Brasil

Santos e Palmeiras fizeram uma partida interessante, apesar do 0 x 0 no placar

Duelo entre técnicos de Copa do Mundo, que se enfrentaram recentemente nas oitavas de final de 2014. A sensação do começo da temporada contra o atual campeão brasileiro. As expectativas eram altas para o jogo entre Palmeiras e Santos, neste sábado. Elas não foram cumpridas, mas o jogo acabou sendo interessante. Apesar do placar de 0 a 0, a partida do Allianz Parque foi boa de ser assistida, com chances de gols para os dois lados.

LEIA MAIS: Aprovação do VAR no Brasileirão é avanço, mas clubes vetam limite de troca de técnico

O temporal que caiu em São Paulo na hora do pontapé inicial não ajudou o começo da partida, com os primeiros minutos mais disputados do que jogados. A primeira chance de verdade foi do Palmeiras, aos 35, com um chute de Thiago Santos de fora da área que Éverson espalmou para escanteio. Felipe Pires, em seguida, recebeu pela direita e finalizou mal demais, facilitando a defesa do goleiro.

Antes do intervalo, deu tempo de aumentar os níveis de irritação da torcida palmeirense com Borja. Victor Luis chegou bem pela esquerda e cruzou. Borja apareceu livre e sem goleiro na segunda trave e tentou completar de carrinho. Em vez de bater na bola, a bola bateu nele e subiu. Até entraria, mas o erro técnico permitiu que Gustavo Henrique cortasse.

O Santos seguiu impondo seu estilo de toque de bola no segundo tempo, sem conseguir criar boas situações de finalização. Sampaoli, lembrando, poupou Jean Mota e Carlos Sánchez para o jogo contra o River-URU, pela Copa Sul-Americana na terça-feira. Ambos entraram apenas no segundo tempo. Rodrygo, aos 25 minutos, resolveu o problema com uma arrancada. Da entrada da área, tocou para Matheus Ribeiro, que se projetava pela direita. O chute foi forte, mas Weverton conseguiu espalmar a escanteio. No outro lado, Felipe Pires cruzou para uma cabeçada precisa de Dudu, que exigiu linda defesa de Éverson.

O goleiro do Santos voltou a trabalhar muito bem em uma cabeçada de Gustavo Gómez. O zagueiro testou para o chão, e Éverson espalmou com uma das mãos. A bola, porém, bateu no travessão e voltou a campo, onde Borja tentou completar. Gustavo Henrique conseguiu impedir, e o Palmeiras ficou com o escanteio.

Depois de um começo mais travado, a partida pegou no tranco e produziu uma série de boas chances de gol, prejudicadas por chutes ruins ou grandes defesas dos goleiros, principalmente Éverson. O Palmeiras poderia ter saído com a vitória. Sofreu pouco na defesa, o que é relevante contra a ofensividade do time de Sampaoli, mas outra vez mostrou problemas para criar e – para finalizar.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo