Champions LeagueEspanhaLa Liga

Kaká: “O clássico é uma boa oportunidade para mim”

Longe do Barcelona no Campeonato Espanhol, o Real Madrid já se concentra no confronto decisivo ante o Manchester United, mesmo tendo o clássico pela frente. José Mourinho deve poupar algum de seus titulares neste sábado, visando a partida pela Liga dos Campeões, que acontece na quarta-feira. Devendo mais uma vez aparecer entre os titulares, Kaká mostrou-se motivado para o dérbi.

“Amanhã é uma boa oportunidade para mim, para mostrar o que posso fazem em grandes partidas. Um clássico sempre é importante. Não me decepcionei por ficar de fora do último jogo, é preciso respeitar o treinador. Além disso, vendo o que o time fez, não dá para reprovar nada. Eu tenho que estar preparado para participar quando exigem”, declarou.

Kaká também afirmou que o clássico será importante para motivar os merengues para o jogo contra o United: “A partida de terça nos deu muita confiança, de que podemos fazer no Camp Nou ou em Old Trafford. Não pensamos em deixar o Barcelona em crise, pensamos no que temos que fazer. Ganhamos contra o Barcelona em Barcelona e agora temos que vencer o Manchester em Manchester. A equipe demonstrou o que pode fazer”.

Por fim, o meia falou sobre o seu futuro no Real Madrid e na seleção brasileira: “Tenho mais dois anos de contrato. Por mim, seguiria em Madri, sem nenhum problema, mas sempre disse que não quero ser uma moléstia para o clube. Está claro também que gostaria de jogar a Copa do Mundo em meu país. Não falei com Felipão, não sei se chegará o momento de voltar à seleção, mas gostaria muito de voltar”.

Titular nas duas últimas rodadas de La Liga, Kaká marcou um dos gols na vitória na vitória sobre o Deportivo, no sábado passado. O Real Madrid está a 16 pontos de distância do Barcelona na competição, mas desbancou os rivais nas semifinais da Copa do Rei e disputará a decisão do torneio contra o Atlético de Madrid.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo