EspanhaItália

Apesar da negativa, Milan segue negociando por Kaká

Apesar da declaração do vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, que o clube teria desistido da contratação de Kaká por problemas fiscais, as negociações seguem. Os dois clubes estão perto de um acordo, mas há uma diferença no valor negociado para compensação financeira ao Real Madrid.

O acordo seria de um empréstimo até o final do contrato do jogador, em junho de 2015, com o pagamento de € 25 milhões amortizados durante o período. Só que o Real Madrid resolver exigir ainda uma compensação financeira de outros € 12 milhões para liberar o jogador, para pagar questões fiscais. O Milan não aceitou.

O Milan sabe que não poderá ter Kaká emprestado de graça, como inicialmente queria. Mas sabe, agora, que o Real Madrid está disposto a negociar o jogador. Sabe que terá que apresentar uma proposta financeira, mas esse valor ainda não está definido. É provável que o Milan tente um acordo parecido com o que fez por Zlatan Ibrahimovic ao tirá-lo do Barcelona: um empréstimo com a compra efetivada ao final do contrato.

Galliani declarou que o negócio estava interrompido, mas as negociações seguem. O Real Madrid quer se livrar do salário de quase € 10 milhões anuais que recebe Kaká. O meia aceitou reduzir o salário para € 6 milhões por ano e o Milan sabe que terá que tirar algum valor para contratar o brasileiro. O valor de € 7 milhões pedido pelo Real Madrid apenas para questões fiscais já foi considerado alto. O de € 12 milhões parece fora de cogitação, ainda mais com a compra obrigatória ao final do contrato. Mas o negócio segue sendo tratado pelos dirigentes.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo