Espanha

Pouco úteis no time principal, jovens fazem falta ao Real B

Se o time principal do Real Madrid começou a temporada procurando encaixar suas novas peças e se acostumar com a saída de nomes importantes, como os de Higuaín e Özil, as mudanças no time B do clube da capital tiveram impacto negativo imediato neste começo de campanha na Liga Adelante, a segunda divisão espanhola. Neste domingo, o Real Madrid Castilla foi dominado e derrotado por 2 a 0 pelo Barcelona B, no Mini Clasico disputado na Catalunha.

Com a subida dos nomes mais importantes da última temporada para o time principal, a equipe perdeu, principalmente, poder ofensivo e soma seu quinto revés em cinco jogos disputados pela segundona. O êxodo para o time A, no entanto, não tem sido muito justificado, justamente pela chegada de tantos reforços, que têm deixado os jovens sem espaço.

Dos jogadores da equipe principal que empatou em 2 a 2 com o Villarreal em El Madrigal, dois vieram da base merengue nesta temporada. Na defesa, Nacho participou da partida inteira, como lateral esquerdo, por causa das ausências de Fábio Coentrão e Marcelo, lesionados em jogos por suas respectivas seleções. No ataque, Álvaro Morata apenas deu sequência às suas curtas aparições neste início de Campeonato Espanhol e participou dos últimos 23 minutos do jogo. No banco, Casemiro e Jesé Rodríguez, também recém-promovidos ao elenco principal, sequer entraram em campo. E é a partir do atacante espanhol que podemos dar o melhor exemplo de “desperdício” de talento no elenco Blanco.

Destaque do Real Madrid Castilla na última temporada, Jesé marcou impressionantes 21 gols em 26 jogos na segunda divisão – média de 0,80 por partida – e, ainda assim, só teve uma oportunidade no time principal nestas quatro primeiras rodadas de La Liga, entrando nos minutos finais da vitória sobre o Athletic Bilbao por 3 a 1 no início do mês. No entanto, a pouca utilização do jovem talento pode ser facilmente justificada pelas opções com que Carlo Ancelotti conta. Além de Cristiano Ronaldo, Di María e Benzema, que já estavam no time na última temporada, o Real trouxe Isco e Bale, atletas que pouquíssimos técnicos no mundo ousariam deixar no banco. O valor investido nesses jogadores aumenta ainda mais a pressão para que eles sejam utilizados, sobrando pouquíssimo espaço para quem chega do time B.

Enquanto isso, o Castilla amarga a lanterna da segundona, com nenhum ponto conquistado e apenas um gol marcado. E tomando o início de campanha como ponto inicial para projeções é difícil imaginar a equipe escapando da queda para a terceira divisão. Certamente não seria inteligente manter jovens promissores por muito tempo em uma competição do nível da Liga Adelante. Mas lançá-los diretamente ao time principal, em que se sabe que não terão o espaço necessário para estar em ritmo de jogo e atingir seu desenvolvimento de maneira plena, não parece a decisão mais esperta por parte de Ancelotti.

Há equipes na elite espanhola que precisariam de um atacante como Jesé, e o empréstimo do atleta para um time em que atuaria constantemente seria benéfico para os próprios merengues. Afinal, teriam de volta no fim da temporada um jogador mais desenvolvido e bem acostumado ao futebol da primeira divisão. Ainda assim, se a escolha for a de manter o atacante – e também os outros promovidos – em Madri, que seja na “filial” que mais precisa dele.

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo