Brasil

Sou Cruzeiro. Sou Maria. Com certeza

Por José Eduardo*

Nesta data tão importante, em que o casamento gay foi aprovado em todo o Estados Unidos, não podia deixar de lado toda a homofobia intrínseca a esse futebol retrógrado, conservador e pouco evoluído. Enquanto em um país dito conservador como os EUA a luta contra a homofobia ganha força, no futebol brasileiro ainda convivemos com uma cultura ridícula, para evitar usar alguns palavrões.

LEIA MAIS: Times da MLS comemoram histórica decisão do casamento igualitário nos Estados Unidos

A começar por nenhum jogador de futebol ser assumidamente homossexual. Richarlyson, ex-jogador do São Paulo e Atlético Mineiro, é constantemente insultado por uma orientação sexual que ele mesmo nega. Por ter “jeito” de “bicha”, Ricky – tricampeão brasileiro, campeão da Libertadores e do Mundial e com passagens pela Seleção Brasileira – tem sua qualidade diminuída pelos preconceituosos.

A TV adora essa história. O programa Pânico já fez diversos quadros com o jogador para fazê-lo beijar mulheres e provar sua heterossexualidade. Outros programas também abordam o tema de forma até sensacionalista. E a torcida também rejeita o jogador. Quando Richarlyson saiu do São Paulo para ir para o Galo, a rejeição foi imensa, justamente por essa aparente orientação sexual, mesmo que não procedente.

Enquanto isso, nas arquibancadas, o que interessa é ser mais homem, heteronormativo. O são-paulino, soberano na década de 2000, virou Bambi. Por falta de argumentos dentro de campo, o tricolor foi “atacado” com “insultos homossexuais”. Como se ser gay fosse rebaixamento. Mas a torcida do São Paulo comprou o pseudo-insulto e não aceita ser chamada de Bambi. Não quer ser tachada de gay.

ASSINE A NEWSLETTER: Conteúdo exclusivo toda semana no seu e-mail!

O mesmo acontece em Minas. O Cruzeiro dominava o estado, enquanto o Atlético-MG vivia seu maior período de seca de títulos. A saída: chamar os cruzeirenses de Maria. Uma dupla “ofensa”: ser mulher e homossexual. Afeminado. E, obviamente, a torcida conservadora celeste comprou a briga e revidou chamando os atleticanos de “frangas”. Não bastasse a supremacia em títulos, o cruzeirense queria se mostrar superior, mostrando sua masculinidade.

Esta é a realidade do futebol brasileiro. Retrógrado. No qual ninguém assiste ao futebol feminino, o gay não é aceito e o objetivo é ser másculo. Infelizmente, as provocações se tornaram comuns em torno da homossexualidade. Fui instruído desde pequeno a gritar em alto e bom som “CACHORRADA FILHA DA PUTA, CHUPA ROLA E DÁ O CU”, como se isso fosse o maior insulto do mundo. Como se esses atos fossem deméritos a alguém e ações sexuais com mulheres fossem troféus.

Hoje, com 22 anos, reflito sobre a minha posição no futebol. E a condição de Maria me parece confortável. Sou Maria. Maria mãe de família, trabalhadora e guerreira. Maria, transexual, estudante e que apanha no metrô. Maria, homossexual que não pode se assumir por medo de perder o emprego. Sou Maria, quero ser Maria, e apoio todas as Marias.

*José Eduardo é estudante de jornalismo da UnB, blogueiro do Subindo a Linha, cruzeirense e heterossexual a favor da felicidade.

LEIA NOSSOS TEXTOS SOBRE HOMOFOBIA.

Mostrar mais

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo