Brasil

Gustavo: “Lusa pode sonhar com a Sul-Americana”

Um dos destaques da surpreendente campanha da Portuguesa, o zagueiro Gustavo falou ao blog.

 

O que se pode esperar da Portuguesa nesse campeonato?

Eu já vejo a classificação para a Sul-Americana como algo possível. Com 52 pontos, talvez 50 dá para ganhar uma vaga, o que seria bem importante para a Portuguesa, disputar uma competição internacional. Mas, antes disso, é importante garantir a permanência na Série A para 2013. Essa é a meta principal porque a Portuguesa não fez grandes investimentos como outros times. De qualquer forma, se você luta pela Sul-Americâna, você escapa do rebaixamento. Para isso, tem de fazer entre 42 e 45 pontos.

Qual é o ponto forte da Portuguesa?

Acho que é a união de todos. Todo mundo está unido para conseguir nossos objetivos. E com a presença do Dida, que dá muita confiança para o time, conseguimos um bom rendimento defensivo. Tomanos 20 gols em 21 jogos, é a quinta melhor defesa, juntamente com a do Corinthians.

Mudou muito em relação ao time que caiu no Paulista?

Eu fiz apenas três partidas no Paulista e fui afastado injustamente. No futebol, todos perdem e todos ganham e quiseram fugir dessa verdade, quiseram mudar o foco e culpar cinco jogadores. Mas, respondendo à pergunta, a confiança é que mudou. Os bons resultados levam a ter mais confiança. Hoje, vamos ao Rio enfrentar o Vasco com mais confiança do que fomos jogar em Mirassol para evitar o rebaixamento.

Como foi sua volta?

Primeiramente, o Geninho veio falar comigo e perguntou por que estava afastado. Disse que não sabia. Depois, veio o Candinho e perguntou se queria voltar. Aceitei e desde a segunda rodada ganhei um lugar no time.

Foram 18 jogos em 20 possíveis. Como você conseguiu?

Desde o início da minha carreira, levei poucos cartões amarelos. Não perco jogos por causa disso.

Como é o Geninho?

Ele é bom técnico, entende de futebol, sabe elogiar e sabe cobrar também. Com ele, conseguimos fazer bons jogos no 3-5-2 e também no 4-4-2.

Você, que jogou no Palmeiras, que conselhos daria ao time para não cair?

Primeiro, não se deve acreditar que time grande não cai. O Brasileiro é muito difícil. Depois, é preciso saber que diretoria e torcida não fazem o time reagir. Tudo está na mão dos jogadores. Eles lá, nós aqui, é que temos de levar o time para onde merece. Sabendo disso, é importante se fechar, estar unido e diminuir a taxa de erros. Não dá para chegar no final do campeonato precisando ganhar três das últimas cinco rodadas. Fica difícil.

Foto de Anderson Santos

Anderson Santos

Membro do Na Bancada, professor da Unidade Educacional Santana do Ipanema da Universidade Federal de Alagoas (UFAL), doutorando em Comunicação na Universidade de Brasília (UnB) e autor do livro “Os direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro de Futebol” (Appris, 2019).
Botão Voltar ao topo