Brasil

Internacional projeta de dois a três meses para o Beira-Rio voltar a receber jogos

Em entrevista coletiva, vice-presidente Victor Grunberg detalhou os estragos que as enchentes causaram ao patrimônio colorado

Os danos que as fortes chuvas e a consequente cheia do Guaíba causaram no Beira-Rio foram grandes. De acordo com Victor Grunberg, vice-presidente do Internacional, serão necessários de dois a três meses para que, com a reconstrução, o estádio colorado possa voltar a receber jogos.

— Entre 60 e 90 dias. Eu não quero me comprometer com esse prazo, porque a água está baixando agora e a gente vai conseguir entender o real tamanho [do estrago]– afirmou Grunberg, em entrevista coletiva na tarde desta quarta-feira (15), no Complexo Esportivo da PUC-RS, em Porto Alegre, onde o elenco do Internacional realiza seus treinamentos.

Gramado do Beira-Rio demandará de 45 a 60 dias para ser recuperado

Boa parte desse tempo será utilizado para a recuperação do gramado do Beira-Rio. Até então um dos melhores do Brasil, ele ficou completamente alagado durante as enchentes. Nos últimos dias, com a água baixando, viralizaram imagens que mostram o campo muito danificado.

— Nós tivemos uma perda importante no nosso campo. A água chegou a 60 centímetros. Com isso a gente perdeu o plantio da grama de inverno. A grama de verão se mantém, mas a gente inicia agora um trabalho agora do plantio da grama de inverno. Vai levar um tempo de cerca de 45 a 60 dias — explicou Grunberg.

Estragos no Beira-Rio não ficaram restritos ao campo

Mas não é só o gramado do Beira-Rio que foi afetado. Os estragos se estenderam às arquibancadas e à parte interna do estádio, como mostram imagens divulgadas pelo Internacional também nesta quarta-feira (15). O vice-presidente colorado fez um resumo de tudo que foi danificado, e dos prazos para reconstrução.

Água subiu ao segundo nível de cadeiras da arquibancada. Foto: Divulgação/SC Internacional

— A água chegou a cerca de 1,00 m, 1,20 m, todo nível um do estádio. Para explicar para o torcedor, chegou até a segunda fileira de cadeiras no estádio, que ficou bastante tempo com a água nessa posição. Os bancos da casamata saíram da casamata, estavam na metade do gramado. São imagens que doem, vermos nosso patrimônio assim. […] A gente imagina que dentro de 30 dias, 45 dias a gente consiga fazer a limpeza do estádio e a reconstrução da parte de mobília e a parte elétrica. Sabemos que vai haver muita demanda, tem muita gente necessitando reconstruir. Estimamos um prazo de 45 até 90 dias para que essas áreas sejam reconstruídas — projetou Grunberg.

Banco de reservas foi parar no meio do campo do Beira-Rio. Foto: Divulgação/SC Internacional

CT Parque Gigante precisará de ainda mais tempo para ser recuperado

A preocupação também se estende ao CT Parque Gigante, que é ainda mais próximo do Guaíba do que o Beira-Rio e, por conta disso, está submerso. O vice-presidente do Internacional disse que a estimativa para recuperação do centro de treinamento, que pode até aumentar após avaliação dos estragos, é de 120 dias.

CT Parque Gigante está embaixo d’água. Foto: Divulgação/SC Internacional

Enquanto isso, ao menos nesse primeiro momento, enquanto não joga, o elenco colorado segue treinando no Complexo Esportivo da PUC-RS. A depender do estádio que o departamento de futebol escolher para mandar as partidas, o local de treinamentos pode ser alterado. O próximo confronto do Inter marcado é com o Belgrano, no dia 28 de maio, pela Copa Sul-Americana.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo