Espanha

Guia de La Liga – Parte 1

Um tratado sobre o nada. Não é um novo roteiro de Jerry Seinfeld, mas um guia de um campeonato que ainda não se sabe quando começa, e qual será o cenário quando isso ocorrer. O Campeonato Espanhol continua enroscado por causa de uma – justa – greve de jogadores e a primeira rodada já foi adiada. A segunda pode ir pelo mesmo caminho, o que faz as brigas entre Real Madrid / José Mourinho e Barcelona parecerem fora da realidade.

De qualquer modo, há uma possibilidade de La Liga retomar suas atividades no próximo fim de semana. Então, é hora de a Trivela publicar a primeira parte de seu guia do campeonato. Pela ordem alfabética, é a vez do atual tricampeão, além do time que mais gastou dinheiro com reforços na Espanha.

ATHLETIC BILBAO

Nome: Athletic Club
Fundação: 1898
Site oficial: www.athletic-club.net
Estádio: San Mamés (39.750 lugares)
Técnico: Marcelo Bielsa
Colocação em 2010/11:
Competição europeia: Liga Europa
Destaque: Javi Martínez
Fique de Olho: Muniain
Quem chegou: Ander Herrera (Zaragoza), Aurtenetxe (Athletic B), Muniain (Athletic B), Borja Ekiza (Athletic B)
Quem saiu: Ion Vélez (Girona), Balenziaga (Valladolid), De Cerio (Numancia), Cerrajería (Murcia), Ustaritz (Betis)
Objetivo na temporada: vaga na Liga dos Campeões

É uma incógnita. O clube vem de trabalhos consistentes sob o comando de Joaquín Caparrós, mas mudou a diretoria e a filosofia do departamento de futebol. Com Marcelo Bielsa encabeçando o projeto, o Athletic tentará incrementar ainda mais as categorias de base, além de ter um estilo de jogo mais envolvente e técnico. O uso de três zagueiros, por exemplo, é uma possibilidade bastante viva. No papel, a ideia é interessante. No entanto, haverá um período de adaptação durante o primeiro turno. Não seria surpreendente se o time ficasse na metade de baixo da tabela por um tempo, e se a defesa tivesse problemas de cobertura e posicionamento.

ATLÉTICO DE MADRID

Nome: Club Atlético de Madrid
Fundação: 1903
Site oficial: www.clubatleticodemadrid.com
Estádio: Vicente Calderón (54.851 lugares)
Técnico: Gregorio Manzano
Colocação em 2010/11:
Competição europeia: Liga Europa
Destaque: Forlán
Fique de Olho: Adrián
Quem chegou: Silvio (Braga/POR), Gabi (Zaragoza), Sálvio (Benfica/POR), Miranda (São Paulo/BRA), Adrián (Deportivo de La Coruña), Tiago (Juventus/ITA), Courtois (Chelsea/ING), Arda Turan (Galatasaray/TUR), Falcao García (Porto/POR)
Quem saiu: Ujfalusi (Galatasaray/TUR), De Gea (Manchester United/ING), Germán Pacheco (Karpaty/UCR), Keko (Catania/ITA), Agüero (Manchester City/ING), Valera (Getafe), Alberto Perea (Rayo Vallecano), Raúl García (Osasuna)
Objetivo na temporada: vaga na Liga dos Campeões

Nenhum clube espanhol gastou mais em reforços durante as férias que o Atlético de Madrid. Nem o Barcelona, com Fàbregas e Alexis Sanchez, gastou tanto. E, olhando para o time colchonero, é difícil imaginar como a diretoria conseguiu esvaziar tanto seu caixa para montar uma equipe tão pouco brilhante. O Atlético perdeu um de seus melhores jogadores e, para seu lugar, levou Falcao García, colombiano que claramente está com valor de mercado distorcido depois de uma temporada sobrenatural no Porto. Miranda é bom zagueiro e Adrián pode ser um grande meia nos próximos anos, mas o resto do time não parece ter força suficiente para recolocar os colchoneros na condição de terceiro grande da Espanha. Além disso, o clube contratou Gregório Manzano, técnico que fez bons trabalhos em times pequenos, mas nunca teve grande sucesso em times com mais ambição.

BARCELONA

Nome: Futbol Club Barcelona
Fundação: 1899
Site oficial: www.fcbarcelona.com
Estádio: Camp Nou (99.354 lugares)
Técnico: Pep Guardiola
Colocação em 2010/11:
Competição europeia: Liga dos Campeões
Destaque: Messi
Fique de Olho: Thiago Alcântara
Quem chegou: Alexis Sánchez (Udinese/ITA), Cesc Fàbregas (Arsenal/ING), Fontàs (Barcelona B), Thiago Alcântara (Barcelona B)
Quem saiu: Martín Cáceres (Sevilla), Víctor Sánchez (Neuchâtel Xamax/SUI), Henrique (Palmeiras/BRA), Bojan (Roma/ITA), Oriol Romeu (Chelsea), Jeffren (Sporting/POR), Gabriel Milito (Independiente/ARG)
Objetivo na temporada: título

Mascherano e Sergio Busquets improvisados na defesa, Adriano jogando do lado direito, Abidal voltando de tratamento de câncer em cima da hora para cobrir um rombo na lateral esquerda, ausência de Iniesta tirando profundidade do toque de bola do meio-campo. Se o Barcelona teve algum defeito na temporada passada, foi conviver com um elenco muito enxuto, que obrigou Guardiola a rebolar quando determinados titulares não estavam disponíveis. Pois, nesta temporada, talvez nem esse problema exista. O Barcelona encorpou o elenco com Alexis Sánchez e Fàbregas, que podem dar mais opções do meio para frente. A ascensão de Thiago também dará uma versatilidade maior no setor de armação. A defesa ainda está com pouca margem de erro: Fontàs foi promovido do time B, mas Gabriel Milito deixou a Catalunha. De resto, a base e o estilo de jogo continuam o mesmo, como se fossem cláusulas pétreas no estatuto barcelonista. É favorito a qualquer competição que venha a disputar.

BETIS

Nome: Real Betis Balompié
Fundação: 1907
Site oficial: www.realbetisbalompie.es
Estádio: Benito Villamarín (56.500 lugares)
Técnico: Pepe Mel
Colocação em 2010/11: 1º (segunda divisão)
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Ustaritz
Fique de Olho: Montero
Quem chegou: Chica (Espanyol), Mario (Getafe), Fabricio (Valladolid), Jefferson Montero (Villarreal), Matilla (Villarreal), Amaya (Wigan/ING), Ustaritz (Athletic Bilbao)
Quem saiu: Belenguer (sem clube), Odonkor (Dornberg/ALE), Miguel Lopes (Porto/POR), Israel Bascón (Xerez), Razak (Tenerife), Emana (Al-Hilal/ARS)
Objetivo na temporada: pelotão intermediário

Após dois anos na segundona, o Betis retorna à elite de ares renovados. Chega como um clube mais discreto e sem discurso megalomaníaco. Jogadores de nome – e que tinham muito peso na folha salarial – finalmente deixaram o clube, como Emana, Belenguer e Odonkor. O primeiro fará falta ao time, o segundo, nem tanto. Para formar a nova base, a direção foi atrás de jogadores baratos e com potencial de crescer, além de manter os líderes do time da temporada passada (caso do goleiro Goitia e do lateral-direito Nélson). Uma estratégia mais adequada, considerando a situação financeira do clube e o cenário econômico do futebol espanhol, e que difere muito da política de Manuel Ruiz de Lopera, ex-presidente bético que adorava uma contratação bombástica. Resta aos torcedores a esperança de que o elenco encontre um padrão de jogo rapidamente para se consolidar no meio da tabela.

ESPANYOL

Nome: Reial Club Deportiu Espanyol de Barcelona
Fundação: 1900
Site oficial: www.rcdespanyol.cat
Estádio: Cornellà-El Prat (40.500 lugares)
Técnico: Mauricio Pochettino
Colocação em 2010/11:
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Kameni
Fique de Olho: Raúl Rodríguez
Quem chegou: Albín (Getafe), Luna (Defensor Sporting/URU), Dídac Vilà (Milan/ITA), Héctor Moreno (AZ/HOL), Raúl Rodríguez (Espanyol B)
Quem saiu: De la Peña (aposentou), José Callejón (Real Madrid), Chica (Betis), David García (Girona), Duscher (Barcelona/EQU), Iván Alonso (Toluca/MEX), Ben Sahar (Auxerre/FRA), Molina (Huesca), Ángel Martínez (Blackpool/ING), Lola (sem clube), David López (Leganés)
Objetivo na temporada: vaga na Liga Europa

Mais uma temporada cheia de emoções aos torcedores do Espanyol. O clube mantém a base que mostrou potencial na temporada passada, mas continua com um elenco muito enxuto. A falta de reposição sabotou a campanha passada quando o departamento médico começou a ficar cheio, um risco que continua forte em Cornellà-El Prat. Se a condição física do time seguir boa durante o ano todo, os pericos darão trabalho aos grandes. A defesa é inexperiente, mas tem nomes promissores como Felipe Mattioni, Héctor Moreno, Dídac (emprestado pelo Milan) e Raúl Rodríguez. Verdù e Dátolo estruturam o meio-campo e o ataque tem o ítalo-argentino Osvaldo. O capitão Luis García é a referência pela liderança e na ligação meio-ataque.

GETAFE

Nome: Getafe Club de Fútbol
Fundação: 1983
Site oficial: www.getafecf.com
Estádio: Coliseum Alfonso Pérez (17.700 lugares)
Técnico: Luis García
Colocação em 2010/11: 16º
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Casquero
Fique de Olho: Albertazzi
Quem chegou: Diego Castro (Sporting de Gijón), Lacen (Racing de Santander), Moyá (Valencia), Lopo (Deportivo de La Coruña), Juan Rodríguez (Deportivo de La Coruña), Albertazzi (Milan/ITA), Sarabia (Real Madrid/ESP), Michel (Birmingham/ING), Valera (Atlético de Madrid), Masilela (Maccabi Haifa/ISR), Güiza (Fenerbahçe/TUR)
Quem saiu: Mario (Betis), Parejo (Valencia), Albín (Espanyol), Manu del Moral (Sevilla), Marcano (Olympiakos/GRE), Víctor Sánchez (Neuchâtel Xamax/SUI), Boateng (Dnipro/UCR), Pallardó (Levante), Kas (Bursaspor/TUR), Arizmendi (Neuchâtel Xamax/SUI), Adrián Sardinero (Hércules)
Objetivo na temporada: pelotão intermediário

O alarme soou em Getafe. Após alguns anos de tranqüilidade na primeira divisão, o clube viveu sua segunda temporada em três com risco sério de rebaixamento. Considerando o baixo potencial econômico da equipe, não há por onde fazer grandes investimentos na melhoria do elenco. O jeito é buscar jogadores sem espaço nos seus clubes. E, aparentemente, o trabalho até foi competente. O clube manteve Casquero e Gavilán, suas referências no meio-campo e Cata Díaz, jogador bastante útil na defesa. Lopo, Moyá e Albertazzi podem ser reforços bastante interessantes. E Güiza, se ainda tiver fôlego, é capaz de fazer gols fundamentais para vitórias apertadas que salvem o time.

GRANADA

Nome: Granada Club de Fútbol
Fundação: 1931
Site oficial: www.granadacf.es
Estádio: Los Cármenes (16.212 lugares)
Técnico: Fabriciano González
Colocação em 2010/11:
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Geijo
Fique de Olho: Romero
Quem chegou: Guilherme Siqueira (Udinese/ITA), Romero (Udinese/ITA), David Cortés (Hércules), Ikechi (Celta), Pamarot (Hércules), Yohan Mollo (Monaco/FRA), Fran Rico (Real Madrid Castilla), Martins (Benfica/POR), Jorge Ribeiro (Vitória de Guimarães/POR), Julio César (Benfica/POR)
Quem saiu: Collantes (Cartagena), Juande (Betis), Pedro Barrancos (Cádiz), Joselu (Jaén), Álex Cruz (Sabadell), Párraga (Murcia), Óscar Pérez (Cádiz), Mensah (Evian/FRA), Juanjo (Cádiz), Felipe Sanchón (Hércules), Corrales (Las Palmas)
Objetivo na temporada: escapar do rebaixamento

Time que conta com a empolgação da torcida, ansiosa por ver o retorno do Granada à elite após mais de três décadas. No entanto, o trabalho tem sido, no mínimo, duvidoso. Durante as férias, Enrique Pina se dividiu entre o cargo de diretor do Granada, empresário que negociou Alexis Sánchez com o Barcelona e a presidência do Cádiz – não por coincidência, destino de três jogadores nazaríes durante o mercado de verão. Os reforços não foram de impressionar, ainda mais considerando que o Granada não estava entre os melhores times da segundona, e só subiu porque cresceu no mata-mata da repescagem.

LEVANTE

Nome: Levante Unión Deportiva
Fundação: 1969
Site oficial: www.levanteud.com
Estádio: Ciutat de Valencia (25.534 lugares)
Técnico: Juan Ignacio Martinez
Colocação em 2010/11: 14º
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Javi Venta
Fique de Olho: Wellington
Quem chegou: Juan Ignacio Martínez (Cartagena), Barkero (Numancia), Pallardó (Getafe), Farinós (Hércules), Keylor Navas (Albacete), Aranda (Osasuna), Pedro López (Valladolid), Xavi Torres (Málaga), Del Horno (Valencia), Cabral (Arsenal/ARG), El Zhar (Liverpool)
Quem saiu: Manuel Reina (Cartagena), Cerra (Córdoba), Caicedo (Lokomotiv Moscou/RUS), Jefferson Montero (Betis), Xisco Muñoz (Dinamo Tbilisi/GEO), Gorka (Numancia), Xisco Nadal (sem clube), Robusté (sem clube)
Objetivo na temporada: escapar do rebaixamento

Munúa, Del Horno, Aranda, Farinòs, Javi Venta, Valdo. O Levante segue firme na política de apostar em veteranos para fazer uma campanha digna diante de tantos times pequenos cheio de jogadores inexperientes. Na temporada passada deu certo, e um bom segundo turno salvou o time valenciano do rebaixamento. Para esta temporada, precisará de um pouco de apoio dos jovens. O franco-marroquino El Zhar e o atacante brasileiro Wellington (18 anos, revelado no Fluminense, com passagem pelas categorias de base do Arsenal) podem ser boas surpresas.

MÁLAGA

Nome: Málaga Club de Fútbol
Fundação: 1948
Site oficial: www.malagacf.com
Estádio: La Rosaleda (28.963 lugares)
Técnico: Manuel Pellegrini
Colocação em 2010/11: 11º
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Van Nistelrooy
Fique de Olho: Salomón Rondón
Quem chegou: Van Nistelrooy (Hamburg/ALE), Demichelis (Bayern de Munique/ALE), Buonanotte (River Plate/ARG), Monreal (Osasuna), Toulalan (Lyon/FRA), Mathijsen (Hamburg/ALE), Joaquín (Valencia), Sergio Sánchez (Sevilla), Isco (Valencia), Cazorla (Villarreal)
Quem saiu: Asenjo (Atlético de Madrid), Arnau (aposentou-se), Mtiliga (sem clube), Quincy (Al-Sadd/CAT), Galatto (sem clube), Manu Torres (Cartagena), Manolo Gaspar (Cartagena), Javi López (Jaén), Xavi Torres (Levante), Toribio (Villarreal B), Edu Ramos (Villarreal B), Jordi Pablo (sem clube)
Objetivo na temporada: vaga na Liga dos Campeões

Com dinheiro made in Qatar e pouco pudor em esbanjar dinheiro mesmo em época de crise, o clube cresce no cenário espanhol. Na temporada passada, recebeu uma onda de investimentos para escapar do rebaixamento. Agora, chegaram jogadores no atacado para buscar a Liga dos Campeões. E é preciso se dar um crédito aos malaguistas: escolheram bons nomes. Manuel Pellegrini tem condições de montar um time competitivo e envolvente. Van Nistelrooy será o responsável por transformar as jogadas em gols. Se ele não estiver inspirado, Julio Baoptista e Salomón Rondón podem dar conta do serviço. Cazorla, Toulalan e Buonanotte dão talento e juventude ao meio-campo. A defesa, com Demichelis e Mathijsen, é um pouco pesada, mas o time tem elementos para brigar no segundo escalão do Campeonato Espanhol. É só não se perder na megalomania de seus donos.

MALLORCA

Nome: Real Club Deportivo Mallorca
Fundação: 1916
Site oficial: www.rcdmallorca.es
Estádio: Iberostar (23.142 lugares)
Técnico: Michael Laudrup
Colocação em 2010/11: 17º
Competição europeia: nenhuma
Destaque: Nunes
Fique de Olho: Ienaga
Quem chegou: Tomer Hemed (Maccabi Haifa/ISR), Calatayud (Hércules), Pablo Cáceres (Tigre/ARG), Zuiverloon (West Brom/ING), Chico (Genoa/ITA), Alfaro (Sevilla)
Quem saiu: Rubén González (Osasuna), Sergi Enrich (Recreativo de Huelva), Óscar Trejo (Sporting de Gijón), Ayoze (Deportivo de La Coruña), Germán Lux (Deportivo de La Coruña), Enrique Corrales (Granada), Pierre Webó (Eskisehirspor/TUR), Ximo Navarro (Recreativo de Huelva)
Objetivo na temporada: escapar do rebaixamento

Clube que costuma ter boas campanhas com pouco dinheiro, mas que cada vez mais tem cara que será rebaixamento em breve. O Mallorca tem muitas dificuldades em fechar suas contas, e isso acaba se refletindo no investimento cada vez mais precário no mercado. Para esta temporada, perdeu Webó, um de seus melhores jogadores, e não trouxe nenhum outro jogador do mesmo nível. O reforço mais interessante é o do seguro goleiro Calatayud, mas chega em uma posição que nem era tão carente, pois o israelense Aouate segue em palma de Maiorca.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo