Brasil

Seleção tem um ano desperdiçado

Com duas vitórias por 2 a 0 sobre Gabão e Egito, a seleção brasileira encerrou o ano de 2011 deixando o torcedor com um sentimento de desconfiança. Foi sintomático para mim o desinteresse em relação aos amistosos neste momento de definição do Campeonato Brasileiro, com a luta por título, vagas na Copa Libertadores e contra o rebaixamento pegando fogo.

Tudo bem que os adversários não eram de meter medo e a seleção foi a Libreville e a Doha sem nomes de peso para empolgar a galera. Mas o final de ano meio abandonado da seleção reflete bem o que foi o ano. O momento de maior envolvimento do torcedor com o time foi na vitória diante de uma fraquíssima seleção Argentina, em Belém, pelo jogo de volta do Superclássico das Américas, quando um time formado só por jogadores que atuam no país teve uma atuação convincente.

Nos momentos em que foi mais desafiada, a seleção de Mano Menezes não respondeu bem. Começou o ano perdendo para a França, em Saint-Dennis – e muito se atribuiu a derrota à expulsão de Hernanes ainda no primeiro tempo. Na Copa América, o time não fez nenhuma atuação digna de elogio na primeira fase. No jogo contra o Paraguai, em que atuou um pouco melhor – mas ainda assim, abaixo das expectativas – esbarrou em um inspirado Justo Villar, enquanto a bola rolou. Nos pênaltis, o inesquecível fiasco das quatro cobranças desperdiçadas e a eliminação.

No primeiro amistoso depois da Copa América, o Brasil voltou a jogar mal diante de um adversário de peso: foi encurralado pela Alemanha em Stuttgart, e o gol de Neymar, nos acréscimos, colocou no placar um resultado mentiroso. De nenhuma forma a vitória germânica por 3 a 2 refletiu a superioridade do time da casa em campo.

Depois de 13 meses e 20 jogos no comando da seleção (sendo 16 destes jogos em 2011), a impressão que se tem é que o ano foi desperdiçado e Mano Menezes não aparenta ter a mesma convicção em relação ao que planeja taticamente para a equipe. Apesar do discurso de sempre de “não se emocionar demais nas derrotas, nem de comemorar demais nas vitórias”, o técnico parece inseguro em relação ao 4-2-3-1 que adotou como padrão para sua equipe.

O principal motivo dessa insegurança é que Mano pensou no esquema com três meias com Paulo Henrique Ganso jogando como o articulador central – e aparentemente, o treinador não tinha um “plano B” caso não pudesse contar com o camisa 10 do Santos. Atormentado por lesões durante toda a temporada e visivelmente fora de forma física e técnica na Copa América, Ganso não tem um substituto. Ou se tem, Mano não o encontrou.

Aliás, se alguém me perguntar quem eu acho que seja o time titular que Mano Menezes tem na cabeça hoje, confesso que não sei responder. Daniel Alves, Thiago Silva, Lucas Leiva e Neymar são absolutos. Não sei se ele pretende insistir com Júlio Cesar e Lúcio, ambos em má fase. Marcelo deveria ser titular absoluto na lateral-esquerda, mas a “fugidinha” da seleção pesou contra até bem pouco tempo.

O companheiro de Lucas Leiva na proteção à zaga tem rodado: Ramires, Sandro, Elias, Paulinho, Luiz Gustavo… Mas são nas três posições à frente que estão todas as dúvidas. Se insistir com a linha de três meias, Neymar joga aberto por um lado, preferencialmente o esquerdo. Sobra a vaga do meia central e do jogador mais à direita. Falta o atacante que, pelas predileções de Mano, é Alexandre Pato.

As outras opções são jogar com três volantes e um meia (que eu acho péssimo, mas é questão de gosto); dois volantes e dois meias (meu esquema de jogo preferido pelas peças que temos hoje) e um improvável 4-3-3, com um meia criando o jogo para Neymar, Pato e mais um atacante de lado.

Para 2012, além de tentar recuperar o tempo perdido este ano e chegar a um consenso sobre o time que será aprontado visando a continuidade do trabalho, a comissão técnica tem ainda outro desafio: montar um time sub-23 competitivo que possa dar fim ao tão batido “projeto olímpico”. Mano Menezes vai ficar à frente da equipe que vai a Londres – e isso passa por direcionar o trabalho no primeiro semestre todo para isso, além de avaliar quais os três “coringas” que vão compor o elenco.

Para encerrar, deixo para análise dos leitores as estatísticas de oito das principais seleções do atual cenário internacional em 2011. Aqui seguem jogos amistosos e de competições. Claro que as estatísticas isoladas, sem a análise dos jogos, não dá a dimensão exata de o que precisa melhorar. Analisando friamente os números (e somente eles), a impressão que se tem é que a seleção brasileira não está tão mal assim. Será?

França – 13 jogos, 7 vitórias, 6 empates (única seleção invicta no ano)
Alemanha – 13 jogos, 9 vitórias, 3 empates, 1 derrota
Espanha – 12 jogos, 9 vitórias, 1 empate, 2 derrotas
Holanda – 11 jogos, 6 vitórias, 3 empates, 2 derrotas
Itália – 10 jogos, 8 vitórias, 2 empates, 2 derrotas
Argentina – 21 jogos, 9 vitórias, 8 empates, 4 derrotas
Uruguai – 16 jogos, 9 vitórias, 5 empates, 2 derrotas
Brasil – 16 jogos, 9 vitórias, 5 empates, 2 derrotas

Série B: um sábado de arrepiar

 

Sábado, a penúltima rodada da série B tem tudo pra prender a atenção até mesmo de quem não tem o time do coração envolvido no rebaixamento ou no acesso. Não há combinação possível de resultados para que promoção e descenso sejam resolvidos juntos nesta rodada, mas mesmo assim, o que vai ter de torcedor angustiado é uma grandeza.

A Portuguesa já subiu, já é campeã, virou Barcelusa e foi notícia na Espanha. Isso, todo mundo sabe. O Náutico precisa de um ponto pra fechar os 100% do acesso, mas só não sobe se acontecerem várias catástrofes ao mesmo tempo (precisa perder os dois jogos, além de Ponte Preta, Bragantino e Vitória ganharem os dois jogos). Em terceiro, a Ponte Preta garante o acesso se vencer o ABC e o Vitória não vencer o São Caetano.

Os dois jogos mais legais são os que interessam simultaneamente no topo e no rodapé da tabela. Pra aumentar a carga dramática, quem está em cima, joga em casa. Bragantino x ASA e Vitória x São Caetano são, sem dúvida, os jogos mais legais do sábado. O Bragantino é o quarto colocado, com 58 pontos. O Vitória é o quinto, com 57. O ASA tem 45 e só está fora da zona de rebaixamento porque tem duas vitórias a mais que o São Caetano. Ainda sonhando com o acesso está o Sport, sexto, com 55 pontos, que recebe o Paraná, virtualmente salvo do rebaixamento, com 49 pontos.

Na parte de baixo da tabela, sofrimento para ASA e São Caetano, além de Icasa (46 pontos, 11 vitórias), Guarani (46, 13 vitórias) e Grêmio Barueri (47, 13 vitórias). Todos jogam fora: o time cearense vai ao Serra Dourada enfrentar o Goiás. O Bugre joga em Pernambuco contra o já rebaixado Salgueiro. O Grêmio Barueri enfrenta o Criciúma.

A nota triste da rodada é que a CBF, aceitando a imposição da emissora que detém os direitos de transmissão, passou Portuguesa x Duque de Caxias pra sexta-feira à noite. A diretoria da Lusa chiou a beça, já que tinha preparado um festão para o time campeão (na última rodada, a Lusa joga contra o Icasa em Juazeiro do Norte).

CURTAS

 

Paulista e Comercial decidem, em dois jogos, a Copa Paulista 2011. O primeiro jogo acontece nesta quarta-feira, em Jundiaí e o segundo, no domingo, em Ribeirão Preto.

Já a Copa Rio está na semifinal. Madureira x Macaé e Bangu x Friburguense são os confrontos, que acontecem na quinta (17) e no domingo. O campeão tem o direito de escolher entre uma vaga na Copa do Brasil ou na série D do ano que vem.

Brasileirão da série C: o CRB pode garantir sua vaga na final da competição nesta quarta-feira. O time recebe o América de Natal no Rei Pelé e um empate coloca o time alagoano na decisão contra o Joinville. América, Luverdense e Paysandu ainda brigam pelo acesso.

Na série D, o Tupi saiu em vantagem na decisão do título. O time de Juiz de Fora venceu o Santa Cruz por 1 a 0, no domingo.

Goiás é mais um estado que já sabe como será seu Estadual em 2012. Não há alteração na fórmula utilizada nos dois últimos anos: são 10 clubes, que jogam entre si em turno e returno, classificando-se os quatro de melhor pontuação para as semifinais. O campeonato começa 22 de janeiro e termina em 13 de maio.

No Espírito Santo, o TJD local suspendeu Linhares, Serra e São Mateus das competições do próximo ano, até que os clubes quitem suas pendências financeiras com a Federação e com o Tribunal. O campeonato capixaba começa dia 21 de janeiro.

Mostrar mais

Equipe Trivela

A equipe da redação da Trivela, site especializado em futebol que desde 1998 traz informação e análise. Fale com a equipe ou mande sua sugestão de pauta: [email protected]

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo