Champions LeagueEspanhaEuropa

Pellegrini acusa Uefa de complô contra o Málaga

Os erros de arbitragem na eliminação do Málaga na Liga dos Campeões revoltaram Manuel Pellegrini. Embora o segundo gol dos boquerones tenha sido marcado de maneira irregular, o técnico apontou para quatro equívocos que favoreceram o Borussia Dortmund e culminaram na classificação dos alemães. O chileno ainda fez alusão a um possível complô liderado pela Uefa contra os boquerones.

“Era difícil pensar que uma equipe punida pela Uefa pudesse jogar a final da Liga dos Campeões. Certamente limitaram nossa participação. O futebol demonstrou hoje que depende de muitos fatores. Fizemos uma grande partida, mas não pudemos ou não quiseram que ganhássemos”, declarou o treinador.

Por não ter cumprido seus compromissos financeiros na última temporada, o Málaga foi vetado da próxima edição de competição europeia para qual se classificar. Atualmente na sexta colocação de La Liga, os andaluzes perderão a vaga na Liga Europa 2013/14, caso se mantenham na posição. O clube ainda tem direito a recurso, mas uma reversão da sentença é considerada improvável.

Pellegrini também deixou clara sua insatisfação com a atuação do árbitro Craig Thomson: “Depois que fizemos o segundo gol, não houve arbitragem. Começaram a nos acuar com empurrões e cotoveladas. Não apitaram falta nem nada. Houve um impedimento duplo no terceiro gol e Bender e Schmelzer deveriam ter sido expulsos, mas não quiseram. Não foram ações pontuais. Caímos de maneira amarga”.

Já o presidente do Málaga, o xeique Abdullah Al Thani, protestou contra a eliminação através de seu twitter: “Isso não é futebol, é racismo. Espero que se abra uma investigação na Uefa por uma equipe espanhola ter sido eliminada dessa maneira, algo que não pode afetar o espírito do esporte. Quero agradecer a equipe pelo que fez em campo. Estou ferido por ser eliminado desta maneira tão injusta e racista”.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo