Espanha

Sevilla vence decisão judicial sobre cancelamento de contrato de zagueiro por… excesso de peso

Joris Gnagnon defendeu o Sevilla de 2018 a 2021 e perdeu ação judicial no Tribunal Arbitral do Esporte após ter recorrido da decisão do clube espanhol, que rescindiu seu contrato por alegar excesso de peso

Na última quinta-feira (18), o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) deu razão ao Sevilla no caso do zagueiro Joris Gnagnon. Em 2021, o clube espanhol rescindiu o contrato do jogador francês marfinense pelo fato do mesmo estar acima do peso. Gnagnon assinou um vínculo de cinco anos com a equipe blanquirroja em uma transferência de 13,5 milhões de euros, junto ao Rennes, no verão de 2018.

Depois que seu contrato foi rescindido em 2021, o defensor pediu a Fifa uma compensação de mais de 4,6 milhões de euros. Entretanto, como citado, o Tribunal Arbitral do Esporte decidiu a favor do Sevilha e condenou Gnagnon ao pagamento das custas do processo. A justificação apresentada pelo clube espanhol para justificar a rescisão do atleta foi “a alegada situação de excesso de peso do jogador e os seus múltiplos atrasos nos treinos”.

Em setembro de 2022, o tribunal da Fifa decidiu o caso a favor do Sevilla, uma vez que foi documentado que o clube notificou Gnagnon sobre a preocupação com seu peso após a volta aos treinos, em setembro de 2020. Na ocasião, o time espanhol estabeleceu para Gnagnon uma meta de peso inferior a 90 kg. Porém, em julho de 2021, ficou constatado que o zagueiro estava acima do peso no “nível II” (pré-obesidade)'. Além disso, o clube alegou que ele tinha dificuldade para completar as sessões de treinamento.

Posteriormente à negativa do tribunal da Fifa, Gnagnon levou o caso ao TAS, que também entendeu que o Sevilla tinha justificativa para a demissão do zagueiro, tanto por sua falha em manter o peso, quanto pelos níveis de condicionamento físico inadequados. Dito isso, o veredito decidiu que as expectativas do time espanhol para a perda de peso do jogador eram razoáveis ​​​​e registrou as tentativas dos profissionais da instituição de ajudá-lo, ao mesmo tempo, em que alertavam constantemente Gnagnon sobre as consequências de não cumprir as regras do clube.

Confira o comunicado do Sevilla após a decisão do TAS

“O Tribunal Arbitral do Esporte emitiu sentença confirmando a admissibilidade da demissão do jogador Joris Gnagnon por não manutenção de peso adequado para a competição como causa principal. O referido Tribunal decidiu a favor do Sevilla FC no procedimento que utilizou com o jogador, comportando-se de forma adequada e exigindo do jogador seriedade e rigor na sua profissão.

A distinção põe fim a um longo processo iniciado após a reintegração do jogador após a pandemia, chegando ao clube com um grave excesso de peso, que não corrigiu apesar de quatro processos disciplinares que lhe foram instaurados , tendo o futebolista a possibilidade de cumprir o requisitos e aconselhamento dos serviços médicos e de nutrição, bem como dos serviços desportivos para recuperação da aptidão física, deixando de cumprir todos eles por sua própria iniciativa e, portanto, acabando por ser despedido.

O jogador apresentou queixa aos tribunais espanhóis, dos quais acabou por se retirar e recorreu para a FIFA, que rejeitou o seu pedido, recorrendo finalmente ao Tribunal Arbitral do Desporto, que decidiu a favor do Sevilla FC quanto à justa causa do despedimento e apontou extrair as provas constituídas pelos quatro processos disciplinares e os depoimentos das testemunhas do processo. O profissionalismo do Sevilla FC, endossado pelo tribunal na decisão, foi exemplar e permanece completamente imaculado, estabelecendo também jurisprudência importante para futuros casos semelhantes.

O Jogador foi condenado a pagar as custas da arbitragem, bem como a assumir parte das custas judiciais do clube.  É considerado um precedente que beneficia a posição dos clubes europeus na gestão de situações semelhantes, que até agora pareciam impossíveis de resolver”.

Gnagnon está sem clube desde 2022

Revelado pelo Rennes, Gnagnon chegou ao Sevilla em 2018. Com a camisa do time blanquirrojo, disputou apenas 17 jogos, não marcou gols e recebeu dois cartões amarelos. Após deixar o futebol espanhol, o zagueiro se transferiu para o Saint-Etienne, em 2021, mas não chegou a atuar pela equipe principal do clube francês. O defensor está livre no mercado desde o verão de 2022.

Foto de Guilherme Calvano

Guilherme CalvanoRedator

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo