Espanha

Mais um recorde em forma de troféu na estante de Messi

É difícil encontrar um recorde que Lionel Messi não tenha batido ou não esteja prestes a bater. Desta vez o argentino deve mesmo levar o prêmio da Chuteira de ouro (para o maior artilheiro na temporada) da Fifa pela terceira vez, com a proeza de fazer 60 gols, superando a própria marca.

E sim, é a primeira vez que um atleta alcança esse nível de honraria. Outros como Jardel, Diego Forlán, Thierry Henry, Fernando Gomes, Dudu Georgescu, Cristiano Ronaldo, Gerd Müller e Eusébio apenas passaram perto com duas conquistas.

Mas Messi quer mesmo ser o melhor em tudo que é possível no esporte. Vencedor da Chuteira de ouro em 2009/10 e 2011/12, ele é também o recordista de gols nessa modalidade, com 50 marcados, façanha que será pulverizada quando a premiação desta temporada ocorrer. Deixou até o principal rival Cristiano Ronaldo para trás, já que o português parou nos 55. Pelo visto, o craque do Real Madrid ainda passará muito tempo sendo o segundo maior artilheiro do planeta.

Algumas curiosidades sobre a Chuteira de Ouro

Criado em 1967/68, o prêmio teve Eusébio como primeiro ganhador, temporada em que ele balançou as redes em 43 oportunidades. O número mais alto até os 50 de Messi foi conseguido por Gerd Müller, com 48 em 1969/70.

Lionel não é o primeiro argentino a conquistar o troféu. Héctor Yazalde, atacante do Sporting, marcou 46 vezes na temporada de 1973/74. Pelo Barcelona, Ronaldo foi o primeiro a ganhar a peça, com 34 gols em 1996/97.

A marca mais baixa que um vencedor conseguiu em toda a história foi de Forlán, com 25, em 2004/05. O uruguaio, que estava no Villarreal, dividiu o prêmio com Thierry Henry, do Arsenal, que obteve o mesmo número.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo