Espanha

Capítulo final da redenção de Cazorla traz desfecho à altura: convocação para a seleção

Se a temporada de Santi Cazorla fosse um bolo, poderíamos dizer que a cereja acabou de ser posicionada em seu topo. Mais de três anos e meio depois, o meio-campista está de volta à seleção espanhola, após convocação anunciada por Luis Enrique. O jogador, que enfrentou o medo real de não voltar aos gramados – e até mesmo de não poder mais andar –, pode dizer que nada mais falta em sua reviravolta heroica.

[foo_related_posts]

Em entrevista ao jornal Marca, Cazorla revelou que descobriu sobre a convocação ao entrar no vestiário do centro de treinamento do Villarreal. Seus companheiros cantavam seu nome, e a surpresa tomou conta do ex-jogador do Arsenal. Mesmo agora ele diz ainda não ter assimilado a novidade completamente.

“Nem nos meus melhores desejos eu teria imaginado. Agradeço novamente a Juan Carlos Herranz, a toda a equipe médica de Mikel Sánchez, em Vitória, e à minha família. Sem todos eles, teria sido impossível. Não vou esquecer um ano tão bonito, com tudo o que vivi”, contou o espanhol ao jornal.

Cazorla foi chamado por Luis Enrique para os jogos das eliminatórias para a Eurocopa 2020 contra Ilhas Faroé e Suécia, em 7 e 10 de junho. Sua última convocação havia sido em outubro de 2015. Com a Roja, o meio-campista conquistou dois títulos, as Euros de 2008 e 2012. Agora, o chamado é um troféu em si, por tudo o que passou nos últimos anos.

“Se alguém me tivesse dito que o fim da história era este, eu não poderia ter imaginado. Foram dois anos difíceis de contusão, e sei que já estou em uma idade em que é difícil voltar à seleção. Eu sempre tento contribuir com o meu clube e me sinto importante. Graças a todos, consegui recuperar o meu melhor nível.”

A última partida oficial de Cazorla antes dos problemas no pé havia sido em outubro de 2016, pelo Arsenal. Desde então, batalhou contra diferentes lesões, fazendo nove cirurgias. O veterano chegou a correr o risco de ter que amputar o pé, com os prognósticos indicando que era possível que ele sequer voltasse a caminhar normalmente.

Seu novo tendão de Aquiles foi feito a partir das fibras da panturrilha. No pé, possui uma estrutura de metal. E o símbolo de sua batalha vem na superfície: um pedaço da pele de seu braço transplantado ao tornozelo, carregando consigo também uma porção da tatuagem que fizera em homenagem à filha.

A imagem de seu pé com o transplante, capa do jornal Marca, deixou sua impressão na cobertura esportiva daquele final de 2017. Desde então, a dura batalha se seguiu, e a partir do começo da temporada 2018/19, capítulo por capítulo, veio a redenção.

Capa do Marca que revelou ao mundo o calvário de Cazorla. Imagem: Reprodução

Primeiro, a aposta do Villarreal no seu prata da casa. Depois, o retorno aos gramados em julho de 2018, em amistoso contra o Hércules, pondo fim a um período de 636 dias longe do campo. Vieram então o golaço e os aplausos da torcida adversária no jogo da Copa do Rei contra o Almería, no Estádio de los Juegos Mediterráneos. Em janeiro de 2019, os dois gols do empate por 2 a 2 com o Real Madrid no Estádio de La Cerámica. Agora, por fim, a volta à seleção.

Mais do que marcar uma belíssima história de superação, o chamado nada mais faz do que recompensar o jogador pela temporada de sucesso dentro de campo. Cazorla, aos 34 anos e voltando de longo período de inatividade, terminou La Liga como o terceiro melhor assistente, com dez passes para gol, atrás apenas de Pablo Sarabia e Lionel Messi, ambos com 13.

O jogador afirma que, em todos esses anos de trabalho para voltar a jogar, seu único objetivo era retornar ao primeiro nível, e não ter de se contentar em atuar em uma liga inferior. Se o parâmetro de sucesso era esse, é seguro dizer que a missão foi concluída.

“Estava ansioso pelas férias, mas elas podem esperar. O importante é continuar desfrutando do futebol e desta aventura que estou vivendo neste momento.”

Mostrar mais

Leo Escudeiro

Apaixonado pela estética em torno do futebol tanto quanto pelo esporte em si. Formado em jornalismo pela Cásper Líbero, com pós-graduação em futebol pela Universidade Trivela (alerta de piada, não temos curso). Respeita o passado do esporte, mas quer é saber do futuro (“interesse eterno pelo futebol moderno!”).

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo