Espanha

Amarelões

Primeira rodada do Campeonato Espanhol. O Villarreal faz 3 a 0 no Valencia no estádio Mestalla, um resultado de impacto até para clubes como Manchester United, Bayern de Munique ou Milan. Na semana seguinte, o Submarino Amarillo tomou um vareio do Real Madrid, perdeu por 5 a 0 em casa e as coisas pareciam voltar a seu lugar. Ou seja, com o Villarreal sendo um time instável e que poderia até ter ambições, mas sem forças para lutar contra os grandes.

Falsa impressão. O time continuou mostrando que seu padrão é muito mais o jogo contra o Valencia do que o meio-termo entre essa partida e a derrota para o Real Madrid, como se supunha. Os castellonenses continuaram mostrando um futebol incisivo ofensivamente, com várias opções de jogadas e solidez para, até o momento, ser o principal perseguidor dos merengues na luta pela liderança do campeonato.

A maior façanha do técnico Manuel Pellegrini e do elenco foi ter encontrado alternativas técnicas e táticas para a perda de Riquelme (ainda no clube, mas encostado) e Forlán (vendido ao Atlético de Madrid), os dois principais jogadores nas últimas temporadas. Uma tarefa nada fácil, pois o argentino é um jogador que dava a característica de jogo cadenciado à equipe.

Nesse aspecto, foi positiva a ida de Riquelme ao Boca Juniors no primeiro semestre deste ano (final da temporada passada na Europa). Com isso, o time já começou a se acostumar a um novo estilo de jogo, mais rápido e insinuante. Além disso, a referência passou a ser Pires, francês que se contundiu na estréia na temporada passada e ficou meio ano parado.

A partir daí, era questão de saber se reforçar para o a temporada 2007/8. E isso o Villarreal soube fazer. Aproveitou o espólio do desmanche do Deportivo de La Coruña e levou o lateral-esquerdo Capdevila. Depois, contou com o retorno de empréstimo de Cazorla, meia bom na marcação e armação e um dos destaques do Recreativo de Huelva na última temporada. E, principalmente, tirou o atacante ítalo-americano Giuseppe Rossi do Parma.

Já estava feita uma nova base. Cazorla e Pires deram estrutura ao meio-campo, sempre com o francês como principal articulador. Rossi se adaptou impressionantemente rápido e desandou a fazer gols. Quando ele não está em campo (como nas últimas rodadas, após grave contusão), o turco Nihat apareceu, justificando o investimento feito há um ano. Na defesa, Cygan tem sido uma garantia. Desse modo, os castellonenses conseguiram seu melhor início de temporada da história, com 27 pontos em 12 jogos.

O Villarreal é tão consistente que tem mantido a boa campanha mesmo em condições adversas. Nas duas últimas rodadas, virou em cima de duas equipes fortes, casos de Atlético de Madrid e Sevilla. Além disso, bateu também o Barcelona. Dos protagonistas desta temporada, fica apenas a derrota para o Real Madrid e o jogo ainda não-realizado com o Espanyol. Se mantiver esse ritmo, o Submarino Amarillo é forte candidato a ficar com uma vaga na Liga dos Campeões. Com todos os méritos.

Rijkaard na berlinda
Mais uma derrota contundente do Barcelona (essa última para o Getafe) e novamente se fala na possível demissão de Frank Rijkaard. O técnico holandês parece ter cada vez menos sustentação na direção blaugrana e os resultados não o ajudam a justificar uma eventual permanência.

O principal problema é a dificuldade do holandês em controlar as vaidades do elenco. Diz-se em Barcelona que Rijkaard é muito cordato e liberal com os comandados, não pegando no pé quando necessário. Com isso, ele foi gradualmente perdendo o controle do grupo e, agora, não tem mais condições de impor mudanças no time.

Por ora, não se prevê uma demissão imediata do técnico. O clube parece preferir esperar o final do ano, quando o Campeonato Espanhol pára por duas semanas, a primeira fase da Liga dos Campeões já terá terminado e o Barça já terá passado por uma série de confrontos delicados, com Valencia, Espanyol e Real Madrid. Desse modo, pode-se dizer que o desempenho blaugrana nessas três partidas será fundamental para definir o futuro de Rijkaard em Les Corts.

A idéia não é de todo mal. O trabalho de Rijkaard dá claro sinais de desgaste e uma das possibilidades seria efetivamente a troca do comandante. Não que ele não tenha méritos n montagem do time campeão europeu em 2005/6. É simplesmente a constatação que o holandês tem muita dificuldade em mais extrair coisas novas do elenco. Se isso ficar confirmado nas próximas semanas, pode ser o sinal de que é hora de mudar.

CURTAS

– Copa do Rei em semana de confrontos de seleções? Estava na cara que os grandes times jogariam com reservas. O Villarreal, entre cedidos a seleções e contusões, ficou com apenas 10 jogadores de linha para a partida contra o Las Palmas. O jeito foi apelar para a equipe B para ter um banco de reservas.

– Barcelona e Ronaldinho processam a emissora de TV Telecinco por invasão de privacidade e atentando à honra. Em um programa do canal, foi mostrado o jogador em uma balada, enquanto que o narrador perguntava-se se ele estaria bêbado ou drogado.

– O departamento jurídico do Barcelona está bastante atarefado. Nesta semana, o clube ainda pediu € 3 milhões de indenização ao jornal Le Monde por publicação de uma reportagem que dizia que os catalães tinham ligação com o médico Eufemiano Fuentes, responsável por casos de doping no ciclismo.

– Um grupo de 57 advogados torcedores do Betis se uniu para formar a “Liga de Juristas Béticos”. O objetivo é trabalhar como um conselho para ajudar o clube a recuperar suas raízes e, principalmente, dar auxílio jurídico para torcedores e empresários que queiram ajudar os verdiblancos.

– Manuel Ruiz de Lopera ainda não deixou o Betis, mas sua situação é insustentável. A torcida pede sua saída e um grupo já apresentou uma proposta para comprar suas ações do clube.

– Jean-Michel Aulas, presidente do Lyon e do G-14, disse que a entidade está aberta à entrada de novos clubes, como o Atlético de Madrid.

– Veja a seleção Trivela da 12ª rodada do Campeonato Espanhol: Leo Franco (Atlético de Madrid); Bruno (Almería), Cata Díaz (Getafe), Bouzón (Recreativo de Huelva) e Licht (Getafe); Marcos Senna (Villarreal), Varela (Mallorca), Matías Fernández (Villarreal) e Robinho (Real Madrid); Villa (Valencia) e Pavone (Betis).

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo