Brasil

Bicampeão com goleada na final, Palmeiras fez do Paulista de 2023 uma continuação de seu 2022 vencedor

Clube alviverde perdeu apenas uma vez na campanha vitoriosa e viu rivais serem eliminados ao longo do caminho

Goleada por 4 a 0 no segundo jogo da final para reverter o placar adverso da ida. No caso do Palmeiras, vale tanto para as finais do Paulista de 2022, contra o São Paulo, quanto para as de 2023, contra o Água Santa.

Enquanto via os rivais ficando pelo caminho, o Palmeiras caminhava tranquilo para conquistar o bicampeonato estadual no começo deste ano.

Embalado pela conquista do Brasileiro de 2022 e da Supercopa do Brasil, sobre o Flamengo, em fevereiro, o clube alviverde transformou o título Paulista em uma continuidade do que havia feito na temporada anterior.

Nem quando perdeu a primeira partida da final, para o Água Santa (2 a 1) – único revés do time no torneio -, o Palmeiras deu a entender que não reverteria o resultado no jogo de volta.

Melhor campanha da 1ª fase

Com 28 pontos, o Palmeiras teve cinco pontos de vantagem para o São Paulo, segunda melhor equipe da fase de grupos. Assim, garantiu a vantagem de decidir em casa nas fases eliminatórias.

Mesmo jogando com o que era seu time titular àquela altura – Endrick e Jailson nas vagas de Scarpa e Danilo -, no começo, o time mostrou certa dificuldade para engrenar: empatou, sem gols, seus dois primeiros jogos em casa (São Bento e São Paulo).

Foi atuando com os reservas, contra o Ituano, que o Verdão fez seu primeiro jogo convicente: 3 a 1, gols de Navarro, Tabata e um contra.

Também foram os reservas que fizeram 2 a 0 no Mirassol, na rodada seguinte. Contra o Santos, já foram os titulares que fizeram 3 a 1, no Allianz Parque – a essa altura, Gabriel Menino já tomara o lugar de Jailson, e Zé já se tornara primeiro volante.

E foi assim, alternando dentro do elenco, que o Palmeiras conquistou oito vitórias e quatro empates nas 12 rodadas da primeiras fase. Um dos empates foi o 2 a 2 contra o Corinthians, em Itaquera.

Endrick começou titular

A primeira tentativa de Abel, de montar o Palmeiras sem Gustavo Scarpa, foi com Endrick como centroavante e Rony como ponta.

Mas nem o cria fazia um bom campeonato, tampouco Rony era sombra do jogador que encantara Abel atuando como comandante do ataque.

Endrick perdeu a vaga de titular na última rodada, contra o Guarani, e na primeira partida da final, contra o Água Santa. Mas o fato de ter feito o gol na derrota por 2 a 1 o fez retornar ao time titular para o jogo de volta.

Um atropelamento

Na decisão, para 41.444 pagantes, o Palmeiras atropelou o Água Santa. Com dois gols e uma enfiada magistral para Rony bater e gerar o rebote para Endrick marcar o terceiro, Gabriel Menino foi o nome da decisão – tudo isso ainda no 1º tempo.

Na etapa complementar, Flaco López ainda faria o terceiro para fechar o placar e para o Palmeiras repetir o 4 a 0 que fizera sobre o São Paulo na decisão do Paulista um ano antes.

Vale ainda a lembrança: o Palmeiras foi o único dos grandes a chegar à semifinal. O Santos nem chegou ao mata-mata. São Paulo e Corinthians caíram para Água Santa e Ituano, respectivamente, nas quartas.

Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo