Europa

Balanço do Escocês

A temporada 2011 da Escócia coroou o Rangers e puniu o Hamilton com o rebaixamento. Analisamos a temporada dos 12 times do Campeonato Escocês.

Vale destacar que o regulamento determina que, após a 33ª rodada, as equipes sejam separadas em dois grupos (play-offs do título e do rebaixamento) e que os times joguem uma partida contra cada um dos cinco da sua chave. Por isso, o Invernees terminou a Premier League como líder dos play-offs do rebaixamento, com 53 pontos, quatro a mais que o Kilmarnock, penúltimo do grupo do título.

Confira o balanço:

 

Rangers

Colocação final: 1º dos play-offs do título, com 93 pontos
Técnico: Walter Smith
Maior vitória: 6×0 Motherwell (26ª rodada)
Maior derrota: 0x3 Celtic (27ª rodada)
Competição continental: eliminado na primeira fase da Liga dos Campeões e nas oitavas de final da Liga Europa
Principal jogador: Nikica Jelavic
Decepção: El-Hadji Diouf
Artilheiro: Kenny Miller (21 gols)

O Rangers passou grande parte do Campeonato Escocês buscando ultrapassar o rival Celtic. De fato, o Celtic manteve a vantagem sobre o adversário por várias rodadas pelo fato do Rangers ter vários jogos adiados. Mesmo assim, o Rangers fez a sua parte nas partidas remarcadas e conseguiu uma arrancada para o título na reta final. Nos últimos dez jogos, o time treinado por Walter Smith ficou dez jogos invictos, tendo empatado somente um jogo (em 0 a 0 com o Celtic). Já o rival, nesse mesmo período, empatou um e perdeu um (para o Inverness por 3 a 2).

O destaque dos Gers no primero turno foi Kenny Miller, que marcou 21 gols nos 18 jogos da Premier League. Com a transferência do atacante para o Bursaspor em janeiro, o encarregado de balançar as redes foi Nikica Jelavic. O croata chegou no Rangers em agosto do ano passado e, logo, ganhou uma vaga no time. Mas uma lesão o deixou longe dos gramados por três meses e ele voltou a jogar em janeiro deste ano, quando coincidiu com a saída de Miller. O meio-campista Steven Naismith, pelas suas assistências, também foi um dos destaques do Rangers.

Como decepção, podemos citar El-Hadji Diouf. O senegalês chegou no Rangers por empréstimo do Blackburn. Começou atuando como titular, mas como os gols não vinham, o resultado foi a perda da vaga e somente um gol na competição.

Agora, que o time alcançou o tricampeonato e o seu 54º título da Premier League, as dúvida pairam pelo Ibrox. O novo proprietário do clube Craig Whyte fez mudanças nos bastidores, demitindo o presidente Alastair Johnston e o diretor Paul Murray. A expectativa é que outros dirigentes deixem o clube, mas por outro lado, outros jogadores chegarão no Rangers, já que Whyte prometeu investir no elenco. A partir da próxima temporada, a certeza é que teremos um novo Rangers, com um novo técnico (Ally McCoist, que substituiu Walter Smith).

 

Celtic

Colocação final: 2º dos play-offs do título, com 92 pontos
Técnico: Neil Lennon
Maior vitória: 9×0 Celtic (11ª rodada)
Maior derrota: 1×3 Rangers (9ª rodada)
Competição continental: não participou
Principal jogador: Emilio Izaguirre
Decepção: Fredrik Ljungberg
Artilheiro: Gary Hooper (20 gols)

O vice-campeão Celtic teve alguns destaques no campeonato. O lateral-esquerdo Emilio Izaguirre foi eleito o melhor jogador da temporada. Rápido e pelas suas habilidades de desarmar e cruzar, o hondurenho superou o companheiro Gary Hopper, autor de 20 gols, o meio-campista do Rangers Steven Naismith e jogador do Kilmarnock Alexei Eremenko na votação. Hopper, por sua vez, além de ter sido o artilheiro do Celtic, foi autor de sete assistências.

O sueco Fredrik Ljungberg, que se juntou ao Celtic por meio de uma transferência livre em dezembro do ano passado vindo do Chicago Fire, decepcionou. Atuou em apenas seis jogos do Campeonato Escocês e não atuou mais que 25 minutos.

O fim da temporada foi conturbado para o treinador Neil Lennon, que foi alvo de ataque terrorista. Primeiro, a polícia interceptou cartas endereçadas a Lennon que continham explosivos. Depois, um torcedor do Hearts invadiu o campo e agrediu o treinador no dia 11 de maio, durante a partida entre as duas equipes. Esta não é a primeira vez que Lennon, católico e norte-irlandês, sofre ameaças. Quando era jogador, teve que se aposentar da seleção da Irlanda da Norte depois de ter sido ameaçado por um grupo paramilitar.

 

Hearts

Colocação final: 3º dos play-offs do título, com 61 pontos
Técnico: Jim Jefferies
Maior vitória: 5×0 Aberdeen (17ª rodada)
Maior derrota: 4×0 Rangers (3ª rodada dos play-offs)
Competição continental: não participou
Principal jogador: Rudi Skácel
Decepção: David Obua
Artilheiro: Rudi Skácel (13 gols)

O Hearts começou a temporada irregular, começando as dez primeiras rodadas, com quatro vitórias, dois empates e quatro derrotas. A partir da 11ª rodada, a equipe ficou 11 jogos sem perder (dez vitórias e um empate) e ganhou embalo. Por mais que tenha passado por outra fase irregular nos últimos 12 jogos da Premier League, tendo vencido apenas um jogo e empatado cinco vezes seguidas (de um total de seis empates), isso não ameaçou o pódio da equipe do Hearts. A equipe terminou a competição com 63 pontos, dois a mais que quarto colocado Dundee United.

O atacante Kevin Kyle vinha sendo um dos principais jogadores da equipe no ano passado. No entanto, ele sofreu uma lesão no quadril no dia 11 de janeiro, na vitória por 1 a 0 sobre o Hibernian, pela Copa da Escócia, e não atuou mais na temporada. Rudi Skácel então passou a ser a principal referência na equipe, terminando como artilheiro do time com 13 gols.

 

Dundee United

Colocação final: 4º dos play-offs do título, com 61 pontos
Técnico: Peter Houston
Maior vitória: 4×0 Motherwell (3ª rodada dos play-offs)
Maior derrota: 0x4 Rangers (15ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: David Goodwillie
Decepção: Sean Dillon
Artilheiro: David Goodwillie (17 gols)

Na reta final do Campeonato Escocês, o Hearts foi mais irregular que o Dundee United e até foi derrotado por 2 a 1 para o time do treinador Peter Houston pela última rodada dos play-offs. Mas uma vitória a mais do Hearts (18 a 17) fez com que a equipe terminasse no pódio da Premier League. Como consolo, o Dundee United garantiu vaga na segunda fase quailificatória da Liga Europa.

Nesta campanha do Dundee United, o grande destaque foi o jogador da seleção escocesa David Goodwillie, que terminou como artilheiro da equipe com 17 gols. Outro jogador que manteve uma regularidade foi o francês Morgaro Gomis. Por conta das boas atuações, chamou a atenção do Birmingham e o presidente dos Blues, Peter Pannu, disse que espera que ele Gomis reforce a equipe. Scott Severin, que veio do FC Watford, começou bem a temporada, mas uma lesão no tornozelo fez com que ele ficasse seis meses parado.

 

Kilmarnock

Colocação final: 5º dos play-offs do título, com 49 pontos
Técnico: Mixu Paatelainen
Maior vitória: 0x3 Hearts (3ª rodada)
Maior derrota: 5×0 Aberdeen (27ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Alexei Eremenk
Decepção: Rui Miguel
Artilheiro: Conor Sammon (15 gols)

Quinto colocado do Campeonato Escocês com 49 pontos, o Kilmarnock teve um desempenho muito inferior aos quatro times que terminaram a sua frente. A equipe não conseguiu vencer mais de três vezes seguidas. O curioso é que quando conseguiu o feito de ganhar três jogos consecutivos, o Kilmarnock venceu cada uma dessas partidas por 3 a 0. O resultado desse campeonato foi 13 vitórias, dez empates e 15 derrotas, 53 gols pró e 55 contra.

O finlandês Aleksei Eremenko, autor de quatro gols e oito assistências, foi destaque não só da equipe como do campeonato. Tanto que ele concorreu ao prêmio de Jogador do Ano Escócia de 2011. O encarregado de fazer os gols do Kilmarnock foi Conor Sammon, que balançou as redes 15 vezes.

 

Motherwell

Colocação final: 6º do play-off do título, com 46 pontos
Técnico: Stuart McCall
Maior vitória: 4×0 St. Johnstone (12ª rodada)
Maior derrota: 6×0 Rangers (26ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: John Sutton
Decepção: Esteban Casagolda
Artilheiro: John Sutton (10 gols)

O Motherwell, com 46 pontos conquistados decorrentes das 13 vitórias e dos sete empates, teve a segunda pior defesa do campeonato, com 60 gols contra (um a menos que o Hibernian, que terminou a Premier League em décimo na classificação). Grande parte dos gols levados se devem às goleadas do Rangers (por 4 a 1 na oitava e na 19ª rodada, por 6 a 0 na 26ª rodada e por 5 a 0 nos play-offs). Além disso, nos quatro jogos com o Celtic, o Motherwell perdeu todas as vezes.

Dos que se sobressaíram no time, destaca-se Nick Blackman que fez dez gols no ano passado, antes de se trasnferir para o Aberdeen em janeiro. O atacante John Sutton também terminou com dez gols e já se assinou para o Hearts no fim de maio. Chris Humphrey, por sua vez, contribuiu com suas assistências.

 

Inverness

Colocação final: 1º dos play-off do rebaixamento, com 53 pontos
Técnico: Terry Butcher
Maior vitória: 0x4 Dundee United (2ª rodada)
Maior derrota: 1×3 Kilmarnock (20ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Jonathan Hayes
Decepção: Roy McBain
Artilheiro: Adam Rooney

O desempenho do Inverness foi de 14 vitórias, 11 empates e 13 derrotas, 52 gols pró e 44 contra. A defesa do Inverness não sofreu tantos gols e a equipe não foi derrotado de goleada. Contra os dois times de Glasgow, o Inverness só perdeu uma vez para o Rangers e uma para o Celtic.

Adam Rooney foi um dos jogadores que se sobressaiu na equipe. O atacante foi o artilheiro do time com 16 gols. Jonathan Hayes, por sua vez, foi o responsável por seis gols e quatro assistências. O meio-campista Roy McBain, que estava há dez anos na equipe e vinha atuando como titular nas últimas temporadas, perdeu espaço e deixou o Inverness depois do término do campeonato.

 

St. Johnstone

Colocação final: 2º dos play-offs de rebaixamento, com 44 pontos
Técnico: Derek McInnes
Maior vitória: 2×0 Hibernian (7ª rodada)
Maior derrota: 4×0 Rangers (28ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Liam Craig
Decepção: Peter MacDonald
Artilheiro: Liam Craig (cinco gols)

Um saldo de gols de -20. O St. Johnstone teve o pior ataque do Campeonato Escocês desta temporada (23 gols). Tanto que Liam Craig, artilheiro da equipe, balançou as redes apenas cinco vezes neste campeonato. A equipe venceu 11 vezes e não marcou mais que dois gols em nenhuma partida. Por outro lado, teve a terceira melhor defesa do campeonato (43), ficando apenas atrás de Celtic (22) e Rangers (29).

Com esta campanha, poucos jogadores se sobresaíram. Entre eles, o jovem Liam Graig, de 25 anos, e o atacante Sam Parkin, que balançou as redes quatro vezes e foi autor de duas assistências.

 

Aberdeen

Colocação final: 3º dos play-offs de rebaixamento, com 38 pontos
Técnico: Craig Brown
Maior vitória: 5×0 Kilmarnock (27ª rodada)
Maior derrota: 9×0 Celtic (11ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Chris Maguire
Decepção: Nick Blackman
Artilheiro: Scott Vernon (dez gols)

O Aberdeen, com 22 derrotas, é o time que mais perdeu no Campeonato Escocês, ao lado do lanterna e rebaixado Hamilton. O Aberdeen chegou a ser derrotado em sete partidas seguidas (do dia 30 outubro ao 11 de dezembro) e, depois da sexta derrota, Mark McGhee foi demitido. Sob o comando de McGhee, a equipe venceu três jogos, empatou uma partidas e foi derrotada 11 vezes na Premier League. Craig Brown assumiu o Aberdeen em dezembro e levou a equipe ao 3º lugar nos play-offs com 38 pontos, 12 a mais que o lanterna Hamilton.

Dois jogadores merecem ser mencionados: Chris Maguire, autor de sete gols e dez assistências, e Scott Vernon, que fez dez gols e três assistências. Maguire jogará no Championship defendendo o Derby County na próxima temporada. A decepção fica por conta de Nick Blackman, que chegou neste ano no Aberdeen vindo do Motherwell, não teve o mesmo desempenho que no clube anterior, e fez somente um gol na Premier League.

 

Hibernian

Colocação final: 4º dos play-offs de rebaixamento, com 37 pontos
Técnico: Colin Calderwood
Maior vitória: 3×0 Rangers(12ª rodada)
Maior derrota: 0x3 Rangers (22ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Derek Riordan
Decepção: Colin Nish
Artilheiro: Derek Riordan (11 gols)

O Hibernian, com 61 gols contra, teve a pior defesa do Campeonato Escocês. A equipe não sofreu goleadas, mas das 21 derrotas, somente três foram derrotados pelo placar mínimo. O Hibernian passou fases ruins na Premier League, sendo quatro períodos em que o time perdeu pelo menos três jogos seguidos. A melhor fase da equipe aconteceu em fevereiro, quando ganhou cinco jogos consecutivos, depois de ter perdido as quatro partidas seguidas no mês anterior.

Derek Riordan foi o principal jogador da equipe, sendo o artilheiro do Hibernian com 11 gols e o líder do time em assistências com oito. Por outro lado, o atacante Colin Nish e o meio-campista John Rankin, que estavam quatro temporadas no Hibernian, perderam o espaço sob o comando do treinador Colin Calderwood. Como tiveram uma temporada apagada, o clube não renovou o contrato deles e ambos deixaram a equipe.

 

St. Mirren

Colocação final: 5º dos play-offs de rebaixamento, com 33 pontos
Técnico: Danny Lennon
Maior vitória: 3×1 Hamilton (31ª rodada)
Maior derrota: 4×0 Celtic (2ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Michael Higdon
Decepção: Craig Dargo
Artilheiro: Michael Higdon (14 gols)

O St. Mirren foi o penúltimo dos play-offs de rebaixamento, com 33 pontos, sete a mais que o Hamilton. O que determinou a permanência do time de Danny Lennon na elite escocesa foi três vitórias a mais que o lanterna.

Michael Higdon foi a referência no ataque, ao marcar 14 e ser artilheiro da equipe. Craig Dargo, que balançou as redes apenas três vezes e fez seis assistências, não teve destaque no time e não teve o seu contrato renovado, deixando a equipe em maio. Assim como Dargo, o atacante Gareth Wardlaw não teve o vínculo estendido e também saiu do St. Mirren.

 

Hamilton

Colocação final: 6º dos play-offs de rebaixamento, com 26 pontos
Técnico: Billy Reid
Maior vitória: 2×1 Hibernian (33ª rodada)
Maior derrota: 4×0 Rangers (22ª rodada)
Competição continental: Não participou
Principal jogador: Antoine-Curier
Decepção: Damian Casalinuovo
Artilheiro: Dougie Imrie e Antoine-Curier (com quatro gols)

O Hamilton passou a temporada inteira brigando para não ser rebaixado. No ano passado, a equipe só tinha vencido duas partidas dos 16 jogos em que disputou. Em 2011, só venceu mais três jogos. Durante o campeonato, o Hamilton chegou a ficar de setembro a abril (22 jogos) sem vencer. O time de Billy Reid teve o segundo pior ataque com 24 gols e a terceira pior defesa com 59 gols sofridos.

Mickaël Antoine-Curier, que chegou no Hamilton em janeiro deste ano, atuou em 13 partidas do escocês, foi o artilheiro da equipe com quatro gols, ao lado de Dougie Imrie. O atacante argentino Damian Casalinuovo, que está no time desde agosto do ano passado, decepcionou por não ter balançado as redes em 19 jogos da Premier League e foi dispensado pelo clube.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo