Espanha

Barcelona diz não à renovação de Abidal, que será dispensado

A bonita história de Eric Abidal com o Barcelona acaba nesta temporada. O jogador, de 33 anos, conviveu com um câncer de fígado nos últimos anos e lutou pela vida, sempre com o apoio do clube. Agora, recuperado, ele queria continuar jogando pelo Barcelona, mas o clube o comunicou que não pretende contar com os serviços do francês na próxima temporada. O jogador se reuniu com Zubizarreta, diretor do clube, Tito Vilanova, o técnico da equipe, e Sandro Rosell, presidente. Foi este último que disse não a ele sobre a renovação de contrato. O clube quer dispensar um jogador que se tornou símbolo de uma batalha pela vida, está plenamente recuperado fisicamente e o elenco tem poucos defensores. Será que ele não poderia contribuir mais com o time, mais do que contribui Mascherano como zagueiro, por exemplo?

Abidal tinha contrato só até o fim desta temporada. Jogou pouco nos últimos anos. Foram anos intensos e vitoriosos. No clube desde 2007, quando foi contratado junto ao Lyon, foram 15 títulos conquistados. São quatro ligas espanholas, duas Copas do Rei, três Supercopas da Espanha, duas Ligas dos Campeões, duas Supercopas da Uefa e dois Mundiais de Clubes.

O jogador passou por um período muito difícil de recuperação em março de 2011, quando descobriu ter um tumor que o tirou dos gramados em parte da temporada. Sua volta foi triunfal, jogando nas fases decisivas da Liga dos Campeões e recebendo a honra de levantar a taça do capitão Carles Puyol. Mas o tumor voltaria a aparecer em março de 2012 e desta vez seria pior. O jogador ficou um ano parado, depois de fazer um transplante de fígado. Voltou a treinar em dezembro e só voltou a ser relacionado em março, voltando ao time no dia 6 de abril. Fez quatro jogos na temporada.

Com seu contrato terminando em junho, Abidal esperava uma renovação.“Foi muito difícil dizer não pelo carinho que temos por Abidal. O fácil é dizer sim. Quando temos um carinho especial, é triplamente difícil”, disse o presidente do Barcelona, o controverso Sandro Rosell – aquele com ligações para lá de suspeitas com gente como Ricardo Teixeira. O dirigente disse que Abidal tem as portas abertas para retornar ao clube como diretor nas categorias de base. Mas não era o que o francês esperava.

“Hoje é um dia um pouco complicado. Joguei por seis anos no Barcelona, é a experiência mais forte da minha vida. Tive companheiros maravilhosos, os melhores do mundo. Aprendi muito. Graças aos treinadores que confiaram em mim. Também aos médicos e aos fisioterapeutas, que me ajudaram muito em todos os momentos difíceis”, disse o jogador visivelmente emocionado.

“Graças a minha família, meu primo, minha mulher e minhas filhas. Tinha dois objetivos: lutar para ver minhas filhar crescerem e voltar a jogar. Gostaria de seguir jogando no Barcelona, mas o clube vê de maneira diferente e tenho que respeitar. A verdade é que foi muito triste, pensava em continuar aqui porque lutei muito para voltar a jogar aqui. No final, há dois caminhos, seguir ou não. Seguirei em outro lugar”, disse Abidal, emocionado.

“Me decidir não foi difícil. Eu gostaria de seguir jogando no Barcelona, a saúde me permite. É muito difícil pendurar as chuteiras e mudar de vida. Quero seguir jogando, tenho que acabar meu contrato com o Barcelona. Não tenho propostas, tenho tempo para pensar nisso. O importante vai ser a última partida, a ver se o técnico me coloca e posso jogar os últimos minutos no Camp Nou”, declarou.

Mesmo com poucos defensores no elenco, o Barcelona abre mão de Abidal. Mais do que um bom lateral, o francês é uma boa opção para a zaga. E o jogador diz que pretende continuar atuando, em campo, e que tem fôlego para isso. “Tenho tempo para analisar tudo. Acredito que posso aguentar mais uma ou duas temporadas. Tenho 33 anos, posso encerrar a carreira com 35. Depois veremos”, disse. “Os médicos não me disseram para parar de jogar porque colocaria a minha vida em risco. Se tivessem me dito, eu faria isso, mas não é o caso. O clube tomou uma decisão diferente da que eu esperava”, continuou.

Os médicos me disseram que estou em plena forma. Não posso dizer que estou no meu melhor, mas estou melhor do que há seis meses. O que me preocupa é o quanto demoro para me recuperar se jogar uma partida. Fiz um exame e meu coração está bem. Tenho que me preparar na pré-temporada e voltar a estar no meu auge”, declarou o defensor.

O elenco do Barcelona não tem grandes opções defensivas. Para serem zagueiros o Barça tem  Gerard Piqué e Carles Puyol. Javier Mascherano, embora seja volante, no Barcelona é zagueiro. Marc Bartra é outro reserva da posição e que jogou nas partidas contra o Bayern, por total falta de opção. Até o lateral Adriano jogou na zaga, assim como Alex Song, que também é volante.

Faltam opções. E Abidal poderia ajudar sim. Ainda mais com a história que tem o jogador no clube e com a história de vida que ele tem. Mais até, a relação que Abidal tem com os outros jogadores e o carinho da torcida. A avaliação do Barcelona é que Abidal não serve mais. Se chegarem mais zagueiros de alto nível, o clube estará certo, tecnicamente. Mas será que o Barcelona irá suprir essa posição tão carente ou fará como nos últimos anos, que improvisou jogadores? Se não trouxer ao menos um zagueiro de alto nível, o time terá dispensado um jogador que poderia ajudar muito por ali.

Mostrar mais

Felipe Lobo

Formado em Comunicação e Multimeios na PUC-SP e Jornalismo pela USP, encontrou no jornalismo a melhor forma de unir duas paixões: futebol e escrever. Acha que é um grande técnico no Football Manager e se apaixonou por futebol italiano (Forza Inter!) desde as transmissões da Band. Saiu da posição de leitor para trabalhar na Trivela em 2009.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo