Espanha

O Las Palmas esboçou uma goleada, mas Cristiano apareceu no fim para resgatar o Real

Pela segunda vez em uma semana, o Real Madrid desperdiça pontos no Campeonato Espanhol. E a situação, que se sugeria tranquila, começa a se complicar. Depois da derrota na visita ao Valencia na última quarta, os merengues tropeçaram no Santiago Bernabéu desta vez. Empataram por 3 a 3 com o Las Palmas. E podem até se sentir aliviados. Com um a menos, o time de Zinedine Zidane tomou a virada e poderia ter engolido uma goleada, não fossem as chances desperdiçadas pelos Amarillos. Por sorte, contaram com Cristiano Ronaldo. Mesmo apagado e perdendo boas chances durante a maior parte da noite, o camisa 7 saiu ao resgate e marcou dois gols depois dos 41 do segundo tempo, evitando um prejuízo maior.

O Real Madrid entrou em campo sem alguns titulares. As principais ausências estavam no meio de campo, com Casemiro e Luka Modric poupados. Fizeram falta. Por mais que Isco tenha aberto o placar com apenas sete minutos (impedido, aliás), o Las Palmas arrancou o empate logo na sequência, com Tana. Os merengues tinham a iniciativa e criavam suas oportunidades, mas não acertavam o pé na hora de finalizar. Enquanto isso, com o meio-campo sem oferecer tanta proteção, sofriam com as boas trocas de passes do Las Palmas, que jogava de igual. Jesé, sobretudo, infernizava Carvajal pela ponta esquerda. O placar poderia ter sido maior na primeira etapa, não fossem as bolas salvas pelas defesas nos momentos decisivos.

Logo no início do segundo tempo, a situação se complicou para o Real Madrid. Bale se desentendeu com Jonathan Viera, empurrou o adversário e acabou expulso pelo árbitro. A deixa para que o Las Palmas virasse. O segundo saiu em um pênalti no qual a bola explodiu no braço de Sergio Ramos. Viera converteu. Já o terceiro aconteceu quatro minutos depois. Excelente lançamento de Viera do campo de defesa, para Kevin Prince Boateng arrancar. O ganês ganhou de Marcelo na corrida, se antecipou a Keylor Navas, que saiu mal, e mandou para as redes. Na comemoração, provocou Cristiano Ronaldo, mostrando a coxa e apontando que “estava aqui”.

A partir de então, a pressa tomou conta do Real Madrid. Zidane trocou Isco por Lucas Vázquez e os anfitriões tentavam sufocar os adversários. Até acertaram a trave na sequência, com Sergio Ramos, mas também se expuseram para tomar o quarto. A goleada só não se concretizou porque Navas se redimiu com grandes defesas. De qualquer maneira, também houve certo preciosismo do Las Palmas nas finalizações, sem caprichar o suficiente. Os visitantes pareciam dispostos a humilhar os madridistas, em especial Jesé.

Aos 24, Morata teve um gol anulado, em lance discutível. Logo depois, foi para o banco junto com Kovacic, diante das entradas de Benzema e James Rodríguez. O Real Madrid tinha mais presença de área e insistia no jogo aéreo. Sofria com o passar dos minutos e com os contragolpes dos Las Palmas, ainda que Navas segurasse as pontas. Depois de algumas boas chances desperdiçadas, o segundo tento merengue veio aos 41. Pênalti em lance parecido com o assinalado a favor dos visitantes. Na cobrança, Cristiano Ronaldo estufou as redes. Por fim, o craque se confirmou como herói aos 44, deixando para trás as tantas oportunidades que não aproveitou anteriormente. Cobrança de escanteio que ele completou de cabeça.

O Real Madrid soma agora 56 pontos, um a menos que o Barcelona, confirmado como novo líder. Os merengues seguem com um jogo a menos, mas em um compromisso difícil, na visita ao Celta em Balaídos. Não dá mais para vacilar. Já o Las Palmas, que vinha de quatro derrotas consecutivas, permanece no 12° lugar. Como se tornou praxe desde o seu retorno à elite, complicou a vida dos madridistas. Ainda que, por aquilo que aconteceu no Bernabéu, a sensação é a de que poderia ter sido mais.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo