, além de captar doações de torcedores independentemente de qual clube irá organizar a logística.

“Hoje fizemos um trabalho conjunto com os três grandes clubes de Istambul. Os torcedores já estão se ajudando. É possível ver torcedores de todas as cores nos estádios de cada um dos três clubes, na organização das doações. Essa é a grandeza e a beleza da nação turca. Quando a situação é grave, ficamos ombro a ombro e mostramos como podemos trabalhar por esse país, por essa nação. Todos estão fazendo mais do que podem para apoiar as áreas afetadas”, afirmou o presidente do Fenerbahçe, Ali Koç.

Visão complementada por Ahmet Nur Çebi, presidente do Besiktas: “Num momento tão conturbado, damos o exemplo de união, de uma forma condizente aos cidadãos da Turquia. Mostramos a cooperação dos três grandes clubes de Istambul, que são rivais há anos. Esperamos que o país se recupere logo. A dor sempre permanecerá, mas espero que superemos a destruição criada em tão pouco tempo”.

Já o presidente do Galatasaray, Dursun Özbek, salientou: “Como nação, estamos trabalhando como todas as comunidades, como todo o país, para curar as feridas da situação que surgiu desse desastre. Estamos fundindo os três clubes de Istambul para serem uma só força nesses dias difíceis. Os clubes enchem os caminhões e eles pegam a estrada. Essa é nossa mensagem de união. A competição esportiva deveria indicar que somos amigos fora de campo”.

O Galatasaray, aliás, protagonizou outro grande gesto em relação à tragédia. O ex-goleiro Volkan Demirel, lenda da seleção turca, tem usado sua visibilidade para pedir apoio à província de Hatay. O veterano trabalha atualmente como técnico do Hatayspor, que segue em busca do ponta Christian Atsu e do diretor Taner Savut, ambos desaparecidos sob os escombros. O apelo gravado por Volkan, às lágrimas, sensibilizou muito mais gente. O Galatasaray, então, convidou o treinador para falar na TV do clube – independentemente da história do ex-arqueiro como um dos maiores ídolos do Fenerbahçe.

Outros rivais que também juntaram forças para apoiar a tragédia na Turquia, mas com um histórico bem mais próximo em momentos de solidariedade, são Liverpool e Everton. O dérbi pela Premier League acontecerá na próxima segunda-feira e as camisas usadas pelos jogadores serão leiloadas. O dinheiro arrecadado será direcionado para garantir auxílio médico, abrigo e comida às vítimas do desastre natural. Os clubes também convidaram os torcedores a realizarem doações menores.

São raros os momentos em que os três grandes da Turquia se uniram. A história mais potente é a do Istambul United. Foi assim que os torcedores chamaram a união simbólica de Galatasaray, Fenerbahçe e Besiktas em 2013, em meio aos protestos contra o autoritarismo do governo na Praça Taksim. Os ultras estavam na linha de frente das manifestações que de início visavam evitar a demolição de um parque e terminaram ampliando pautas contra a repressão estatal. Em outro aspecto, vale lembrar quando alguns torcedores de Besiktas e Galatasaray, em menor número, se juntaram à torcida do Fenerbahçe na vigília de despedida oferecida a Alex, quando o ídolo estava prestes a deixar o clube.

Até a tarde desta sexta-feira, o número de mortes por causa dos terremotos superava 23,5 mil pessoas. São pelo menos 19 mil vítimas fatais na Turquia e mais 4 mil mortos na Síria. Além disso, a quantidade de feridos alcança os 85 mil.

Foto de Leandro Stein

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreveu na Trivela de abril de 2010 a novembro de 2023.
Botão Voltar ao topo