Brasil

Tricolor de coração, o lendário Orlando Drummond foi homenageado pelo Fluminense em seu adeus

Dublador de dezenas de personagens e conhecido como Seu Peru, Orlando Drummond faleceu aos 101 anos

É fechar os olhos e muito provavelmente sua memória resgatará a voz de Orlando Drummond. O carioca se consagrou como um dos maiores dubladores da história da televisão brasileira e fez parte da infância de milhões de pessoas. Personagens como Scooby Doo, Popeye, Alf, Frajola, Vingador, Gato Guerreiro, Bob Pai, Hong Kong Fu e Gargamel eram dublados pelo veterano. E se o sucesso veio antes do reconhecimento do público, a aparição como Seu Peru na Escolinha do Professor Raimundo serviu para que Drummond também ganhasse mais admiradores como humorista. Uma personalidade que ficará gravada na memória afetiva de tanta gente.

Nesta terça, aos 101 anos, Orlando Drummond faleceu no Rio de Janeiro. A triste notícia recebeu manifestações de outros atores e também de fãs de seus inúmeros trabalhos. Tal tributo ainda ressoou no time de coração de Drummond, o Fluminense. O Tricolor postou uma mensagem em suas redes sociais, lamentando o falecimento do torcedor ilustre, homenageado pelo time em outras ocasiões. “O clube deseja força aos amigos, fãs e familiares neste momento. Fica também o nosso obrigado por tantas risadas e momentos de alegria compartilhados por ele”, escreveu o Flu.

A paixão genuína de Orlando Drummond pelo Fluminense tinha manifestações contínuas nas redes sociais e também em entrevistas. O Tricolor era assunto nas conversas do ator e também estava presente em fotos com sua família. Além do mais, Drummond costumava frequentar as arquibancadas do Maracanã. Nada mais justo que uma lenda da televisão receba tal lembrança do clube. A voz que povoou nossas infâncias também pôde festejar muitos gols do Flu e viver diferentes momentos históricos do clube através das décadas.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo