Bastou à Fifa ratificar aquilo que a Uefa já havia apontado. Nesta sexta, o Congresso Anual da entidade admitiu os seus membros de número 210 e 211: e Kosovo. Embora não sejam países soberanos, sem a ratificação da Organização das Nações Unidas, os dois territórios ganham representatividade no futebol. A partir da de 2022, entrarão na disputa das Eliminatórias. Como parte da Uefa, já podiam tentar se qualificar para a Eurocopa, como aconteceu com os gibraltarinos entre 2014 e 2015.

VEJA TAMBÉM: Kosovo começa a conquistar sua independência no futebol e agora espera repatriar seus destaques

A admissão de Kosovo e Gibraltar contou com uma votação massiva no congresso da Fifa. Os gibraltarinos receberam 93% (172 dos votos válidos) de aprovação, enquanto os kosovares contaram com 86% (141 dos votos válidos). Números que demonstram força, apesar da oposição de peso contra os territórios. Em 2014, a possessão britânica contestada pelos espanhóis não havia conseguido o número mínimo de aprovações.

Enquanto a Espanha tentava barrar o processo, Gibraltar precisou acionar a Corte Arbitral do Esporte para ser votado. Ao mesmo tempo, a Sérvia também promete entrar nos tribunais tentando reverter o status de Kosovo, que declarou dependência unilateral em 2008 – embora seja aceito como um país por 108 países da e 23 da União Europeia. Em seu pleito para tentar entrar na Uefa, os kosovares viram um equilíbrio de forças maior: foram 28 votos favoráveis e 24 contrários.

Um ponto significativo para a Fifa, agora, é determinar a elegibilidade dos jogadores de Kosovo, diante da diáspora causada pelos conflitos no país a partir da década de 1990. Há um grupo de atletas de outras seleções que se admite kosovar, embora já tenha atuado em partidas oficiais. Caberá à entidade indicar a permissão ou não para a nova nacionalidade no futebol, caso os atletas tenham mesmo o interesse de defender o território de origem. , Granit Xhaka, Valon Behrami e Lorik Cana fazem parte do grupo.