Brasil

‘Filme de terror’: família de goleiro gaúcho teve 4 casas atingidas pelas enchentes

Thierry, goleiro do Brasil de Pelotas, viveu momentos de angústia enquanto aguardava informações do pai, que precisava de resgate em São Leopoldo

“Foi uma tortura, um filme de terror”. Assim Thierry, de 25 anos, define as longas horas que viveu no último final de semana. A família do goleiro do Brasil de Pelotas, que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro, foi uma das tantas atingidas pelas enchentes no Rio Grande do Sul. Ao todo, quatro casas de parentes do jogador foram tomadas pela água no bairro Campina, em São Leopoldo, no Vale do Rio dos Sinos.

Para aumentar a angústia de Thierry, ele estava envolvido em uma partida na tarde de sábado (4). Apesar das inundações que já assolavam o estado àquela altura, mas ainda não haviam afligido a zona sul, Bagé e Brasil de Pelotas resolveram realizar um jogo-treino no Estádio Pedra Moura, em Bagé. Durante a viagem de cerca de duas horas e meia para a atividade, o goleiro mantinha contato com seus pais em São Leopoldo.

— Meu pai vinha passando notícias de como estava. Gravou vídeos e fotos. Estava subindo um pouco a água, chegou lá na nossa rua, mas como nunca tinha chegado lá em casa, a gente pensou ‘Ah, vai vir, vamos subir os móveis’, mas a gente esperava que viesse uma água que subisse até a canela, o joelho. Eu tive que largar o celular às 15h por causa do jogo, só fui pegar o celular de novo às 18h, 18h30min, e o cenário já era totalmente diferente. Minha mãe falou que a água tinha subido muito. Não demorou quatro, cinco horas. A água, quando veio, veio muito forte e subiu — conta Thierry à Trivela.

Pais de Thierry precisaram evacuar de casa, e solicitaram resgate

Para se salvar, a mãe de Thierry foi para a casa dos padrinhos do goleiro, enquanto o pai, que ainda pegou os cachorros no pátio, se dirigiu para a residência de um vizinho. Ambos solicitaram resgate, que o jogador reforçou em pedidos nas redes sociais. O da mãe e dos padrinhos veio com mais rapidez, entre as 23h e as 23h30. Mas o pai e os vizinhos seguiam no aguardo.

— Ele falou que estava ficando sem bateria, estava economizando. Me mandava mensagem de uma em uma hora, às vezes até mais. E eu postando, chamando todo mundo, tentando ligar para uma galera tentar me ajudar. Não era só meu pai que estava nessa situação, muitas pessoas foram pegas de surpresa. Lá no nosso bairro, por exemplo, a nossa rua estava cheia de gente. Tudo foi uma tortura, um filme de terror. E por volta de 2h30 eu perdi o contato com ele. Ele só tinha me avisado que um barco tinha visto ele e os três vizinhos que estavam ali. Iriam fazer o resgate de algumas pessoas, porque o barco estava cheio, e voltariam ali. Quando respondi a mensagem, ele já não recebeu mais — recorda Thierry.

São Leopoldo foi uma das cidades mais afetadas pelas chuvas no Rio Grande do Sul. Foto: Prefeitura de São Leopoldo

Após nove horas sem contato com o pai, amigo de Thierry o comunicou do resgaste

Durante a madrugada, a cada duas horas o goleiro reforçava o pedido de socorro em suas redes sociais, divulgando seu número para contato e postando foto com o rosto do pai. Por volta das 11h40, enfim a ligação que Thierry tanto aguardava veio. Era de um amigo, que o avisou que havia resgatado seu pai, que estava seguro, e sendo levado para junto de sua mãe.

— Foi um alívio. Fiquei nove horas sem contato com meu pai. Tu pensa um monte de coisa. Eu estou em muitos grupos de WhatsApp da região. E tu só via a água subindo, só via fotos e vídeos tristes, pessoal desesperado, desaparecendo, morrendo. Então tu pensa muitas coisas. A gente tenta ser o mais positivo possível, só que… Não tem como ser 100% positivo, tu vai pensando que daqui a pouco pode ter acontecido algo muito sério. É muito triste tudo isso que eu passei, não desejo isso pra ninguém — desabafa Thierry.

Familiares de Thierry estão seguros, e goleiro permanece em Pelotas

A casa do goleiro e de suas duas avós estão embaixo d’água. O primeiro andar da de seus dindos também. O alento é que todos estão seguros. Os pais estão em Sapiranga, na casa de seu dindo. Enquanto isso, Thierry permanece em Pelotas, que passou a ser afetada nos últimos dias e faz parte de uma região de risco, principalmente por conta da previsão de chuva a partir desta sexta-feira (10). Os treinamentos do Brasil estão suspensos até segunda-feira (13), e os jogos, assim como o de todas as equipes gaúchas, até dia 27.

Tragédia climática no Rio Grande do Sul já deixou mais de 100 mortos

Os temporais que iniciaram no último dia 29 de abril no Rio Grande do Sul já deixaram 107 mortos, 134 desaparecidos e 754 feridos, conforme o levantamento da Defesa Civil, divulgado no final da tarde de quinta-feira (9). Há 395,6 mil pessoas fora de casa. Desse total, são 68.519 em abrigos e 327.105 mil desalojados (pessoas que estão nas casas de familiares ou amigos). 431 dos 497 municípios do estado registram algum tipo de transtorno.

Foto de Nícolas Wagner

Nícolas Wagner

Gaúcho e formado em Jornalismo pela PUC-RS, já passou pela Rádio Grenal e pela RDC TV. É, também, coordenador de conteúdo da Rádio Índio Capilé.
Botão Voltar ao topo