Espanha
Tendência

Gündogan é reforço de Champions para um Barcelona em reconstrução

Capitão do Manchester City, Gündogan chega ao Barcelona aos 32 anos, no auge do seu jogo, para ser uma opção ofensiva para o meio-campo de Xavi

O meio-campista Ilkay Gündogan já tem uma casa nova: ele foi anunciado pelo Barcelona como novo jogador do clube. Aos 32 anos, o alemão chega sem custos de transferência e tem tudo para ser um jogador-chave do Barça comandado por Xavi Hernández. O seu contrato é de dois anos, com opção de mais um. É uma grande contratação do clube catalão, que ganha um meio-campista com qualidade inegável e com características muito apreciadas pelo seu técnico, especialmente no controle de jogo.

Xavi, aliás, fez questão de falar com Gündogan desde fevereiro para tentar convencê-lo a ir para o clube. Capitão do Manchester City e muito elogiado por Pep Guardiola, o meio-campista teve uma reta final fantástica pelos Citizens, que conquistaram a Tríplice Coroa, com Premier League, Copa da Inglaterra e Champions League.

O acordo foi fechado depois de uma longa negociação. O Manchester City queria a sua permanência na Inglaterra, mas o Barcelona insistiu muito para levar o jogador da seleção alemã. O contato direto com Xavi ajudou Gündogan a ter uma visão mais clara do qual seria o seu papel dentro do clube.

Mesmo assim, Gündogan ainda não tinha definido qual seria o seu futuro. Esteve com a seleção alemã na Data Fifa para os jogos contra Polônia e Colômbia. O próprio jogador disse na última semana que ainda não tinha definido o seu futuro. “Ainda não há uma decisão, as conversas estão acontecendo. Vocês serão os primeiros a saber quando uma decisão for tomada”.

Ilkay Gündogan é anunciado para o Barcelona (divulgação)

Desde o primeiro momento, Gündogan se mostrou bastante receptivo com a proposta do Barcelona. Segundo relato do jornal AS, a esposa de Gündogan gostou muito da ideia de morar em Barcelona e teve um peso importante na decisão do jogador.

“Para mim, foi um privilégio total e um prazer ser parte do Manchester City nos últimos sete anos. O Manchester City foi a minha casa e me senti parte de uma família muito especial no City. Eu tive sorte de ter vivido muitos momentos inesquecíveis no meu tempo aqui e ter sido capitão nesta temporada extra especial foi a melhor experiência da minha carreira”, declarou Gündogan.

“Primeiro, quero agradecer a Pep. Poder jogar para ele e aprender dele por tanto tempo foi algo que eu nunca irei esquecer. Eu também gostaria de agradecer meus companheiros de time, no passado e no presente, que tiveram um papel tão especial em tornar o meu tempo aqui tão incrível”, afirmou o jogador.

“Finalmente, gostaria de agradecer os torcedores incríveis do City. Eles me apoiaram desde o momento que cheguei e devo a eles muito pelo seu apoio. O clube me fez realizar todos meus sonhos e irei para sempre ser grato por essa oportunidade. Sempre carregarei o City no meu coração. Uma vez um Blue, sempre um blue”.

Versatilidade e capacidade de fazer muitos gols

Versátil, Gündogan pode funcionar tanto como meio-campista central quanto como meia ofensivo, posição que ocupou mais nesta temporada, chegando bastante ao ataque e fazendo gols. Ao lado de Kevin De Bruyne, formava um setor de construção de jogadas fundamental para se aproximar de Erling Haaland, o goleador do time. Mais do que criar, Gündogan finaliza muito bem, uma característica que nenhum dos atuais meio-campista do Barça tem.

O Barcelona tem uma necessidade grande de um meia ofensivo. Era importante ter um jogador capaz de criar jogadas, preencher o meio-campo e exercer o controle do jogo. Frenkie De Jong pode fazer isso mais atrás e Gündogan mais à frente. Ele faria companhia a Pedri, que é um jogador que chega muito ao ataque. Gavi é um jogador que pode atuar até mais à frente, como já jogou inclusive como atacante na temporada.

Pedri é um jogador importante, mas de característica quase únicas no elenco. Não há um substituto para ele. Gündogan traria uma alternativa a mais para o elenco que precisa de mais profundidade para enfrentar bem as três competições na próxima temporada. O Barcelona se viu muito dependente de Pedri, de 20 anos, que por vezes precisou ser usado em todas as situações.

Gündogan permite mais alternativas, além de ser um jogador de prestígio, de alta capacidade e um líder natural, não por acaso vestia a braçadeira de capitão no Manchester City. Além disso, é um reforço de um jogador no topo do seu jogo, que chega para jogar e onde reencontrará um velho companheiro de Borussia Dortmund: Robert Lewandowski, com quem chegou à final da Champions League em 2013.

Foto de Felipe Lobo

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!). Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009, onde ficou até 2023.
Botão Voltar ao topo