Brasil

De patinho feio à sensação do Carioca: o roteiro do Nova Iguaçu até fazer história

Apesar do vice-campeonato iminente, Nova Iguaçu é o grande vencedor do Campeonato Carioca 2024

No último dia 30 de março, em jogo válido pela ida da final do Campeonato Carioca, o Flamengo venceu o Nova Iguaçu sem sustos, por 3 a 0, e colocou quatro dedos na taça. O Rubro-Negro fatalmente será campeão estadual no próximo fim de semana, já que a vantagem é muito grande e a superioridade técnica maior ainda. Entretanto, o grande vencedor da competição não é o time de Tite, mas sim a Laranja Mecânica da Baixada. Afinal, não é todo dia que uma equipe fora do grupo dos quatro grandes do Rio de Janeiro alcança uma decisão estadual.

Desde 2006, um time de menor expressão não chegava à final do Campeonato Carioca. O último a conseguir tal façanha foi o Madureira. Dito isso, a alcunha de “Orgulho da Baixada” é mais do que merecida. O Nova Iguaçu fez história em 2024 e, independente do que aconteça no Maracanã neste domingo (7), às 17h (horário de Brasília), a equipe comandada pelo humilde e carismático professor Carlos Vitor, o Cal, é um exemplo a ser seguido.

Como o Nova Iguaçu chegou até a final?

Assim como a maioria dos clubes pequenos, o Nova Iguaçu trilhou um árduo caminho até alcançar sua primeira final de Campeonato Carioca. Fundado em 1990, o Orgulho da Baixada começou a se notabilizar no cenário do futebol fluminense graças a excelente estrutura que possui. Todavia, isso não foi necessário para fazer com que o time se destacasse dentro de campo. Dificuldades financeiras foram surgindo e a equipe acabou rebaixada em três oportunidades desde sua estreia na elite estadual, em 2006.

Resiliente, o Nova Iguaçu não desistiu. Apesar das frustrações, o clube se manteve firme ao longo dos últimos anos e colheu os frutos na atual temporada. Muitos dizem que, quando um time pequeno consegue chegar na final de um estadual, é sinal de que o trabalho dos grandes não foi bem feito. De fato, isso ocorreu no Rio de Janeiro em 2024. Vasco e Botafogo decepcionaram e sequer alcançaram a decisão. Mas não é só isso que explica a presença do Nova Iguaçu na finalíssima. O time de Carlos Vitor mostrou bom futebol, bateu de frente com todos os clubes e esteve no G4 da Taça Guanabara durante toda a competição.

Campanha do Nova Iguaçu em números

  • 14 jogos
  • 8 vitórias
  • 4 empates
  • 2 derrotas
  • 20 gols marcados
  • 14 gols sofridos

Vitória na semifinal contra o Vasco foi o ápice

A campanha do Nova Iguaçu na fase de grupos foi marcante. Mas o melhor ainda estava por vir. Nas semifinais, a Laranja Mecânica viveu o ápice de sua história: eliminou o Vasco diante de um Maracanã lotado de cruz-maltinos. E não foi aquela classificação marcada por um lance isolado. Muito pelo contrário. O Orgulho da Baixada foi melhor que o Gigante da Colina nos dois jogos, colocou a equipe de Ramón Diaz na roda em diversos momentos e fez por merecer a vaga na decisão.

No duelo de ida, o empate por 1 a 1 não retratou o que foi o jogo. O Nova Iguaçu não teve mais posse de bola, porém, criou as melhores chances e viu o goleiro Léo Jardim sair de campo como herói. O cenário do jogo de volta se repetiu, mas com uma diferença determinante: a vitória da Laranja Mecânica. Bill marcou na metade do 2º tempo o único gol da partida e carimbou o passaporte do modesto clube à finalíssima estadual.

Toque de bola envolvente, rápidas transições, marcação encaixada e jogadores corajosos. O Nova Iguaçu mostrou isso tudo ao longo da atual edição do Campeonato Carioca e colocou seu nome na história do futebol do Rio de Janeiro.

Eliminar o Vasco no Maracanã e garantir vaga na final do Carioca foi o ponto máximo da campanha do Nova Iguaçu (Foto: Icon Sport)

Os grandes nomes da histórica campanha do Nova Iguaçu

Bill e Carlinhos, eis os grandes nomes do Nova Iguaçu no Campeonato Carioca 2024. O primeiro foi revelado pela própria Laranja Mecânica antes de sair para jogar ao lado de Vinicius Júnior nas categorias de base do Flamengo. O ponta-esquerda chegou a ser emprestado a Ponte Preta e CRB e tentou emplacar carreira na Europa. No velho continente, defendeu o Dnipro, da Ucrânia, quando a guerra do país com a Rússia estourou. Por conta disso, ele precisou voltar ao Brasil às pressas.

Antes de acertar seu retorno ao Nova Iguaçu, Bill passou por quatro clubes: Sport, RFS (Letônia), Inter de Limeira e Sampaio Corrêa. Em nenhum deles conseguiu corresponder às expectativas, e acabou se reencontrando na instituição que o projetou para o futebol.

— Sentimento de muita alegria, muita felicidade, realização. Há 6 meses eu embarcava no Rio de Janeiro, voltando da Ucrânia, sem perspectiva de futuro no meu lado profissional. E Deus é maravilhoso, me colocou novamente no Nova Iguaçu, um clube que eu tenho muita identificação (…) Eu cheguei ao Nova Iguaçu disposto a trabalhar e a ser feliz, ninguém acreditou em mim, muita gente me criticou, muita gente falou que eu era só mais um. Eu entrei, assumi a responsabilidade, é muito difícil, e hoje estamos fazendo história. Foi um recomeço, o meu primeiro clube, que me revelou — disse Bill, emocionado após marcar o gol da classificação contra o Vasco.

Números de Bill no Carioca 2024

  • 13 jogos
  • 4 gols marcados
  • 4 assistências
Bill, o grande herói da classificação do Nova Iguaçu à decisão do Carioca (Foto: Icon Sport)

Assim como Bill, a história de Carlinhos no futebol também é recheada de nuances dramáticas. Campeão da Copa São Paulo em 2017 e artilheiro daquela edição, com 11 gols marcados, o atacante era uma das grandes promessas da base do Corinthians. Todavia, não conseguiu se provar no profissional do clube. Além de disputar posição com Jô, o jovem teve problemas de relacionamento com o técnico Fábio Carille. Na época, o treinador, atualmente no Santos, chamou o atleta de indisciplinado. Carlinhos sequer teve oportunidade de mostrar seu futebol no Timão, tendo entrado em campo apenas uma vez.

Antes de reforçar o Nova Iguaçu, o atacante passou por 10 clubes. No Orgulho da Baixada, foi acolhido por diretoria e comissão técnica e finalmente conseguiu provar seu valor dentro das quatro linhas. São oito gols marcados e uma assistência concedida em 13 partidas.

— O professor Cal (Carlos Vitor), Andrezinho… me trataram como ser humano. Todo dia tinha uma conversa, me chamavam de canto para perguntar como estava a minha mãe. Você trabalha mais feliz, contente. Está sendo importante ter esse acolhimento — disse Carlinhos em entrevista ao jornal O Globo.

As boas atuações e os números expressivos de Carlinhos no Campeonato Carioca chamaram a atenção do Flamengo, que acertou a contratação do jogador na véspera do primeiro jogo da decisão. O contrato já foi assinado, e ele passa a treinar junto do elenco rubro-negro após o término do Estadual.

Números de Carlinhos no Carioca 2024

  • 13 jogos
  • 8 gols marcados
  • 1 assistência
Foto de Guilherme Calvano

Guilherme Calvano

Jornalista pela UNESA, nascido e criado no Rio de Janeiro. Cobriu o Flamengo no Coluna do Fla e o Chelsea no Blues of Stamford. Na Trivela, é redator e escreve sobre futebol brasileiro e internacional.
Botão Voltar ao topo