Espanha

Balanço de La Liga – parte 1

Há milhares de argumentos para explicar a crescente hegemonia de Real Madrid e Barcelona no futebol espanhol. Esta coluna já falou de muitos deles. No entanto, isso não tira a responsabilidade dos demais clubes – sobretudo os que possuem alguma capacidade de investimento – de tentarem fazer sombra aos gigantes.

Nessa primeira parte do resumo da temporada que consagrou o Barça como um dos melhores times de todos os tempos, vamos falar não apenas das equipes de Guardiola e José Mourinho, mas também do segundo escalão, que passa por um momento de transição. Enquanto Valencia e Villarreal tiveram momentos dignos com projetos discretos, Sevilla e Atlético de Madrid expuseram a necessidade de repensar seus métodos.

 

Barcelona

Classificação: Campeão (96 pts, Liga dos Campeões)
Copa do Rei: Vice-campeão
Copas europeias: Liga dos Campeões (campeão)
Destaque: Messi (atacante)
Revelação: Thiago Alcântara (atacante)
Decepção: Gabriel Milito (zagueiro)
Nota da temporada: 10

Temporada irretocável do time catalão. Deixou passar a Copa do Rei perdendo a final para o maior rival e não repetiu sua própria campanha em 2009/10 no Campeonato Espanhol, mas, e daí? Nos momentos em que foi verdadeiramente colocado à prova, se impôs com superioridade assombrosa. Foi assim nos 5 a 0 sobre o Real do primeiro turno de La Liga, nos 3 a 1 sobre o Arsenal nas oitavas de final da Liga dos Campeões, nos 2 a 0 fora de casa sobre o Real nas semifinais da LC e nos 3 a 1 da decisão continental sobre o Manchester United. E tudo isso com um sério problema de elenco, em que faltaram opções para a defesa em vários momentos da temporada (Abidal, Puyol, Maxwell e Adriano ficaram sem condições de jogo na mesma época, com Gaby Milito ainda voltando de grave contusão). Cada vez é mais evidente que esse time do Barcelona ficará marcado como um dos melhores de todos os tempos.

 

Real Madrid

Classificação: Vice-campeão (92 pts, Liga dos Campeões)
Copa do Rei: Campeão
Copas europeias: Liga dos Campeões (semifinalista)
Destaque: Cristiano Ronaldo (atacante)
Revelação: Marcelo (lateral)
Decepção: Pedro León (meia)
Nota da temporada: 7

Foi bom, mas foi ruim. Ou foi ruim, mas foi bom. A temporada do Real Madrid teve aspectos positivos, como a evolução do jogo coletivo em relação às últimas temporadas e a recuperação do espírito conquistador que está no sangue madridista. O time goleou vários adversários, Cristiano Ronaldo bateu recorde histórico de gols em um Campeonato Espanhol e o time passou das oitavas de final da LC. No entanto, ser superado tantas vezes pelo Barcelona não faz bem ao ego merengue e deixa a sensação de que a temporada foi um insucesso. Os dois lados são verdadeiros, como também é verdadeiro que, na Internazionale, José Mourinho só teve um time realmente vencedor em sua segunda temporada. É nisso que a diretoria aposta ao continuar dando tanta força ao português.

 

Valencia

Classificação: 3º (71 pts, Liga dos Campeões)
Copa do Rei: Oitavas de final
Copas europeias: Liga dos Campeões (oitavas de final)
Destaque: Pablo Hernández (meia)
Revelação: Guaita (goleiro)
Decepção: Moyá (goleiro)
Nota da temporada: 7,5

Temporada discreta, mas eficiente. Fez um papel decente na Liga dos Campeões, ainda que era possível superar o Schalke 04 nas oitavas de final, e campanha segura no Campeonato Espanhol. Para um clube com tantos problemas financeiros e a aposta em jogadores sem tanto nome, não dava para exigir muito a mais. A dupla de ataque Soldado-Aduriz, mais pesada que o costume valencianista, se encaixou bem com o meio-campo mais leve e rápido, permitindo aos ches ficarem todo o campeonato na zona de classificação para a Liga dos Campeões. Se a próxima temporada for semelhante a essa última, o clube traça um bom caminho para sua reconstrução administrativa.

 

Villarreal

Classificação: 4º (62 pts, Liga dos Campeões)
Copa do Rei: Quadrifinalista
Copas europeias: Liga Europa (semifinalista)
Destaque: Rossi (atacante)
Revelação: Musacchio (zagueiro)
Decepção: Altidore (atacante)
Nota da temporada: 8

É notável como o projeto do Villarreal tem fôlego. Mesmo vendendo jogadores a cada temporada e vivendo em um mercado extremamente limitado, o Submarino Amarillo sempre encontra modos de se manter entre os melhores da Espanha. Nesta temporada, o grande destaque foi a dupla de ataque Nilmar-Giuseppe Rossi. Ambos atuaram em bom nível durante toda a temporada (o brasileiro mais na primeira metade, o ítalo-americano mais na segunda), com velocidade e oportunismo.

 

Sevilla

Classificação: 5º (58 pts, Liga Europa)
Copa do Rei: Semifinalista
Copas europeias: Liga dos Campeões (fase preliminar), Liga Europa (1/16 de final)
Destaque: Negredo (atacante)
Revelação: Javi Varas (goleiro)
Decepção: Diego Capel (meia)
Nota da temporada: 6

A Liga Europa foi um prêmio exagerado para um clube que fez uma temporada tão apagada. O projeto sevillista deu passos para trás nessa temporada, pois viu o desgaste de alguns jogadores importantes (Luís Fabiano, Kanouté) e não revelou nenhum jovem. A equipe se arrastou durante todo o campeonato, mas conseguiu os pontos necessários para disputar uma competição continental na próxima temporada. A contratação de Marcelino (ex-Racing de Santander e Zaragoza) para comandar o time indica uma retomada do trabalho, com mudanças no elenco para não se afundar na própria melancolia. O que é uma boa notícia para a torcida.

 

Athletic Bilbao

Classificação: 6º (58 pts, Liga Europa)
Copa do Rei: Oitavas de final
Copas europeias: não disputou
Destaque: Muniain (meia)
Revelação: San José (zagueiro)
Decepção: Susaeta (meia)
Nota da temporada: 7,5

O Athletic gosta de viver perigosamente. Ao limitar seu elenco a jogadores com raízes bascas, o clube fica muito suscetível a flutuações causadas pela venda de alguns talentos ou a dificuldade de revelar novos nomes. Ainda assim, o trabalho dos bilbaínos tem ganhado fôlego nos últimos anos. Joaquín Caparrós reorganizou o clube, que aparece com um grupo interessante de jovens, sem perder o estilo basco de jogar (baseado em muita raça e força, usando muito a pressão da torcida). Só o fato de ter saído da Copa do Rei sem perder para o Barcelona (empatou os dois jogos, sendo eliminado pelos gols fora de casa) já serve de sinal de que se trata de um time competitivo para o futuro. Talvez seja possível brigar pelo retorno à LC na próxima temporada.

 

Atlético de Madrid

Classificação: 7º (58 pts, Liga Europa*)
Copa do Rei: Quadrifinalista
Copas europeias: Fase de grupos
Destaque: Agüero (atacante)
Revelação: Mário Suárez (volante)
Decepção: Ujfalusi (zagueiro)
Nota da temporada: 5

As circunstâncias foram muito diferentes, mas o balanço geral é semelhante ao do Sevilla. Temporada melancólica, com fracassos continentais e campanha insípida em torneios domésticos. Forlán e Agüero tiveram bons momentos, mas claramente estavam com cabeça em possíveis saídas (no caso do argentino, algo que foi externado nas últimas semanas). As contratações – incluindo o brasileiro Elias – não convenceram e o time variou algumas excelentes apresentações com atuações deprimentes. O clima é de reformulação para a próxima temporada, ainda que a capacidade da diretoria de avaliar corretamente os possíveis reforços é muito duvidosa.

*O Atlético de Madrid não teria espaço na Liga Europa normalmente. No entanto, como os dois finalistas da Copa do Rei (Real Madrid e Barcelona) já haviam conquistado um lugar na Liga dos Campeões, o sétimo colocado do Campeonato Espanhol herdou a vaga.

 

Espanyol

Classificação: 8º (49 pts)
Copa do Rei: Oitavas de final
Copas europeias: não disputou
Destaque: Verdù (volante)
Revelação: Galán (lateral)
Decepção: Dátolo (meia)
Nota da temporada: 6,5

O Espanyol chegou a frequentar a zona de classificação para a Liga dos Campeões, mas despencou na reta final e quase foi alcançado por um grupo de clubes que chegou a lutar contra o rebaixamento. Decepção? Não dá para ser tão duro. O clube catalão teve mais de 40 contusões durante toda a temporada, sendo que vários jogadores importantes perderam quase todo o segundo turno. Com um elenco numérica e tecnicamente limitado, era difícil fazer qualquer coisa melhor nessas circunstâncias. De qualquer modo, fica o alerta para o clube gastar mais na preparação física e no departamento médico. Se essa medida fizer a diferença para classificar o time a uma competição europeia, já terá valido a pena.

 

Osasuna

Classificação: 9º (47 pts)
Copa do Rei: 1/16 de final
Copas europeias: não disputou
Destaque: Nekounam (volante)
Revelação: nenhuma
Decepção: Pandiani (atacante)
Nota da temporada: 6

O Osasuna foi nono colocado, mas poderia perfeitamente ter ficado na 15ª posição, na beira da zona de rebaixamento. A campanha foi discreta, com o time de Pamplona enroscado na luta para fugir da Segundona. Durante a temporada, o excesso de veteranos no Reyno de Navarra foi danoso ao futebol da equipe, muito burocrático. No entanto, isso se transformou em virtude na reta final, quando tranquilidade e experiência foram necessários para sair do pelotão de baixo da tabela. É um clube que tem personalidade e estilo, mas precisa se renovar um pouco nos próximos anos.

 

Sporting de Gijón

Classificação: 10º (47 pts)
Copa do Rei: 1/16 de final
Copas europeias: não disputou
Destaque: Juan Pablo (goleiro)
Revelação: Botía (zagueiro)
Decepção: Nacho Novo (meia)
Nota da temporada: 6,5

Segundo pior ataque do campeonato, terceira melhor defesa. Partidas do Sporting de Gijón não eram recomendadas para quem acha que futebol é “bola na rede”. Mas esse sistema de jogo tem sido muito produtivo para o clube asturiano. Os sportinguistas tiveram problemas no meio do campeonato, quando uma má fase enviou a equipe para a zona de rebaixamento. Mas, quando conseguiu impor seu estilo, conseguiu os resultados que o mantiveram longe do perigo. Além disso, pode render alguns milhões de euros com a venda de defensores, como José Ángel, especulado como reforço do Barcelona pela imprensa catalã.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo