Espanha

Asensio deu show e confirmou a força da Espanha na estreia do Europeu Sub-21

Ao menos no papel, a Espanha entrou no Campeonato Europeu Sub-21 entre os favoritos. O elenco comandado por Albert Celades está repleto de jogadores de destaque em seus clubes, alguns já prontos para integrar a seleção principal. E a Fúria ratificou sua força neste sábado, estreando com vitória. Os espanhóis golearam por 5 a 0 a Macedônia, que, apesar da falta de tradição, eliminou a França nas eliminatórias. Espetáculo comandado por Marco Asensio, autor de uma tripleta, mas também com a valiosa participação de Saúl Ñíguez e Gerard Deulofeu, fechando o placar. Kepa, Héctor Bellerín, Jorge Meré, Jesús Vallejo, José Gayà, Marcos Llorente, Denis Suárez e Sandro Ramírez complementaram a respeitável escalação titular.

VEJA TAMBÉM: As convocações do Europeu Sub-21 já mostram bem como o torneio será interessante

A Espanha precisou de apenas 16 minutos para abrir vantagem de dois gols. Dois golaços. Primeiro, Saúl acertou uma bicicleta e contou com a colaboração do goleiro. Depois, Asensio soltou um chutaço do meio da rua, desta vez sem qualquer chance de defesa, no ângulo. O capitão Deulofeu ampliou cobrando pênalti antes do intervalo, enquanto Asensio completou sua grande atuação na segunda etapa. Fez o segundo gingando sobre a marcação e chutando firme, antes de acertar mais uma bomba para a tripleta. Noite imparável dos espanhóis, que foram bicampeões do torneio em 2011 e 2013.

Na mesma chave, Portugal também cumpriu o esperado e derrotou a Sérvia neste sábado. Triunfo por 2 a 0 dos atuais vice-campeões da categoria. Gonçalo Guedes aproveitou o erro do goleiro para abrir o placar e, já nos minutos finais, Renato Sanches deu um passe sensacional para Bruno Fernandes fuzilar. A competição viveu sua abertura na sexta, com dois jogos. A anfitriã Polônia perdeu para a Eslováquia por 2 a 1, de virada. Já Suécia e Inglaterra não saíram do 0 a 0.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo