Brasil

Por que a camisa do seu clube custa tão caro

Camisas de futebol são legais demais. É verdade que algumas têm mais patrocínios do que se gostaria, que nem sempre o uniforme está no tom mais tradicional, que algumas pessoas suam demais com o material sintético. Mas elas são mais do que uma peça de roupa. Elas mostram quem gosta de futebol, gosta de um time. Ajuda a definir uma personalidade.

O problema é que essa construção de caráter pode ficar salgado no seu bolso. Não é todo mundo que pode pagar mais de R$ 200 em uma camisa, por mais apaixonado que seja pelo clube. E ainda há os colecionadores, que precisam lidar com esses valores multiplicados pela quantidade de vezes que ele quiser atualizar a coleção.

Nesses meses que antecedem a Copa do Mundo (e, consequentemente, um maior investimento de fabricantes e consumidores na paixão pelo esporte), vamos tratar do preço da camisa de futebol como o tema da semana. Confiram.

Segunda: Quanto custa lá fora

Comparamos os preços das camisas no Brasil com as de vários países e mostramos: os brasileiros estão pagando caro demais.

Terça: Entenda o tamanho desse negócio

Tornar-se fornecedor oficial é uma atitude muito maior do que simplesmente vender camisas de um time. Vejacomo o fabricante trabalha com o futebol para impulsionar vários negócios.

Quarta: Como é composto o preço

Material, imposto, revendedor, margem de lucro. Como surge o preço da camisa que você encontra na loja.

Quinta: O impacto da pirataria

Até onde vai o impacto da pirataria nos ganhos dos fabricantes oficiais.

Sexta: As fantásticas fábricas de camisas

Como boa parte das camisas vendidas no Brasil são produzidas por algumas fábricas em um bairro no centro de São Paulo.

Mostrar mais

Ubiratan Leal

Ubiratan Leal formou-se em jornalismo na PUC-SP. Está na Trivela desde 2005, passando por reportagem e edição em site e revista, pelas colunas de América Latina, Espanha, Brasil e Inglaterra. Atualmente, comenta futebol e beisebol na ESPN e é comandante-em-chefe do site Balipodo.com.br. Cria teorias complexas para tudo (até como ajeitar a feijoada no prato) é mais que lazer, é quase obsessão. Azar dos outros, que precisam aguentar e, agora, dos leitores da Trivela, que terão de lê-las.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo