Pela segunda vez em sua , a primeira em 110 anos, a Copa do Rei será decidida pelo clássico basco. E, depois que a Real Sociedad se garantiu na final, o precisou se esforçar bastante para confirmar o memorável dérbi na competição . Os leones estavam em vantagem na semifinal contra o , graças à vitória na ida em San Mamés por 1 a 0. Todavia, o reencontro nesta quinta guardou um jogo difícil aos visitantes no Estádio Nuevo Los Cármenes. Os andaluzes abriram dois gols de diferença e somente a dez minutos do fim é que o Athletic reduziu a derrota para 2 a 1. Graças ao tento fora de casa, o de Gaizka Garitano assegurou o direito de desafiar a Real Sociedad, na decisão marcada para 18 de abril.

Nesta quinta, o primeiro tempo apresentou uma partida equilibrada na Andaluzia. O Athletic Bilbao não conseguia exercer o mesmo domínio visto em San Mamés, mas atacava em velocidade e causava problemas. Ainda assim, o Granada tinha mais iniciativa, buscando o campo ofensivo e pressionando os leones. As chances de gol demoraram um pouco mais a vir. E quando se tornaram mais frequentes, a partir dos 20 minutos, mostravam como ambos os times estavam no limite.

O Athletic quase saiu em vantagem com um gol contra, aos 23. O goleiro Rui Silva precisou de um milagre para salvar a cabeçada de Víctor Díaz, seu próprio capitão. Pouco depois, Raúl García desperdiçou uma boa oportunidade aos bascos. O Granada, por sua vez, cresceu na reta final do primeiro tempo e quase se aproveitou de um erro do goleiro Unai Simón. De qualquer maneira, a grande chance veio já nos acréscimos, em cabeçada de Yangel Herrera que Iñaki Williams apareceu em cima da linha para salvar.

O drama aumentaria na volta do intervalo. Afinal, logo aos três minutos saiu o primeiro gol do Granada, que deixava tudo em pé de igualdade no duelo. limpou a marcação e cruzou da esquerda, para que Carlos Fernández desviasse de cabeça dentro da área. Neste momento, o placar mínimo levava o confronto à prorrogação. Mas os andaluzes seguiam muito mais ligados na partida e, na base da insistência, chegaram ao segundo gol. Aos 31, a partir de mais uma bola levantada na área, Germán Sánchez conferiu de cabeça.

Apesar do baque, o Athletic Bilbao não estava totalmente morto na semifinal. Um gol fora de casa bastava para a classificação dos leones. E os bascos precisam agradecer à iniciativa de Yuri Berchiche: praticamente sozinho, ele descolou a salvação aos 36 minutos. Após receber a enfiada de bola na esquerda, o lateral invadiu a área com liberdade e chutou cruzado, para vencer Rui Silva. Vibrou demais na comemoração. Depois disso, até restava tempo no relógio para o Granada reagir, e os andaluzes partiram ao abafa. Todavia, o Athletic se segurou na defesa e soube gastar o relógio. Comemorou a suadíssima vaga na final.

Pelo momento que atravessa, a Real Sociedad possui um leve favoritismo a seu favor. Vive uma temporada mais consistente e vem de melhores atuações, sobretudo por sua campanha em La Liga. Em compensação, o Athletic Bilbao possui a história a seu lado. E será preciso respeitar um time que vai para a sua 38ª final na Copa do Rei, buscando o seu 24° título na competição, por mais que não coloque a faixa no peito desde 1984. O Estádio La Cartuja, em Sevilha, certamente viverá uma noite inigualável em 18 de abril. Felizardos os torcedores que poderão experimentar aquele que já é tratado por muitos como o maior dérbi basco de todos.