Copa do ReiEspanha

O Mirandés ressurge como moleque travesso, elimina o Sevilla e faz história outra vez na Copa do Rei

Não faz muito tempo, o Mirandés protagonizou campanhas memoráveis na Copa do Rei. Então na terceirona, o clube eliminou três adversários da elite (Villarreal, Espanyol, Racing de Santander) e alcançou a inédita semifinal em 2011/12. Quatro anos depois, já na segunda divisão, a equipe se aproximaria do milagre e bateria nas quartas de final, após superar Deportivo de La Coruña e Málaga. Pois o copeirismo vive em Miranda de Ebro e o ciclo se repete, mais quatro anos depois. Nesta quinta, o Mirandés despachou o Sevilla da Copa do Rei 2019/20 e vai às quartas de final. Ganhou por 3 a 1, e mesmo desperdiçando um pênalti.

A temporada de 2011/12 seria especial ao Mirandés, não apenas pela caminhada até as semifinais. Naquele ano, o clube de Castela e Leão conquistou o acesso à segunda divisão pela primeira vez em sua história. Permaneceria por lá durante cinco anos consecutivos, antes de cair e voltar de novo à segundona na atual temporada. Paralelamente, a Copa do Rei ocupou um lugar especial no coração da torcida. E o histórico de façanhas mais uma vez se renovaria nesta temporada, sob as ordens de Andoni Iraola – antigo lateral do Athletic Bilbao, presente no lado vencedor durante a semifinal de 2011/12.

Na etapa anterior da Copa do Rei, os 16-avos de final, o Mirandés eliminou o Celta. Chegou a perder um pênalti na prorrogação, mas alcançou a vitória por 2 a 1. Já nas oitavas de final, os Rojillos atropelaram o Sevilla, e com um carrasco brasileiro. Nascido no interior paulista, Matheus Barrozo jogou na base de Ponte Preta e Cruzeiro, antes de ser levado pelo Granada. Profissionalizou-se na Andaluzia e passou por Lorca, Fuenlabrada e Valencia B, antes de ser contratado pelo Watford em 2018. Sem nunca atuar na Inglaterra, já soma a sua segunda temporada no Mirandés. E o atacante de 23 anos foi essencial no triunfo desta quinta.

Matheus anotou os dois primeiros gols com menos de meia hora de jogo. Abriu o placar aos sete, ao executar um belo giro na área. E quando a partida parecia aberta, ampliou num chute de longe que desviou na marcação. O Sevilla sentiu o baque depois disso e Julen Lopetegui queimou suas três alterações na volta do intervalo. Mas foi o goleiro Tomás Vaclík que realmente evitou o pior. Ele até pegou um pênalti no início do segundo tempo, mas nem isso motivou seus companheiros. A cinco minutos do fim, Álvaro Rey marcou o terceiro. Nolito só foi assinalar o gol de honra dos andaluzes aos 45.

Obviamente, uma grande festa tomou o Estádio Municipal de Anduva. Numa sensação repetida, o “moleque travesso” espanhol outra vez chega longe na Copa do Rei. Décimo colocado na segunda divisão, o Mirandés será o único time de fora da elite a disputar as quartas de final. E já mostra que não deve ser visto como o oponente mais fraco no sorteio. Numa edição do torneio mais aberta a surpresas, após a abolição dos jogos de ida e volta até as semifinais, sete representantes da primeira divisão já foram derrubados por algum adversário dos níveis inferiores. Os Rojillos esperam ampliar estes números.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo