EspanhaLa Liga

Acredite: esta imagem é real e aconteceu na quarta divisão espanhola

Preste atenção na foto, porque você não verá outra como esta tão cedo. A cena bizarra é real, e aconteceu em um jogo da quarta divisão do Campeonato Espanhol.  Durante uma cobrança de escanteio do Teruel, o defensor Daniel Nadales ficou tão desesperado que resolveu escalar a trave. Pânico em vão, já que o Cuarte Industrial passou longe de sofrer o gol.

Segundo o jornalista Alejandro Alonso, que cobriu a partida, a situação aconteceu logo aos sete minutos do primeiro tempo e o juiz nem percebeu. O volante não tocou a bola e a jogada sequer trouxe consequências para o seu time. Se uma insanidade dessas acontece, o árbitro deve marcar tiro livre indireto. Mas a sorte de Nadales não evitou a vitória por 3 a 1 do Teruel.

VEJA TAMBÉM: Suspenso, técnico de time da 7ª divisão inglesa assiste jogo da janela da casa ao lado

Em compensação, o meio-campista se tornou uma celebridade instantânea. “O meu celular não parou de tocar. Sai para trabalhar e, se não vejo a foto, sequer me daria conta do que aconteceu”, contou Nadales ao Marca. Em dias úteis, o jogador semiprofissional de 28 anos trabalha em uma madeireira.

“Foi algo espontâneo. Eles eram muito altos e levavam muito perigo. Assim, nesse escanteio eu escalei a trave para saltar mais, mas foram apenas décimos de segundo. Subi e pulei, foi tudo muito rápido. Ninguém percebeu, nem os meus próprios companheiros. Eles levaram numa boa, mas me disseram que estava louco. Todo mundo achou graça”, completou o capitão do Cuarte, há nove anos na equipe.

Na Espanha, além de Nadales ser comparado a um coala, a jogada logo começou a ser comparada com um momento clássico do desenho Super Campeões, em que Oliver Tsubasa toma impulso na trave para impedir a jogada especial dos gêmeos Derrick. “Não estou preparando nenhuma catapulta infernal”, brincou. Pelo menos isso.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo