Espanha
Tendência

O maior da Espanha: Luis Suárez Miramontes morre aos 88 anos

Luis Suárez marcou época como jogador do Barcelona e na Inter de Milão e conquistou a Europa pela seleção espanhola nos anos 1960 para se tornar um dos maiores da Espanha em todos os tempos

Durante anos, a seleção espanhola, apelidada de “Fúria” e montou grandes times, especialmente nos anos 1980 e 1990, mas demorou a conseguir sucesso. Foram muitos torneios em que a seleção espanhola chegou com expectativas altas e decepcionou no momento decisivo, com direito a derrotas precoces e trágicas. Apenas uma vez a Espanha conquistou um grande título antes da era vitoriosa a partir de 2008: a Eurocopa de 1964. Aquele título teve um grande nome: Luis Suárez Miramontes, craque da então Inter de Milão de Helenio Herrera e, até hoje, o único espanhol a conquistar a Bola de Ouro, em 1960. Luis Suárez Miramontes morreu neste dia 9 de julho, aos 88 anos.

Depois de anos como “Fúria”, decepcionando seguidamente em grandes torneios, foi só em 2008 que essa maldição foi quebrada, com a conquista da Eurocopa. Seria seguida pela Copa do Mundo de 2010 e a Eurocopa de 2012. Mesmo assim, nenhum outro espanhol conseguiu conquistar a Bola de Ouro. O mais próximo disso foi 2010, quando Lionel Messi venceu a Bola de Ouro, com Andrés Iniesta, autor do título na Copa do Mundo, em segundo, e Xavi, companheiro de Iniesta no título mundial e de ambos no Barcelona, em terceiro. Luis Suárez seguiu como o único espanhol a ter o mais prestigioso prêmio individual europeu para os jogadores.

Luis Suárez foi um meia que hoje praticamente não existe. Habilidoso, inteligente, genial e outros adjetivos acompanharam a carreira do, discutivelmente, melhor jogador espanhol de todos os tempos.

Luis Suárez e Barcelona contra Di Stefano e Real Madrid

Nascido na Galícia, começou a jogar no Deportivo La Coruña em 1952 ainda nas categorias de base e subiu para o time principal na temporada 1954/55. Neste campeonato, o Deportivo foi à Catalunha enfrentar o Barcelona, e, apesar da goleada sofrida por 6 a 1, Luisito, como também era conhecido, se destacou e os dirigentes do clube rival o contrataram.

No Barça, Suárez jogou ao lado de Lászlo Kubala, Sandor Kocsis, Zoltán Czibor e do atacante brasileiro Evaristo de Macedo. Sob o comando do treinador Helenio Herrera, o Barcelona fazia frente ao grande Real Madrid de Alfredo Di Stefano, Gento e todo o esquadrão. Os passes perfeitos e os tiros de longa distância foram marcas registradas neste período. Na Espanha o bicampeonato de 59 e 60 e mais duas Copas do Rei fizeram com que Suárez fosse eleito o melhor jogador da Europa.

O jornal francês L'Equipe assim o definiu: “Suárez amansa a bola, dribla como ninguém, coloca a bola onde quiser com passes milimétricos. Parece um Duque no campo. Corre com elegância. Parece que não há suor. É um aristocrata da bola e o seu futebol é como um espetáculo de balé moderno. Em uma só pessoa é o atleta, dançarino e maestro”. Após a derrota na final da Copa dos Campeões de 1961 para o Benfica de Eusébio, o craque foi vendido para a Internazionale.

Muito dinheiro e troféus na Itália

Quando Angelo Moratti, dirigente da equipe milanesa, contratou Luis Suárez pela fortuna na época de £142 mil (ou 300 mil liras, o que significaria atualmente cerca de €4,7 milhões considerando a inflação), recorde mundial de transferências, ninguém acreditava que um jogador valeria tanto. Cabe aos interessados tentar trazer a valor presente esta cifra, mas para efeito de comparação a Juventus comprou Omar Sivori junto ao River Plate por £110 mil (equivalente a €3,1 milhões atualmente) em 1957, quantia o suficiente para o clube de Buenos Aires reformar todo o estádio Monumental e ainda aumentar a capacidade.

A sua chegada a Milão foi indicada pelo técnico Helenio Herrera e os resultados logo apareceram. O scudetto de 1963 credenciou a Inter a disputar a Copa dos Campeões no ano seguinte. No time jogavam Sandro Mazzola, Domenghini e o brasileiro Jair. Os nerazzuri conquistaram o bicampeonato europeu veio em 1964 e 1965. O primeiro, em 1964, depois de vencer o Real Madrid por 3 a 1. Em 1965, desta vez contra o Benfica, com vitória pelo placar mínimo de 1 a 0. Nestes dois anos, os Nerazzurri faturaram o Mundial de Clubes contra o Independiente da Argentina. Em uma das finais disputada na capital portenha, Suárez fez um gol de bicicleta.

Luis Suárez enfrenta o Diabo na final da Eurocopa

Até 2008, a seleção da Espanha só possuía duas grandes conquistas. A primeira e de maior relevância é o campeonato europeu de 1964 e a segunda a Olimpíada de 1992 quando foi sede das duas competições. Como os Jogos Olímpicos têm uma série de restrições aos atletas em campo, a Eurocopa era a única taça importante na sede da federação espanhola até 2008, quando veio a primeira Eurocopa, 2010, com a Copa do Mundo, e 2012, com mais uma Eurocopa.

O formato de disputa do campeonato naqueles anos era bem diferente do atual. Da primeira edição até 1976, apenas os quatro melhores classificados nas fases eliminatórias se reuniam em uma sede para as semifinais e a final. Em 1964, a Espanha foi anfitriã e recebeu Hungria, União Soviética e Dinamarca. Na partida contra os húngaros, Suárez e companhia tiveram sérias dificuldades para avançar à final. A vitória somente aconteceu na prorrogação com um gol de Amancio, quando restavam cinco minutos para o fim.

Na outra semifinal, “os demônios” golearam a Dinamarca por 3 a 0 no Camp Nou e foram disputar o troféu no Santiago Bernabéu. Estes endiabrados eram os soviéticos. Era assim que o ditador Franco chamava o adversário da final. Outra confusão armada por Francisco Franco era de não permitir que os russos usassem o uniforme vermelho, mas isso não aconteceu e a Fúria foi para a final com o segundo uniforme.

O temor do comunismo e o clima de guerra fria chegaram ao gramado. A União Soviética era a atual campeã e lutava para manter a taça, como maior destaque o lendário goleiro Lev Yashim. Logo aos seis minutos, o atacante Pereda abre o marcador e, dois minutos depois, Khusainov deixa tudo igual. Suárez, Gento, Pereda e Marcelino são os principais nomes da linha de frente espanhola. E San Marcelino anotou de cabeça o gol do título aos 39 minutos do segundo tempo, levando os 100 mil torcedores ao delírio.

Depois de ter pendurado a chuteira Luis Suárez virou treinador e passou por diversos clubes. Mas foi no comando da seleção que Suárez voltou a um Mundial. Jogou em 62 no Chile e 66 na Inglaterra e voltou ao torneio em 1990, na Itália. Naquela Copa, a Espanha começou bem e como uma sina caiu nas oitavas contra a Iugoslávia. Viveu muito tempo em Milão e trabalhou por anos na Internazionale como dirigente.

Publicado originalmente em 3 de junho de 2008 e atualizado.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo