Brasil

O olhar de fora: toda forma de crime possível

Enquanto a onda de protestos no Brasil descamba para violência, ódio aos partidos políticos e pluralidade de discurso em um mesmo contingente, os veículos do exterior seguem acompanhando a luta de muitos brasileiros por… por… por algo que a maioria já não sabe mais ao certo.

Novamente reunimos dois exemplos de cobertura, uma boa e uma ruim. Os americanos do New York Times exploraram o ponto de virada que vimos nesta semana, com a deturpação de alguns objetivos dos manifestantes, citando a preocupação de ativistas com essa distorção, até com uma entrevista com Mayara Vivian, uma das líderes do Movimento Passe Livre. Em outro caso, o Daily Mail estava indo bem ao comentar a remota possibilidade da Fifa cancelar a Copa das Confederações em andamento, até que… bem, veja aí embaixo onde cada um acertou ou errou.

MANDOU BEM

New York Times: rumo dos protestos mudou muito e decepcionou ativistas, tá ceeeerto!

O New York Times foi muito bem ao encontrar e entrevistar Mayara Vivian, uma das precursoras e referências entre os representantes do Movimento Passe Livre. Mayara conta que quando mais jovem sonhava em mobilizar a população como fez nas últimas semanas. O problema é que de repente o foco mudou e as ruas foram tomadas por uma sensação de “o que exatamente está acontecendo aqui?”. A matéria do NYT resume essa interrogação com o trecho: “De repente, um país que era visto como grande exemplo de emergente, viu seu poder democrático invalidado por uma marcha popular por um único tema: um bravo e por vezes violento protesto de rejeição à política vigente”. Na mosca.

DEU UMA ESCORREGADA

Daily Mail: como assim ‘guia dos principais crimes’ no Brasil?

Mas aí a gente é obrigado a mostrar o vacilo dos ingleses do Daily Mail. Começaram a matéria sobre uma possibilidade da Fifa em cancelar a Copa das Confederações. O boato cresceu nesta sexta-feira, apesar da entidade negar qualquer plano nesse sentido. O veículo encheu a reportagem de fotos e diluiu o texto, que não tinha nenhum erro de condução até o fim, quando vemos a bomba do estereótipo. De repente a gente vê que “o crime é uma preocupação enorme para o país”, o que não está de todo errado. Até que o redator da matéria resolve fazer um guia com as principais modalidades de crime praticadas por aqui. Eles citam de forma desnecessária os sequestros-relâmpago, arrastões em ônibus e assaltos a motoristas em faróis.

Claro, corretíssimo. Inclusive deveríamos fazer os Jogos Olímpicos da Violência, com o latrocínio 4×100, roubo de bolsa e receptação de carga roubada para fundistas. Não é uma questão de esconder os problemas que assolam o Brasil, mas também é uma tremenda ingenuidade focar só no alto índice criminal.

Obs.: na seção “O Olhar de Fora”, mostraremos exemplos positivos e negativos de como a mídia estrangeira leva a seu público o que está acontecendo na Copa das Confederações no Brasil. Vamos destacar boas sacadas ou reportagens que mostrem bem o que estamos vendo aqui de perto, e cornetar o que retratar o torneio, o País ou sua cultura de modo superficial, preconceituoso ou equivocado.

Mostrar mais

Felipe Portes

Felipe Portes é zagueiro ocasional, cruyffista irremediável e desenhista em Instagram.com/draw.portes

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo