Brasil

Líderes em diversas estatísticas perdem espaço e viram reservas no Palmeiras

Destaques do Palmeiras em mais de um fundamento hoje não estão entre os preferidos de Abel

O Palmeiras vai chegar a 30 jogos na temporada 2024 na quinta-feira (30), contra o San Lorenzo, pela última rodada da fase de grupos da Copa Libertadores.

O número redondo significa que o Palmeiras já ultrapassou mais de um terço do total de jogos que deve fazer neste ano. Se tudo der certo, e o clube chegar às decisões de Libertadores, Copa do Brasil e Mundial de Clubes, o Verdão pode bater em 80 partidas.

Neste momento, os números mostram um Palmeiras em transição. Destaques estatísticos do elenco, muito por conta da campanha vitoriosa no Campeonato Paulista, têm perdido espaço.

Enquanto novatos, que ainda não produziram tanto, vêm ganhando espaço e conquistando a confiança de Abel Ferreira.

Número de jogos: Rony sobra

Talvez em seu pior ano desde a chegada ao Palmeiras, Rony é o líder disparado em número de participações. Com 29 jogos, ele tem dois a mais que Piquerez, Aníbal Moreno, Ríos e Flaco López.

Outro reserva com muitas participações é Marcos Rocha. O lateral/zagueiro soma 24 jogos, contra 18 de Mayke, que é o atual dono da posição. O índice mais baixo do camisa 12 se explica pela lesão sofrido após a Supercopa Rei.

Dos atuais titulares, quem tem menos jogos é Lázaro, com 16 partidas, duas a menos que Gómez e que o próprio Mayke.

Rony lamenta chance perdida (foto: Iconsport)

Mais gols: O artilheiro perdeu sua vaga

Flaco López vinha fazendo uma excelente temporada. Poupado no jogo seguinte à conquista do Paulista, o atacante desapareceu do time titular. Mas, mesmo assim, é o goleador do Palmeiras no ano, com 11 gols — dois a mais que Raphael Veiga.

Além do número de gols, Flaco também puxa a fila no número de finalizações certas, com 30 — vantagem de oito para Veiga e sete para Rony.

Com 29 jogos, os números de Rony corroboram o ano ruim, já que ele fez apenas cinco gols. É pouco, mas é mais do que Endrick, que balançou a rede apenas quatro vezes em seu ano de despedida.

Assistências: Rocha se destaca

Os passes para gol são mais um quesito em que o líder perdeu a condição de titular. Com seis assistências, Rocha é o primeiro colocado do fundamento.

Em um ano complicado, o vice-líder é Raphael Veiga, com quatro, das quais três saíram na vitória por 3 a 1 sobre o Liverpool no Allianz Parque, pela Libertadores.

Destaque como artilheiro, Flaco López faz companhia a Veiga na vice-liderança, junto com Mayke.

Anibal Moreno: Investimento bem-feito

Aníbal Moreno conversa com Abel Ferreira em treino do Palmeiras (Foto: Fábio Menotti/ Palmeiras/ By Canon)

Os jogadores de revezam em diversos índices, mas, nas ações defensivas, um mesmo nome aparece em três categorias.

Com 32 desarmes e 17 interceptações, Aníbal Moreno lidera os dois rankings e, por consequência, o número total de ações defensivas, com 49. Com 41, Richard Ríos é o segundo colocado.

Sinal dos tempos: Zé Rafael, que hoje briga por posição, foi líder em ações defensivas na temporada 2023, com  155, seguido por Piquerez, com 110. Em 2021, também liderou, com 102 — Marcos Rocha foi segundo, com 98). Já em 2022, foi o vice-líder: 126, atrás de Marcos Rocha, com 142.

Os números do Palmeiras em 2024

  • Jogos: Rony (29), seguido por Piquerez, Aníbal Moreno, Richard Ríos e Flaco López (todos com 27).
  • Gols: Flaco López (11), seguido por Raphael Veiga (9)
  • Assistências: Marcos Rocha (6), seguido por Mayke, Raphael Veiga e Flaco López (todos com 4)
  • Assistências para finalização: Raphael Veiga (50), seguido por Endrick (27)
  • Finalizações certas: Flaco López (30), seguido por Rony (23) e Veiga (22)
  • Dribles: Endrick (21), seguido por Estêvão (12)
  • Desarmes: Aníbal Moreno (32), seguido por Richard Ríos (29)
  • Interceptações: Aníbal Moreno (17), seguido por Piquerez (16)
  • Ações defensivas: Aníbal Moreno (49), seguido por Richard Ríos (41)
Foto de Diego Iwata Lima

Diego Iwata Lima

Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, Diego cursou também psicologia, além de extensões em cinema, economia e marketing. Iniciou sua carreira na Gazeta Mercantil, em 2000, depois passou a comandar parte do departamento de comunicação da Warner Bros, no Brasil, em 2003. Passou por Diário de S. Paulo, Folha de S. Paulo, ESPN, UOL e agências de comunicação. Cobriu as Copas de 2010, 2014 e 2018, além do Super Bowl 50. Está na Trivela desde 2023.
Botão Voltar ao topo