Brasil

Os 60 anos do Morumbi: Como os jornais e revistas da época narraram a inauguração do estádio

O Morumbi não é apenas a casa do São Paulo. O estádio é o orgulho do clube e da torcida, que participou ativamente de sua construção. Há exatos 60 anos, em 2 de outubro de 1960, o palco tricolor foi inaugurado. As obras ainda não estava completas. Ainda assim, com arquibancadas cheias e recorde de arrecadação, os são-paulinos viveram um domingo inesquecível. Peixinho anotou o gol que garantiu a vitória por 1 a 0 sobre o Sporting e abriu a história de uma das praças esportivas mais importantes do Brasil – que, afinal, abrigaria grandes momentos de todos os principais clubes paulistas.

A partir de sua fundação, o São Paulo rodou por diferentes estádios. Começou sua história na Chácara da Floresta, às margens do Tietê. Passou também pela Mooca, até marcar os primórdios do Pacaembu com conquistas importantes e o talento de Leônidas da Silva. Apesar disso, o desejo de ter uma casa própria seguia entre os são-paulinos. O clube namorou com diferentes regiões da capital – do Canindé ao Sumaré, do Ibirapuera às margens do Pinheiros. Mas foi a partir da década de 1950 que, enfim, o Morumbi se tornaria a terra prometida dos tricolores. Um loteamento seria construído na região, o Jardim Leonor, e o estádio seria chamariz aos novos moradores de uma área então considerada afastada da cidade.

O São Paulo adquiriu o terreno do Morumbi antes mesmo de ter um projeto concreto para o estádio. Logo depois, as ideias não demoraram a tomar forma, com a escolha dos responsáveis – o escritório Vilanova Artigas. A preparação do solo começou em 1953. Na sequência, o clube lançou um projeto de venda de cadeiras cativas, que se tornou base ao financiamento das obras. Enquanto as arquibancadas eram erguidas, em 1957, o gramado já recebeu um jogo de inauguração contra um combinado carioca. De qualquer maneira, os três anos seguintes seriam de trabalhos intensos, até que o início da história na nova casa acontecesse em outubro de 1960.

Naquele momento, o Morumbi já tinha quase metade dos anéis das arquibancadas construídos. Também levava seu nome oficial, Cícero Pompeu de Toledo, uma homenagem feita ainda em vida para o presidente que idealizou o projeto e iniciou as obras. O dirigente, à frente do clube em conquistas importantes a partir dos anos 1940 e reeleito múltiplas vezes, faleceu um ano antes da inauguração. Mas sua influência àquela história não seria negada pelos tricolores, inclusive com a presença de um busto com sua imagem no local.

O Sporting seria o convidado de honra à primeira partida. A solenidade contou com casa cheia e a presença de autoridades. Treinado por Flávio Costa, o São Paulo alinhava alguns ídolos históricos, como Poy, Gino Orlando e Canhoteiro – embora desfalcado por De Sordi e Dino Sani. E o herói daquela tarde chuvosa seria o jovem Peixinho. Aos 12 minutos de partida, o camisa 7 de 20 anos aproveitou o cruzamento à meia altura de Jonas para mergulhar na área e emendar a cabeçada rumo às redes. Não apenas inaugurou a história do Morumbi, como também batizou a jogada com sua alcunha – um apelido herdado de Peixe, seu pai, também ex-jogador. O placar terminaria com a vitória por 1 a 0, diante de quase 65 mil espectadores.

A abertura do Morumbi, aliás, não se encerrou naquele jogo. O São Paulo também tinha marcado um amistoso contra o Nacional de Montevidéu e enfrentou os uruguaios no domingo seguinte. A festa teria o apoio, inclusive, dos rivais paulistas. Corinthians, Palmeiras e Santos cederam jogadores ao Tricolor, enquanto a Portuguesa só não participou do combinado também porque tinha compromisso na data. Assim, os são-paulinos turbinaram sua escalação com os alviverdes Julinho Botelho e Djalma Santos, bem como com o corintiano Almir Pernambuquinho. Olavo deveria vir do Parque São Jorge, enquanto o Santos cedeu ninguém menos que Pelé e Mauro (este, antigo ídolo tricolor), mas o trio se tornou desfalque de última hora por lesões.

Não foram as ausências, porém, que impediram o São Paulo de registrar mais uma vitória em seu novo estádio. E desta vez, ainda mais categórica, com o triunfo por 3 a 0 sobre o Nacional. Canhoteiro e Gino Orlando, duas vezes, fizeram os gols são-paulinos na ocasião. Naquela mesma data, ocorreu ainda uma partida com os veteranos do chamado Rolo Compressor, o time tricolor que dominou o Paulistão em meados dos anos 1940. Enfrentaram antigos oponentes dos outros clubes paulistas da época. Rui, Noronha, Sastre, Friaça, Neco, Oberdan, Luizinho e Araken foram algumas das lendas no gramado. O combinado paulista venceu por 3 a 0.

Com a compra da parcela restante do terreno e um novo projeto para finalizar o financiamento, o São Paulo concentrou seus esforços em terminar o Morumbi durante a década de 1960. A conclusão das obras aconteceu em fins de 1969, para a nova inauguração em janeiro de 1970, em amistoso contra o Porto. Quase 150 mil torcedores viram a partida, que terminou com empate por 1 a 1. Aquele ano também seria um marco da história vitoriosa no Morumbi: em setembro, os são-paulinos conquistaram o Paulistão, encerrando o jejum que perdurava em 1957. A partir de então, os títulos voltariam a ser abundantes, marcando o início de uma era em que o estádio se transformou em símbolo imponente da força tricolor.

***

Abaixo, para recontar a inauguração, reunimos recortes de vários jornais e revistas da época, que narravam o evento. Clique com o botão direito do mouse para abrir em nova guia e ampliar. Também recomendamos fortemente o livro oficial “São Paulo Futebol Clube – 90 Anos: A Construção do Morumbi – parte I (1944 a 1960)”, assinado pelo historiador Michael Serra. A publicação, da qual se derivou boa parte do texto acima, está disponível gratuitamente online.

Folha de S. Paulo

Estado de S. Paulo
Correio Paulistano
Correio Paulistano
Diário da Noite
Diário da Noite
Jornal dos Sports (RJ)
Jornal dos Sports (RJ)
Jornal dos Sports (RJ)
Jornal dos Sports (RJ)
Jornal dos Sports (RJ)
Revista do Esporte
Revista Manchete
Diário de Notícias (RJ)
Correio da Manhã (RJ)
Jornal do Brasil (RJ)

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo