Espanha

Balanço do primeiro turno

Real Madrid de cara nova, Barcelona instável, Atlético de Madrid ambicioso, Valencia e Sevilla reforçando o banco e Villarreal em crescimento. A expectativa para 2007/8 era de um Campeonato Espanhol emocionante, com briga acirrada entre essas equipes pelas primeiras posições. No entanto, o que se viu foi crise profunda em Barça e Valencia, Sevilla inseguro e Real Madrid mais consistente do que se imaginava. Desse modo, a emoção do título tem ficado para trás, com o Real disparando na frente e dando pinta de que deve levar o título com alguma facilidade.

A meio caminho do final do torneio, ainda há muito a ocorrer. Desse modo, vale dar uma checada em como estão as equipes e as projeções para o segundo turno. Ainda há muito a ser decidido na Espanha.

REAL MADRID

Ninguém parece muito disposto a dar crédito a esse Real Madrid. O time não tem mais um elenco estelar, as principais contratações desta temporada (Sneijder, Robben e Drenthe) decepcionaram e o futebol apresentado não é dos mais poderosos. Mas não dá para tirar o mérito de uma equipe que abriu 7 pontos de vantagem sobre o segundo colocado e tem o melhor desempenho em 19 rodadas da história da liga espanhola (considerando campeonatos com três pontos por vitória). Um dos motivos para o Real não convencer completamente é que, salvo Casillas e Van Nistelrooy, todos seus jogadores vivem momentos de instabilidade. Não dá para confiar plenamente em Robinho, Raúl, Júlio Baptista, Pepe e Sergio Ramos, principais coadjuvantes neste primeiro turno. De qualquer modo, quando um está no dia ruim, outro vai bem e compensa. Desse modo, os madridistas seguem vencendo os jogos e abrindo vantagem sobre os rivais. A vitória sobre o Barcelona no Camp Nou foi o sinal mais forte de que o time de Schuster sabe ser vencedor em partidas decisivas. Ficam só duas dúvidas: será que, novamente, um time de Schuster cairá de rendimento no segundo turno e como o Real se virará sem Casillas ou Van Nistelrooy. De qualquer modo, a vantagem aberta e a falta de confiabilidade dos perseguidores dão margem de manobra aos merengues.
Destaque: Van Nistelrooy (atacante)
Expectativa para o final da temporada: título
Nota para o turno: 8,5

BARCELONA

O cisão interna que parecia evidente no final da temporada passada está ainda mais forte. É evidente que a base do Barça campeão da Liga dos Campeões está rachada e que o clube não sabe o que fazer para uni-la. Rijkaard não tem força diante das estrelas e, com isso, perdeu Deco e Ronaldinho, cérebros da equipe nas três últimas temporadas. Como Henry não explodiu em Les Corts, Giovani e Bojan são garotos demais ainda e Eto’o ficou quatro meses afastado por contusão, o Barça viveu das iniciativas de Messi e Iniesta. É muito pouco e, se a equipe não se encontrar, corre mais o risco de perder a vice-liderança do que de alcançar o Real Madrid.
Destaque: Bojan (meia-atacante)
Expectativa para o final da temporada: o clube quer o título, mas começa a parecer difícil
Nota para o turno: 6,5

ATLÉTICO DE MADRID

Desde o ano do ‘doblete’ (título de liga e copa na mesma temporada, no caso do Atlético, 1995/6) o Atlético não tinha um desempenho tão consistente. Agüero finalmente deslanchou e Forlán já tem feito valer o investimento do clube nele. A defesa está mais sólida com a chegada de um bom goleiro reserva e o meio-campo ganhou força criativa com a chegada de Simão e o retorno de Maxi Rodríguez de contusão. Os colchoneros voltaram a transformar o Vicente Calderón em um inferno para os adversários. Preocupa o fato de o time ter perdido para os quatro concorrentes a vagas na LC, mas a torcida ainda pode usar como atenuante o fato que, contra Real e Barcelona, o Atlético jogou fora de casa. É difícil pensar em título, mas a reaparição na Liga dos Campeões parece um objetivo bastante palpável.
Destaque: Agüero (atacante)
Expectativa para o final da temporada: Liga dos Campeões
Nota para o turno: 7,5

ESPANYOL

A grande revelação da temporada. Sem compromissos na Copa Uefa, o Espanyol pôde concentrar as forças na liga nacional e tem se mostrado bastante competitivo. A campanha desta temporada é conseqüência direta de um trabalho elaborado nos últimos dois anos e resultou em um time de jogo fluente e confiante. Com as más fases de Sevilla e Valencia, o Espanyol ganhou corpo e a inédita vaga na Liga dos Campeões soa como factível.
Destaque: Tamudo (atacante)
Expectativa para o final da temporada: Liga dos Campeões
Nota para o turno: 8,5

VILLARREAL

Com os fantasmas de Riquelme exorcizados, o Villarreal voltou a jogar com desenvoltura e a ocupar a parte de cima da tabela. O meio-campo com Marcos Senna, Cazorla e Pires tem funcionado bem, ajudado pela boa fase do atacante Nihat. A ligeira queda de rendimento no final do primeiro turno pode ser vista como oscilação natural, mas merece alguma atenção, já que Espanyol e Atlético (concorrentes a duas vagas na LC) estão em crescimento.
Destaque: Cazorla (volante)
Expectativa para o final da temporada: Liga dos Campeões
Nota para o turno: 7,5

RACING DE SANTANDER

Outra feliz surpresa. Com base em uma defesa bastante sólida para um time pequeno e o domínio de sua casa, o Racing de Santander não desperdiçou tantos pontos tolos (normal para times desse nível). Méritos para o técnico Marcelino, que já havia conduzido o Recreativo de Huelva a uma boa campanha na temporada passada e repete o feito mesmo com um orçamento limitado.
Destaque: Garay (zagueiro)
Expectativa para o final da temporada: Copa da Uefa
Nota para o turno: 8,5

VALENCIA

Um semestre para esquecer. O clube montou um elenco bastante interessante, com dois bons jogadores para cada posição. Teoricamente, dava para lutar pelo título espanhol e fazer uma grande campanha na Liga dos Campeões. No entanto, a política despertou rixas internas e o elenco se esfacelou. A troca de técnico e o afastamento de três símbolos da equipe (Cañizares, Albelda e Angulo) não resolveram os problemas e o time despenca na tabela, apresentando um futebol sem padrão.
Destaque: ninguém
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 3,5

SEVILLA

O clube paga pelo próprio crescimento. Time médio, o Sevilla tem enfrentado dificuldades com o calendário congestionado pela Liga dos Campeões e pela responsabilidade de sempre apresentar um futebol competitivo. Desse modo, os andaluzes oscilam muito, mesclando apresentações excelentes (como as vitórias sobre Real Madrid e Betis) com outras pífias (derrotas para Deportivo de La Coruña e Athletic Bilbao). O sucesso da temporada depende de a equipe reencontrar seu futebol na liga nacional.
Destaque: Luís Fabiano (atacante)
Expectativa para o final da temporada: Copa da Uefa
Nota para o turno: 5

VALLADOLID

O Valladolid tem mostrado potencial, só precisa ser mais uniforme. Contra os grandes, o time riojano jogou bem e dificultou a vida do adversário. Contra os pequenos, os blanquivioletas caíram de rendimento e deixaram pontos fáceis pelo caminho. Ainda assim, vê-se o futebol de bons valores, como Sisi e Llorente.
Destaque: Sisi (meia)
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 7

ALMERÍA

Como o Valladolid, é outro caçula que precisa apenas manter um pouco mais a homogeneidade. Uche e Negredo têm realizado boas apresentações na frente e o brasileiro Diego Alves, nas poucas vezes que jogou, deu segurança à defesa e assumiu a titularidade. Nas últimas rodadas, o rendimento da equipe cresceu e deixa boas perspectivas para o segundo turno.
Destaque: Negredo (atacante)
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 6,5

ATHLETIC BILBAO

Está ruim, mas está bom. Explicando melhor, o clube não conseguiu implementar definitivamente sua política de repatriar os principais jogadores bascos à disposição. Apenas alguns foram a San Mamés, como Iraizoz e Del Horno, e o time não foi tão competitivo quanto se imaginava. O jogo é truncado, dependendo demais de velhas figuras como Aduriz, Ustaritz e Yeste. Apenas o garoto Susaeta é uma cara nova que se destacou mais. Apesar de todos esses problemas, o time de Joaquín Caparrós ainda tem campanha um pouco melhor que nas duas últimas temporadas, quando escapou do rebaixamento nas últimas rodadas. Por esse lado, até dá para pensar em um segundo turno tranqüilo se o time melhorar um pouquinho só.
Destaque: Susaeta (meia)
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 5,5

ZARAGOZA

Se não fosse pela crise do Valencia, dava para cravar que o Zaragoza é a grande decepção da temporada até agora. O trabalho de Victor Fernández não evoluiu depois de uma primeira temporada bastante boa. A dupla argentina D’Alessandro-Aimar caiu muito de rendimento e cada vez mais os maños dependem de Diego Milito, Ricardo Oliveira e Sérgio García. A defesa também caiu, com a saída de Gabriel Milito. Essa falta de consistência fez o time perder a confiança e colecionar resultados ruins, inclusive em sua casa.
Destaque: Diego Milito (atacante)
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 4,5

MALLORCA

Se o objetivo inicial era ficar longe do rebaixamento, a campanha do Mallorca é aceitável. O time mostra potencial no meio-campo, onde se destacam Güiza e Jonas, e tem atuações mais interessantes do que se esperava. O problema é que, nas últimas rodadas, o time caiu muito e, de possível surpresa da competição, passou a ver a aproximação do pelotão de trás. Alerta para o segundo turno.
Destaque: Güiza (meia)
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 5,5

MURCIA

Time de campanha extremamente regular, sempre freqüentando a zona intermediária da tabela sem riscos de rebaixamento e sem ameaçar uma arrancada. O Murcia parece ter solidez suficiente para se manter mais um ano na primeira divisão, apesar de ter como aspecto negativo o fato de ser o menos surpreendente dos caçulas (os outros são Almería e Valladolid).
Destaque: Fernando Baiano (atacante)
Expectativa para o final da temporada: não ser ameaçado pelo rebaixamento
Nota para o turno: 6

GETAFE

Depois de um início de temporada tenebroso, o Getafe fez uma série de bons resultados e conseguiu alcançar o pelotão intermediário. O time é fraco, mas tem em Licht e Cata Díaz dois bons valores na defesa – ainda que Pato Abbondanzieri e Ustari não estejam demonstrando a segurança necessária no gol – e a dupla Granero e De la Red dando consistência ao meio-campo. Se mantiverem o ritmo dos últimos meses, os getafistas estacam do rebaixamento sem muitos problemas.
Destaque: Cata Díaz (zagueiro)
Expectativa para o final da temporada: escapar do rebaixamento
Nota para o turno: 5

BETIS

Um time muito fraco, que nunca encontrou o padrão de jogo – mesmo trocando de técnico – e tem contado com esporádicas boas atuações de alguns jogadores. Entre os reforços o único que realmente satisfaz a torcida é o goleiro português Ricardo, responsável por salvar vários pontos para os heliopolitanos. O atacante argentino Pavone também merece algum crédito por algumas boas atuações. De resto, o time caminha para uma renhida luta contra o rebaixamento, muito pouco pela tradição e nível de investimento dos béticos.
Destaque: Ricardo (goleiro)
Expectativa para o final da temporada: escapar do rebaixamento
Nota para o turno: 4

RECREATIVO DE HUELVA

Em 2006/7, o Recreativo de Huelva foi uma das revelações da temporada e quase se classificou para a Copa Uefa. Considerando que o técnico e as principais figuras de equipe saíram na pré-temporada, não se esperava do Recre algo muito além de fugir do rebaixamento. Nesse aspecto, a campanha atual, ainda que ruim, não decepciona tanto. Para ter mais tranqüilidade, só precisa melhorar o ataque, o segundo pior da competição.
Destaque: Sorrentino (goleiro)
Expectativa para o final da temporada: escapar do rebaixamento
Nota para o turno: 5

OSASUNA

Um semestre para esquecer. Mesmo com uma base interessante, os navarros perderam a capacidade de se impor em casa e vêm a classificação cair na tabela rodada após rodada. Há potencial para uma recuperação, principalmente se Portillo e Pandiani melhorarem e Vela mantiver o desempenho maduro. Até porque o ataque tem se mostrado o ponto fraco do time até o momento.
Destaque: Plasil (lateral)
Expectativa para o final da temporada: escapar do rebaixamento
Nota para o turno: 3

DEPORTIVO DE LA CORUÑA

Segunda pior defesa do campeonato, o Deportivo confirma a expectativa de ser candidato ao rebaixamento. Sem dinheiro e com crise política, a era de glórias acabou e o Depor voltou a ser mais uma força regional que briga oscila entre primeira e segunda divisão. Se não fosse pelo mexicano Guardado (que dificilmente fica em Riazor mais uma temporada), a situação estaria ainda mais grave.
Destaque: Guardado (meia)
Expectativa para o final da temporada: escapar do rebaixamento
Nota para o turno: 2,5

LEVANTE

Com 8 pontos em 19 jogos (menos da metade da equipe imediatamente a sua frente), pior ataque e pior defesa, o Levante só não é considerado rebaixado porque ainda falta metade do campeonato. Mas as perspectivas são muito ruins, porque o time teria de fazer uma campanha de Copa Uefa no segundo turno para recuperar-se do atraso. Os reforços para a temporada não foram ruins, mas todos atuaram muito abaixo das expectativas. Storari e Riganò chegaram a perder a condição de titular, sendo que seus reservas não eram dos melhores. Assim, o Levante se transformou em uma equipe de segunda divisão jogando na primeira. Quer dizer, não por muito tempo.
Destaque: Riga (atacante)
Expectativa para o final da temporada: rebaixar sem um vexame tão grande
Nota para o turno: 2

NOTAS

– O Barcelona ganhou a ação movida contra o jornal francês Le Monde. O periódico acusou, em 2006, o Barcelona de ter ligações com um médico envolvido em casos de doping no ciclismo. O Le Monde terá de pagar € 300 mil ao clube catalão.

– Nesta semana, serão realizadas as partidas de volta da Copa do Rei. Veja os confrontos: Barcelona 0x0 Sevilla (1×1 no jogo de ida, Barça classificado), Espanyol x Athletic Bilbao (1×1), Levante x Getafe (0x3), Racing de Santander x Zaragoza (1×1), Valladolid x Atlético de Madrid (0x0), Villarreal x Recreativo de Huelva (0x1), Real Madrid x Mallorca (1×2) e Valencia x Betis (2×1).

– Perceba como os 16 integrantes das oitavas-de-final são da primeira divisão. Não sobrou unzinho sequer da segunda ou terceira. Dá para ser mais sem graça?

– Isso é culpa da mudança de regulamento da temporada passada, que favorece demais os times da elite, que jogam sempre duas partidas e a segunda em casa. Apenas as primeiras fases, com times de divisões inferiores, têm apenas jogos de ida.

– Veja a seleção Trivela da 19ª rodada do Campeonato Espanhol: Ricardo (Betis); Zambrotta (Barcelona), Carlos García (Almería), García Calvo (Vallaolid) e Sylvinho (Barcelona); Raúl García (Atlético de Madrid), Colsa (Racing de Santander), Yeste (Athletic Bilbao) e Nihat (Villarreal); Llorente (Valladolid) e Henry (Barcelona).

– Veja a seleção Trivela do primeiro turno do Campeonato Espanhol: Casillas (Real Madrid); Sergio Ramos (Real Madrid), Jarque (Espanyol), Garay (Racing de Santander) e Capdevila (Villarreal); Cazorla (Villarreal), Raúl García (Atlético de Madrid), Messi (Barcelona) e Robinho (Real Madrid); Van Nistelrooy (Real Madrid) e Agüero (Atlético de Madrid).

– Agradeço a Roberto Piantino por ter me substituído durante as férias. E agradeço aos que prestigiaram esta coluna durante as primeiras semanas de janeiro. Ah, e espero que todos tenham tido boas festas.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo